Pastor Mário Hort

Uma fresta no céu no poste da fogueira – 3ª parte

No ano 165 d.C., na cidade de Pérgamo, uma das cidades às quais Jesus enviou suas cartas do Apocalipse (Apc. 2:12-17), dois homens foram condenados a sacrificar aos ídolos: Karpus, um homem inteligente, e Papylus, um simples crente.

O comandante disse aos dois homens: “Eu aconselho que vocês venham a sacrificar”. Karpus respondeu: “Eu sou cristão e glorifico somente a Cristo, ao Filho de Deus e somente àquele que nos salvou dos nossos pecados, e do engano do diabo. Eu não sacrifico as imagens de feitiçaria e demônios”.

O comandante insistiu: “Você precisa sacrificar, o rei o ordenou”. Karpus respondeu: “Os vivos não sacrificam aos mortos”.

Então o comandante ordenou que os dois homens fossem pendurados em postes. Enquanto Karpus foi pregado no poste e queimado, ele sorria.

Os que estavam observando perguntaram: “Por que você sorri?”. Karpus respondeu: “Eu vi a glória de Deus e não sou mais participante de vossos sofrimentos”.

Quando as chamas do fogo subiram, ele orou dizendo: “Louvado sejas Tu, Jesus Cristo, por me considerar digno de ter parte em Ti” (Väter der Christenheit – F. Haus – pg 27).

Não foi carro importado ou riquezas passageiras que conquistaram os reinos pagãos para o evangelho de Cristo. Foi o sangue dos mártires que venceu os inimigos do evangelho e converteu o Império Romano ao Cristianismo.

É preciso que tenhamos nosso olhar voltado para aquilo que “olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou, o que Deus preparou para aqueles que o amam” (1 Corintios 2:9). Vamos olhar para o céu vivendo a liberdade que temos.

 

Uma “fresta” com escada para o céu

Você já viu uma escada, cujo topo alcançava a glória de Deus?

Jacó, um jovem desejoso de obter as bênçãos de Deus, chegou ao cúmulo de enganar o pai para que ele fosse abençoado pelo seu idoso e cego pai.

Seu irmão, que nasceu primeiro como gêmeo, seria o herdeiro natural das bênçãos paternas. Mas, Jacó queria ser abençoado e chegou ao ponto de praticar um engano muito feio para fingir que ele fosse Esaú, o rude caçador com os braços peludos. Após receber a bênção de forma fraudulenta, Jacó precisou fugir de seu irmão e dormiu em campo aberto, tendo uma pedra como travesseiro.

E sonhou: e eis que uma escada estava posta na terra, cujo topo tocava nos céus; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela; E o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque… E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que tu irás, e te farei tornar a esta terra; porque não te deixarei, até que haja cumprido o que te tenho falado. Acordando Jacó do seu sono, disse: “Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não o sabia. E temeu, e disse: ‘Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus’” (Gênesis 28:11-14).

Você está fugindo de Deus? Envolvido em trabalhos, estressado e com medo? Talvez esteja deitado no hospital, encarcerado no presídio ou cantando no grupo de louvor de sua igreja, mas agonizado e fugindo, com medo do castigo de Deus?

Clame a Deus por uma “escada para o céu”. Não fuja de Deus! Renda-se aos seus pés e saiba que lá onde você se prostra Ele pode lhe dar as bênçãos prometidas a Jacó. Busque-as agora.

 

Mário Hort, o autor é pastor da Igreja de Deus no Brasil em Marechal Cândido Rondon

ecosdaliberdade@yahoo.com.br

 

TOPO