Elio Migliorança

Um desafio para poucos

 

O período que vivemos é muito significativo para os cristãos, a tal ponto que acaba contagiando a todos, mesmo aqueles pouco ligados às crenças religiosas. Para os cristãos o tempo pascal celebra os momentos mais importantes do plano de Deus que se concretizou na pessoa de Jesus Cristo. Para mim é tempo oportuno para refletir sobre o que fazemos neste mundo, já que estamos aqui de passagem, tempo máximo previsto se tudo correr bem de 90 anos, mas para alguns pode ser metade ou até menos que isso. Considerando que os tempos do universo são contados em milhões de anos, nossa vida é um piscar de olhos do universo. E é neste período da Semana Santa que as celebrações nos conduzem a esta avaliação e a pensar sobre o sentido da vida. Na minha opinião, a vida tem um propósito. Para alguns, isso é plano de Deus; para outros, é o ciclo da vida regido pelo universo.

O desafio lançado, mas que poucos têm coragem suficiente para aceitar, é fazer o bem e cumprir as leis sem dar aquele jeitinho maroto para levar vantagem. Parece fácil, mas ele é tarefa para pessoas com muita coragem e determinação. Comecemos pelo trânsito, saia disposto a cumprir todas as leis do trânsito e praticando direção defensiva, sem revidar quando houver alguma afronta por parte de outros motoristas. Respeite a ordem nas filas, pague suas contas em dia e jamais pense em sonegar impostos. Bem, se você é uma pessoa com situação financeira estável, pode até ser que não custe muito fazer isso. Mas passemos para outra esfera, aquela onde o que você vai partilhar com as outras pessoas não será dinheiro, até porque dar uma esmola de vez em quando acalma a consciência e dá a impressão de que você é o máximo. Mas há outros bens que possuem valor maior que o dinheiro. É o seu tempo e o seu conhecimento. Um dos atos heroicos que vejo em muitas pessoas que anonimamente fazem um trabalho extraordinário em prol da sociedade e das instituições são aquelas que gastam parte do seu tempo de lazer e descanso para se dedicar aos mais diversos serviços. Muitos atuam nas suas comunidades religiosas organizando atividades de formação, outros participam ativamente nas organizações comunitárias, seja na parte administrativa ou na parte de formação proferindo palestras e cursos de formação. Outros tantos participam de conselhos comunitários ajudando a organizar e a supervisionar serviços e obras sociais. Eis aí o desafio, cuja aceitação pressupõe renuncia à comodidade e para o qual é necessário sair da sua zona de conforto para dedicar-se ao próximo. Evidente que me refiro aos serviços prestados gratuitamente, pois quando por ele recebemos remuneração deixou de ser uma doação para se transformar num negócio. E o desafio maior é que você assuma uma missão dessas em caráter permanente, não apenas quando você tem vontade. Caso você aceite este desafio, certamente irá se juntar a uma multidão de pessoas que já se dedica a estas causas há muito tempo, e isso tem ajudado a sociedade como um todo ser um pouco mais justa e solidária para os menos afortunados na vida.

E se você ao final do dia puder fazer com tranquilidade esta oração: “Senhor trata-me amanhã da mesma forma que eu tratei os outros hoje”, pode crer que você está no caminho certo.

Feliz Páscoa para todos.

 

O autor é professor em Nova Santa Rosa

miglioranza@opcaonet.com.br

TOPO