Pastor Mário Hort

Um tiro mortal foi uma “fresta no céu”? – 6ª parte

Em uma gravação antiga, o pastor Busch diz: “Preciso dizer uma palavra muito pessoal, espero que essa penetre até a medula óssea de todos. Você possui uma única vida e essa você pode perder. Com o reconhecimento dessa verdade, começou a minha vida com Deus, quando na guerra, de repente alguém caiu morto ao lado, e eu questionei: ‘Onde está este agora’? E eu sabia com toda certeza que ele vivia sem Deus, como eu. Portanto, ele está lá onde Deus não está, no inferno. Nesse momento me sobreveio uma terrível angústia, pois eu havia ‘pisado’ todos os mandamentos de Deus com os pés, e vivi sem Ele, assim a angústia me pegou, pois eu imaginava: o que seria se eu também recebesse um tiro? E eu de repente percebi que Deus é real e é terrível cair nas mãos do Deus vivo. (Heb. 10:31)

Após essa experiência, eu saí à procura de um capelão militar, mas ninguém conseguia me ajudar. Até que finalmente uma Bíblia chegou às minhas mãos e eu encontrei o texto que dizia: “Jesus Cristo chegou a este mundo para salvar aos pecadores”. (1 Tim. 1:15)

Essa foi a palavra que eu procurava: “salvar aos pecadores”. E eu era um destes pecadores. Eu estava convicto que se eu queria ser salvo, precisava achar a Jesus. Deus não quer que sejamos perdidos e que corramos para o inferno”. Pastor Wilhelm Busch (*27.03.1897 † 20.06.1966)

Este tiro foi uma enorme “fresta” que abriu o céu para que milhares de pessoas pudessem entrar para a glória eterna.

Conhecendo a experiência do pastor Busch, que aconteceu durante a 1ª Guerra Mundial, questionei: “Qual foi o motivo de um jovem ser morto por um tiro e o outro, ao lado, recebeu uma ‘fresta no céu’ que se transformou em luz divina para o mundo”?

A razão foi que este jovem foi filho do pastor com o mesmo nome, Wilhelm Busch. Sua mãe foi uma fiel testemunha de Cristo; também seus dois irmãos Johannes e Friedrich Busch foram teólogos.

Na 1ª Guerra Mundial, Wilhelm Busch foi ao campo de batalha como oficial do exército e naquela época ele vivia muito distante dos caminhos de Deus.

O tiro que acertou o soldado ao seu lado fez a oração de seus pais abrir uma “fresta no céu” que transformou o filho pródigo, em uma das testemunhas mais brilhantes do evangelho.

O pastor Wilhelm Busch brilha ainda, após 100 anos. Seus livros já foram traduzidos para mais de 36 idiomas.

Tudo isso foi resultado do tiro que acertou o soldado. A bala foi usada para chamar o filho pródigo Wilhelm Busch ao arrependimento e abrir uma fresta no céu.

Deus usou um “tiro” para abrir o céu e falar de forma direta do valor fundamental da vida, comunicando ao jovem que “Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores”.

Você é pródigo e espera por um tiro que acerte alguém ao seu lado? Muitos filhos pródigos foram acertados, morreram e nunca mais voltaram para a casa do Pai. Seus pais, avós e irmãos estão orando por seu retorno aos caminhos de Deus.

Temos mais de 22% de evangélicos no Brasil, e multidões nos países latino-americanos e africanos. Porém, o percentual dos pródigos(as) é maior que nós podemos imaginar.

 

Jesus disse que a metade adormeceria batendo na porta fechada (Mt. 25:1-13)

Aqueles que vivem sem Deus adormeceram e têm o nome de que vivem, mas estão mortos. Se não se arrependem, irão para o lugar onde Deus não está.

Volte também, você, que está perdido para Deus. Volte antes que seja tarde demais.

Aguardo seu testemunho.

 

 

Mário Hort, o autor é pastor da Igreja de Deus no Brasil em Marechal Cândido Rondon

ecosdaliberdade@yahoo.com.br

TOPO