Fale com a gente

Paraná Produtivo - ADI-PR

Duas cooperativas paranaenses estão entre as três selecionadas no edital do Programa Agro 4.0

Publicado

em

Programa Agro 4.0

Duas cooperativas paranaenses estão entre as três selecionadas no edital do Programa Agro 4.0, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI): a Cocamar, de Maringá, e a Lar, de Medianeira. A outra é a Cotrijal, de Não-Me-Toque (RS). Os projetos das coops fazem parte de uma lista com 14 ideias que envolvem a adoção e a difusão de tecnologias 4.0 que vão receber um investimento total de R$ 4,8 milhões. Ao todo, 100 propostas foram inscritas. A Cocamar foi selecionada na Categoria Processamento e a Lar e a Cotrijal estão listadas na Categoria Produção e Colheita. Mais detalhes no site da ABDI: abdi.com.br.

 

Produção de frango

O mercado brasileiro de frango deve registrar maiores volumes de produção e de exportação em 2021. O crescimento é estimado, respectivamente, em 3,2% e 5,3% frente ao ano passado, segundo projeções de consultoria Safras & Mercado. O analista Fernando Iglesias salienta, porém, que, diferentemente da carne bovina e suína, a avicultura possui uma menor dependência em relação à China. “Com bons volumes exportados das proteínas concorrentes a este destino, a carne de frango ganhou a preferência do consumidor médio em 2020 e esse quadro não deve mudar muito no próximo ano”, sinaliza. Iglesias entende que um dos pontos de preocupação da avicultura para o início deste ano está na dificuldade para o abastecimento de milho, como consequência da menor área de verão cultivada no Centro-Sul do Brasil e da estiagem registrada em regiões do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

 

Preço do frango

O frango abatido encerrou 2020 sem ver o mercado registrar o dinamismo que, tradicionalmente, marcava o período de festas, registrando em dezembro o mais fraco resultado do corrente trimestre, com um valor médio muito próximo do observado em setembro passado. A média anual foi de R$ 4,58/kg – valorização de menos de 8% sobre os R$ 4,25/kg alcançados em 2019. É um recorde, pois nunca foram atingidos preços tão elevados quanto os de 2020. Mas perde o significado frente à evolução dos custos de produção e aos custos adicionais surgidos com a necessidade e a obrigatoriedade de implantação de medidas para o enfrentamento da Covid-19.

 

Custo alto

O primeiro semestre do mercado de frango foi fechado com um valor médio inferior ao do mesmo período de 2019, com queda de 5%. No segundo semestre, com a retomada parcial da economia, voltou-se a registrar variação anual positiva nos preços do setor. Todavia, a vantagem obtida no período – aumento inferior a 20% em relação ao mesmo semestre de 2019 – continuou insuficiente para cobrir o custo de produção, que apenas no segundo semestre experimentou aumento anual em torno de 35%.

 

Mercado do boi gordo

O preço do boi gordo no indicador Cepea fechou dezembro de 2020 com valorização de quase 30% se comparado ao mesmo mês de 2019. A arroba que era negociada a R$ 206,95 em 2019 passou a ser negociada a uma média de R$ 267,15 em dezembro de 2020. “O mercado se deparou com uma demanda bastante aquecida, destinada ao mercado chinês. O cenário não foi tão positivo para os frigoríficos que dependiam apenas do mercado doméstico, já que a margem operacional foi bastante deteriorada, o que levou a um movimento de tentativa de baixar os preços do boi gordo, a partir da segunda quinzena de novembro”, diz o analista da Safras & Mercado, Fernando Iglesias.

 

Perspectivas para 2021

Segundo o analista Fernando Iglesias, para 2021 a oferta de boi gordo seguirá bastante restrita, seguindo os passos de 2020. “Para 2021, a perspectiva é de uma oferta ainda bastante restrita no primeiro trimestre, ainda impacto da seca prolongada do segundo semestre de 2020, que afetou a qualidade das pastagens e retardou o desenvolvimento dos animais, que só estarão aptos ao abate no final do segundo trimestre do ano”, diz.

