Copagril
Esportes "Vou de bike ao Litoral"

Rondonenses iniciam amanhã desafio de pedalar 1,1 mil km até Florianópolis

Rondonenses Marcelo Garcia, Sérgio Mokfa e Paul Lírio Berwig: últimos detalhes antes do desafio de 1,1 mil quilômetros do Extremo Oeste do Paraná ao Litoral de Santa Catarina (Foto: Joni Lang/OP)

 

Um desafio e tanto! É o que têm pela frente os rondonenses Sérgio Mokfa, Paul Lírio Berwig e Marcelo Garcia. Apaixonados por ciclismo, eles decidiram há cerca de cinco meses colocar em prática um plano um tanto quanto ousado: percorrer 1,1 mil quilômetros de Marechal Cândido Rondon até Florianópolis, Capital de Santa Catarina. A distância entre as duas cidades soma 900 quilômetros, sendo que o percurso restante será percorrido pelos ciclistas dentro de parte da ilha.

O “Vou de Bike para o Litoral”, como ficou conhecido o projeto idealizado pelos três, terá largada às 07h30 de sábado (25), no portal de entrada de Marechal Rondon. O desafio tem como previsão ser concluído na quinta (30) ou na sexta-feira (31) da próxima semana com a chegada no destino escolhido.

Indiferente às intempéries do tempo, como frio e chuva, a expectativa do trio de ciclistas é pedalar de oito a dez horas por dia, fazendo uma média diária de 185 quilômetros, pela BR-277 e depois na rodovia pelo Estado de Santa Catarina.

Atualizações sobre o ousado passeio poderão ser conferidas no portal O Presente (www.opresente.com.br), com imagens e vídeos da aventura, que conta com patrocínio das empresas Real Lacto, O Presente, Editora Amigos, Associação Rondonense de Ciclismo (ARC), Bicicletaria Lírio, GQA Elétricos e Hidráulicos e Cercar.

Para o desafio, o grupo confeccionou camiseta específica. Os patrocínios pagam as camisetas, a despesa da viagem e a logística da volta, que será de ônibus.

 

LOUCURA

Em entrevista ao O Presente, Sérgio e Marcelo contaram ter realizado um pedal noturno alguns meses atrás, quando cogitaram a possibilidade de pedalar de Guaíra a Curitiba e seguir ao Litoral do Paraná. “Depois ampliamos e avaliamos que se era para fazer uma loucura, ela deveria ser bem- feita, então decidimos pedalar daqui até Florianópolis. Inicialmente iríamos em dois, até que o Lírio mostrou ter gostado da ideia e prometeu ir conosco, então planejamos o desafio em três ciclistas”, relata Sérgio.

Marcelo diz que como todos trabalham e têm pouco tempo durante a semana, cada um passou a treinar dentro da sua possibilidade. “Eu aumentei o meu roteiro com pedais de 50, 60 quilômetros vários dias na semana e com um pouco mais de intensidade para suportar o desafio. Também fizemos alguns trajetos parecidos com os que vamos encontrar, como, por exemplo, o roteiro a Guaíra, o qual conta com algumas subidas. Nos finais de semana pedalamos 150 quilômetros. Quando possível, pedalávamos juntos para ter uma integração melhor”, expõe o rondonense, lembrando que há alguns dias Sérgio percorreu 200 quilômetros como preparação ao pedal.

 

PERCURSO

O trajeto será percorrido pelo acostamento das rodovias, sendo que a primeira parada está programada na cidade de Guaraniaçu, para breve descanso, seguindo com destino a Guarapuava. “A partir daí vamos avaliar se podemos pedalar trajetos mais longos ou mais curtos, no entanto, a média deve ser de 185 quilômetros ao dia, logicamente dependendo do clima. Se tiver chuva forte vamos ter que aguardar um pouco até melhorar o tempo, pois a chuva atrapalha mais do que o frio”, comenta Marcelo.

