Copagril – Sou agro com orgulho
Arno Kunzler

Um ano difícil

Se 2020 nasceu com a perspectiva de ser um ano bom, antes da pandemia, de crescimento econômico e tranquilidade política, com grandes projetos de reforma sendo votados e aprovados, 2022 se apresenta como um período extremamente difícil.

A economia está visivelmente desorganizada e imprevisível, seja pelas ações dos próprios governantes, seja pela consequência natural da pandemia.

Casa do Eletricista ROWA

Na política não está fácil para ninguém.

Nied 2021 L1

Numa leitura rápida do quadro atual, podemos concluir que a esquerda, dividida entre Lula e Ciro Gomes, terá enormes dificuldades para eleger o próximo presidente, apesar da aparente vantagem de Lula.

Combate Max Natal

Vejamos. Para superar a casa dos 40% de intenções de votos, o candidato da esquerda precisa reconquistar os votos perdidos para Ciro e os perdidos pela desestruturação total dos governos do PT, que deixaram um rastro de acusações e de corrupção sem precedentes.

Rui Sonho nov/dez 2

Vai ser difícil aquele eleitor que desacreditou no PT votar em Lula na próxima eleição.

Por outro lado, para Ciro crescer, terá que avançar sobre o eleitorado de Lula, o que não parece tão fácil.

Mas também não será fácil para o atual presidente Jair Bolsonaro, por enquanto sem partido, mas com chance de se filiar ao PP, que luta para evitar a disparada da inflação, ao mesmo tempo em que precisa gastar com seu projeto social Auxílio Brasil e ainda recebeu de presente os precatórios.

As reformas já empacaram e a inflação não dá sinais de recuo, nem mesmo com a elevação dos juros, tardiamente, é bem verdade.

Bom, se não está fácil para Lula, nem para Ciro e nem para Bolsonaro, então deve estar mais fácil para os que defendem uma candidatura alternativa a Bolsonaro.

Ledo engano. Também não será.

Há vários pretendentes, mas não será fácil escolher um que tenha apelo suficiente para se tornar uma candidatura viável e com credibilidade suficiente para tirar Lula ou Bolsonaro do segundo turno.

Rodrigo Pacheco se filiou ao PSD de Gilberto Kassab. Terá um partido grande e forte, mas não terá unanimidade.

Sergio Moro é esperado no Podemos. Terá um partido interessante, mas provavelmente não encontrará alianças para reforçar sua candidatura.

A fusão do DEM com o PSL resultará no maior partido do Congresso, a Aliança Brasil, com a intenção de lançar candidato próprio à Presidência da República, mas o provável candidato, ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, está no mesmo patamar de incertezas com um partido dividido entre os que apoiam o presidente Bolsonaro e os que querem candidatura própria.

O PSDB, que sempre foi o partido que atraiu as demais legendas para polarizar com o PT, parece que, desta vez, não vai exercer esse papel, podendo lançar João Doria ou Eduardo Leite em chapa solo ou até servir para compor uma chapa majoritária com outro partido.

A soma desses nomes representa uma fatia considerável do eleitorado e que facilmente poderia conduzir um candidato ao segundo turno, mas ainda não há consenso entre os partidos sobre a melhor opção, se todos lançam seus candidatos no primeiro turno ou, para evitar a atual polarização, compõem uma única chapa já no primeiro turno.

E quando esse nome for escolhido, se haverá mesmo a soma ou se, ao invés de somar, dividem o interesse dos demais para apoiá-lo.

Portanto, além das dificuldades econômicas que certamente vão interferir no processo político, ainda teremos muitas disputas internas dentro dos próprios partidos e entre os dirigentes dessas diversas legendas que desejam se unir para combater a polarização entre direita e esquerda.

Se 2020 parecia bom e ficou complicado pela pandemia, 2022 bem que poderia parecer difícil e ser um grande ano.

 

Arno Kunzler é jornalista e fundador do Jornal O Presente e da Editora Amigos

Grupo Costa Oeste 2021

arno@opresente.com.br

TOPO