 

 Conta salgada

O Tesouro Nacional começa 2021 com uma fatura trilionária a ser paga aos investidores. A dívida que vence este ano já somava R$ 1,31 trilhão no fim de novembro, valor que deve crescer com a incorporação de mais juros. O desafio chega num ano decisivo para ditar os rumos das reformas consideradas essenciais para o equilíbrio fiscal do país – e, consequentemente, para a capacidade de pagar toda essa dívida no futuro. Nos últimos meses, o governo precisou se endividar mais para bancar o aumento das despesas para combater a Covid-19. A combinação da maior necessidade de financiamento com a aversão ao risco dos investidores, turbinada pela desconfiança em relação à continuidade do processo de ajuste fiscal no Brasil, levou o Tesouro a concentrar boa parte das emissões em títulos de prazo mais curto.

 

Fundação Araucária

O ano em que a Fundação Araucária (FA) completou 20 anos de história também foi um dos mais difíceis no mundo por conta da pandemia da Covid-19. Enquanto muitos setores tiveram que parar suas atividades, a atuação da FA se fez ainda mais necessária no fomento à ciência, à tecnologia e à inovação. Em 2020, foram lançadas 21 chamadas públicas e concedidas 4.177 bolsas de pesquisa e extensão. Foram disponibilizados R$ 59,1 milhões – R$ 30,7 milhões da Fundação Araucária e R$ 28,4 milhões de parceiros. Seguindo uma orientação do Governo do Estado, foi priorizado o fomento à pesquisa e ações de combate ao coronavírus. Uma grande chamada pública foi lançada em parceria com a Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com a supervisão da Secretaria de Estado da Saúde e com o apoio da Itaipu Binacional.

 

Contratos do BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) registrou em 2020, no Paraná, aumento de 34% no valor dos contratos com o setor de comércio e serviços, na comparação com o ano anterior. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Estado obteve saldo positivo de 33.615 vagas com carteira assinada, entre janeiro e outubro. Para o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley, estes recursos foram fundamentais para a retomada da economia do Estado com a contratação de mais mão de obra, abertura de novos empregos e geração de renda. Ele destaca que o BRDE bateu recordes em investimentos no ano de 2020. “Nós recebemos uma demanda de 2.735 pedidos de financiamentos de janeiro a dezembro de 2020, sendo 1.040 delas requisições concentradas de 23 de março a 09 de abril”, explica Bley.

 

Investimentos da Copel

A Copel investiu R$ 511 milhões ao longo de 2020 no segmento de geração e transmissão de energia. Os recursos foram aplicados em obras de novas usinas, linhas de transmissão e subestações de energia e, também, em ampliações, reforços e modernização de instalações já existentes. Uma fatia expressiva desses investimentos, cerca de R$ 130 milhões, foi destinada às obras de implantação da linha de transmissão que vai conectar as subestações Curitiba Leste e Blumenau (SC), reforçando o sistema elétrico da região Sul do Brasil. A linha terá 144 quilômetros de extensão e vai operar em 525 mil volts (kV). A implantação envolveu a montagem de 279 estruturas metálicas para sustentação de 1.728 quilômetros de cabos elétricos e deve ser finalizada no início de 2021. Outro projeto que avançou em 2020 é a recapacitação da linha de transmissão que conecta Londrina e Ibiporã, em 230 kV.

 

Novos leilões no porto

A empresa pública Portos do Paraná abriu consulta para os leilões de arrendamento das áreas PAR32 e PAR50, no Porto de Paranaguá. Os certames devem acontecer no primeiro semestre de 2021, com investimentos totais de R$ 367,6 milhões. A consulta teve início na última quarta-feira (30) e será encerrada no próximo dia 29. Os leilões serão realizados pela autoridade portuária paranaense e os procedimentos prévios são feitos com apoio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), vinculada ao Ministério da Infraestrutura.

 

Locais de arrendamento

A PAR32 é uma área de aproximadamente 6.6 mil metros quadrados, destinada à movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado. O espaço já conta com estrutura, no berço de atracação 205. O prazo de arrendamento é de dez anos, prorrogáveis a critério do poder concedente. Já a PAR50 é para operação de granéis líquidos, com área total de 85.392 metros quadrados, junto ao píer de inflamáveis. O arrendamento prevê instalações de armazenagem de uso misto, com 18 tanques verticais já instalados e capacidade total de aproximadamente 70.181 metros cúbicos, além de sistemas de tubulações, bombeamento, áreas administrativas e de utilidades. O prazo de arrendamento é de 25 anos, também possível de prorrogação.

 

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

Continue Lendo

Facebook