Lírio, precursor do ciclismo em Marechal Rondon, destaca que as dificuldades serão encontradas constantemente. “Alguns trechos serão mais complicados do que outros, como, por exemplo, os trajetos de curvas nas serras, onde não há acostamento. Por isso, vamos tomar muito cuidado”, salienta. “Se a temperatura for zero grau nós vamos pedalar igual, pois o que atrapalha é a questão da chuva, que prejudica em termos de segurança, diminui bastante a visibilidade e o risco de queda fica maior. Então, a chuva é o fator agravante”, pontua Lírio.

Ao final de cada dia, quando cumprir próximo de 185 quilômetros – o que pode variar conforme a condição climática e estado físico de cada ciclista -, o trio vai parar no hotel da cidade para pernoitar. “Vamos tomar um café da manhã reforçado e reiniciar a pedalada por volta das 07h30”, menciona Marcelo.

 

PREVENÇÃO

Por se tratar de uma grande distância a ser percorrida, além dos treinos para um bom desempenho no desafio, os ciclistas levarão alguns apetrechos nas mountains bikes. “Estamos com câmara reserva e ferramentas para o conserto das bicicletas na estrada. O Marcelo sempre leva uma lanterna, e cada um nós tem uma muda de roupa reserva. Quando chegarmos ao hotel vamos lavar a usada e deixar a nova para o outro dia, sendo que as outras roupas serão levadas em uma mala acoplada na bicicleta”, detalha Sérgio.

Considerando que a proposta é pedalar de oito a dez horas ao dia, serão realizados intervalos médios a cada 40 ou 50 quilômetros para hidratação e alimentação. “Mesmo assim, vamos levar algo prático na bicicleta, como barras de cereal, caso haja alguma eventualidade”, expõe Lírio.

Com chegada prevista para quinta ou sexta-feira da próxima semana em Florianópolis, os ciclistas Sérgio, Marcelo e Lírio vão concluir o desafio com uma volta em parte da ilha. “Este é um desejo nosso. Depois vamos decidir pela volta, que será de ônibus. A ideia, nesse momento, é retornar de ônibus no mesmo dia da chegada a Florianópolis”, revelam.

 

RELATO DIÁRIO

Sérgio informa que será gravado um vídeo da saída em Marechal Rondon e ao longo do percurso serão feitas fotos e vídeos mostrando pontos turísticos, paisagens e algo que eventualmente acontecer ou chamar a atenção no decorrer do caminho. “Por exemplo, se furar o pneu, vamos filmar o conserto para quem não conhece ver como acontece. No final do dia enviaremos um resumo do que nós fizemos, como foi o trajeto, fácil ou difícil, e tais materiais serão postados no site de O Presente, numa espécie de diário da nossa viagem. Vai ter relato do começo e do final do dia”, explica.

 

PAIXÃO PELO CICLISMO

Levando uma vida sedentária por muitos anos, Sérgio chegou a pesar mais de 100 quilos. Todavia, há pouco mais de dez anos pratica ciclismo e garante que percebeu melhora na sua saúde e condição física. “Não participo de competição, mas dos grupos de pedal e de atividades”, conta.

O vendedor Marcelo sempre foi adepto do esporte e chegou disputar maratonas. Contudo, depois de um tempo, parou com as corridas e passou a praticar trilha de moto. “Devido a um problema na coluna o médico recomendou que eu fizesse ciclismo. Comecei a pedalar em agosto de 2017 e me apaixonei pelo esporte”, destaca.

Lírio é veterano, sendo há 40 anos o principal nome da modalidade em Marechal Rondon. “Conquistei títulos no município, na região, Estado e no país, e até alguns internacionais. Ainda participo de competições e, a exemplo do Sérgio e do Marcelo, também participo do cicloturismo. Um desafio recente que percorri foi de Marechal a Jaraguá do Sul, uns 750 quilômetros”, evidencia.

 

O Presente

TOPO