Editorial
Deleite

Há no Brasil uma sensação prazerosa de justiça que talvezesse país nunca tenha experimentado em mais de 500anos de história. Para o deleite da população trabalhadora e pagadora de impostos, aqueles que corromperamgravemente a nação nos últimos anos estão indo, um a um,para trás das grades. O poderoso Joesley Batista, que hojeprotagoniza talvez o maior escândalo de corrupção doplaneta, zombou da Justiça brasileira e acabou preso.Levou consigo seu escudeiro Ricardo Saud e colocou na mira das autoridades o ex-procurador da República,Marcelo Miller.

Num gesto de retumbante ignorância para bandidos de tamanho calibre, entregou ao Ministério Público Federal provas contra si, que culminaram com a extinção dos benefícios que havia conseguido com a delação premiada. A garantia de que não seria preso foi pelos ares. Pode ser que ele saia em alguns dias, mas até pessoas como o dono da JBS precisam entender que o Brasil está sendo passado a limpo e que nem mesmo eles, que ostentam fortunas bilionárias e comandavam ações governamentais, ferindo os cofres públicos e diluindo em joias e viagens os impostos pagos pelo contribuinte, estão acima da lei.

Talvez pela primeira vez na história brasileira tem gente que está acima da carne seca com medo de perder a liberdade, os bens, o dinheiro. Que o diga o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso pela segunda vez após ser relacionado a R$ 51 milhões em dinheiro vivo encontrados em um apartamento usado por ele. Esconderam provas, ocultaram crimes, caçoaram das leis e foram para o xilindró.

Não menos importante, mas ofuscado por tais acontecimentos, o depoimento do ex-ministro e líder petista Antônio Palocci coloca o ex-presidente Lula em outra encrenca para ele, outro deleite para o brasileiro. O então camarada, que agora tenta um acordo de delação, disse que Lula tinha acordo com a Odebrecht para receber centenas de milhões de reais e vários outros benefícios, como o terreno para o Instituto Lula e o sítio em Atibaia. Tudo em troca de camaradagens. Isso também há de preencher as páginas político/policiais nos próximos dias e, talvez, abalar o inabalável “presidente do povo”.

Há outros picaretas corruptos que também precisam encarar a lei, mas que ainda estão à sua margem. O prepotente Michel Temer e o tucano Aécio Neves sãoalguns deles, assim como tantos outros personagens sorrateiros que desfilam pelos corredores da Capital federal sob o manto da impunidade.

Está claro que o Brasil passa por uma mudança significativa com o desmonte de quadrilhas inteiras que saqueavam os cofres da nação. A lei parece estar sendo usada a favor do povo, e não contra ele, como costumeiramente acontece. Não há hoje no Brasil bandido do colarinho branco que não esteja com medo das garras afiadas do Ministério Público e da Polícia Federal. Até mesmo Joesley Batista, suficientemente arrogante ao ponto de não sentir medo, está entendendo que um dia toda essa pilantragem tinha que ter um final feliz. Bom para o Brasil, um deleite para os brasileiros.