Elio Migliorança

VISÃO PARCIAL

O direito à manifestação é um dos pilares das democracias do mundo. Sou privilegiado por dispor deste espaço semanal para expressar minha opinião, e respeitar a opinião dos outros é sinal de sabedoria, até porque dizem por aí que “a unanimidade é burra”. Minha coluna, aqui publicada dia 09 passado, foi comentada por muitas pessoas, e entre elogios, também recebi uma crítica contundente, cujo e-mail transcrevo a seguir, na íntegra.
“Senhor Élio, conheço o senhor apenas de vista e de seus artigos que leio esporadicamente, ainda que de modo rápido, mas fico muito indignado, não com o seu pensamento conservador, moralista, mas com as mentiras que ou o senhor realmente acredita nelas ou é uma questão de maldade mesmo. Sabe-se que os moralistas, para confirmar suas teses excludentes, chegam a delinquir, espero que não seja o seu caso. Ser anti PT, ser ferrenho opositor ao atual governo federal, ser ideologicamente de extrema direita é de seu direito em tempos e numa nação democrática que atualmente vivemos no Brasil, embora o senhor seja saudosista de períodos históricos em que nosso país não usufruía esta liberdade e a única consequência deve ser a de responder perante todos os demais estas posições. No entanto, difundir semanalmente mentiras absurdas é estar a serviço de algo muito ruim. É ser efetivamente um seguidor de Goebbels, para o qual a mentira é mais crível, quanto maior for. Dizer entres tantas outras mentiras que o filho do Lula é um homem rico, aliás, muito, muito rico, de que é proprietário de inúmeras fazendas e dezenas de milhares de cabeças de gado. Tenha dó. Será que isso é apenas ingenuidade de alguém que lê e crê em tudo o que colunistas pagos por conglomerados econômico escrevem na revista Veja, ela própria associada de um império fabricante de armas que tanto mal fazem no mundo? Tudo isso começou com uma notícia de que o filho de Lula seria sócio do frigorífico Friboi, uma S.A. O senhor é muito perverso! A serviço de elites corruptas que achavam que o Brasil é de poucos. Não é não, senhor Élio. O senhor vive do passado. Paulo Henrique Roder”.
Bem, senhor Paulo, nunca fui anti-PT, sou anti governos corruptos, ineficientes e que acobertam corruptos. Talvez eu viva do passado quando lembro de governos que construíram a infraestrutura que temos, e constato que o governo que o senhor defende com tanta ênfase é que vive do futuro quando faz acertos e parcerias com Sarney, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Edison Lobão e tantos outros. Quanto a Goebbels, uma das táticas dele era: quando você não tem argumento para combater uma verdade, ataque o autor. Nisso parece que o senhor é muito melhor que eu. O senhor afirma que lê meus artigos esporadicamente e de modo rápido, é por isso que o senhor não entende o que escrevo ou entende tudo errado. Talvez uma leitura atenciosa mude sua opinião. Quanto a ser mentiroso, fui prefeito durante seis anos e professor durante 33 anos, e nunca um aluno me disse que eu mentia na escola e nem meus adversários políticos dizem que eu menti quando prefeito. Não sou moralista, tenho princípios morais e vivo de acordo com eles. Sobre a opinião da Veja, nunca pautei meus artigos pela opinião da revista. Quanto ao filho do Lula, bem, alguém sabe onde ele trabalha? Bem, senhor Paulo, está aí sua opinião e a minha, os leitores que tirem suas conclusões. Isso é democracia.

TOPO