Arno Kunzler

Vírus da discórdia

Se esse coronavírus tem capacidade de contaminar e matar pessoas, imagina a força que tem para gerar discórdia.

Não houve até hoje, um dia sequer, desde que ele se fez presente entre nós, que pessoas não tivessem discutido e discordado sobre o que dele se fala e sobre o que dele se espera.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Impressionante, mas passamos meses discordando sobre quase tudo.

Sobre o remédio que devemos tomar para se livrar dele.

Sobre se devemos ou não fazer o isolamento social.

Se de fato faz tanta diferença usar máscara ou não.

Se precisa de hospitais de campanha.

Se, afinal, temos UTIs para atender as pessoas que necessitam internamento.

E a mais problemática e polêmica das decisões: se o comércio deve ou não fechar.

Já é possível imaginar que sejamos capazes de superar a pandemia provocada pelo vírus.

Um dia ele será superado, ou por vacina ou pelos anticorpos que vamos adquirir.

Mas dificilmente seremos capazes de superar nossas diferenças depois que a pandemia passar.

Ou somos todos muito ignorantes e intolerantes uns com os outros, ou esse vírus tem outro poder.

Os governantes não sabem mais como agir diante da iminência de ver os hospitais todos lotados com doentes.

Os empresários querem, e com razão, abrir seu comércio.

Os que deveriam e poderiam ficar em casa estão cansados e querem é sair.

Os jovens não estão tão vulneráveis e também uma boa parte não está comprometida com os cuidados necessários.

Professores, pais e alunos discutem ano letivo, que para todos os efeitos está praticamente perdido, a não ser que de repente resolvam voltar as aulas em plena pandemia.

Parece que no final todos erramos: a medicina, os políticos e todos que achavam que sabiam alguma coisa.

E o que fazer?

Primeiro, não brigar por causa do vírus. Segundo, não brigar por causa de opiniões diferentes. Terceiro, não brigar por motivo algum.

Tenhamos calma, apesar de tudo e de todos.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos

arno@opresente.com.br

TOPO