Copagril
Esportes "Contrato até 2022"

Tite faz mistério sobre escalação para final e nega saída da Seleção

Foto: Divulgação

 

Não foi exatamente uma resposta clara. Tite citou um fato – que tem contrato até 2022 – e não deixou claro qual o sentimento após o apito final da decisão neste domingo, às 17h (de Brasília), entre Brasil e Peru. Foi perguntado três vezes – e mostrou certo incômodo com a repetição do tema – sobre a possibilidade de deixar a seleção brasileira depois da Copa América.

De maneira sucinta respondeu:

Casa do Eletricista PISCINAS

– 2022 é o contrato, após a Copa do Mundo. É o contrato que Tite manteve com a CBF – disse o treinador.

Educadamente, o treinador balançou a cabeça e fez até gesto ao jornalista ao ouvir a intenção da pergunta sobre a chance de deixar a CBF – de maneira que tentasse avisar “faça outra pergunta para ter alguma resposta”. Diante da insistência, limitou-se a dizer que já havia respondido a questão e não voltaria a tratar do assunto.

Sobre a equipe, voltou a esconder a escalação, sem confirmar quem joga na lateral esquerda – Alex Sandro e Filipe Luís disputam a vaga, mas é Alex Sandro que sai como titular, embora ele não tenha respondido na entrevista coletiva. Ele quis manter o clima de mistério.

– Deixa assim (risos). Deu certo. Amanhã uma hora antes vocês vão saber. Tenho respeito a vocês todos, mas não quero falar sobre quem vai iniciar como lateral-esquerdo.

 

VEJA OUTROS TRECHOS DA COLETIVA:
“LUZ DE ZAGALLO”

– Oito mais cinco, 13, 58 anos que tenho, tomara que tenha luz do Zagallo. Um mestre, cara iluminado, exemplo. Retidão. Tomara que tenha um pouco da luz dele.

PREPARAÇÃO PARA PRORROGAÇÃO?

– Sim. Temos que nos preparar para todas as circunstâncias que o jogo pode se apresentar, inclusive sair atrás. Tem 95, 97 minutos, e neles se decidir. Ou é 120, pênaltis, temos que estar preparados. Não adianta ficar se escondendo de uma coisa que é real. Jogar bem é essência. Pode sair na frente, pode, mas tem que continuar jogando. Tem que continuar produzindo dentro de uma ideia de futebol, estar perto da excelência.

CRÍTICAS

– Primeiro, não acredito que crítica é ser contra alguém. Crítica é opinião diferente. Só. A única coisa que questiono é informação errada, e quando tem comentário com informação errada, tem dois viés. Só isso que coloco. A crítica não é ser mal com ninguém, nós optamos por tanta coisa diferente. Desde que tenha esse cunho, da opinião. Não informação errada.

VAIAS NO MINEIRÃO

– Não ouvi, mas se tivesse ouvido, ficaria chateado. E se você está falando, fico chateado. Porque sou ser humano.

RELAÇÃO COM A TORCIDA

– A gente tem que entender o pensamento do torcedor. Vivemos em um país muito apaixonado. Vai de um nível a outro, de um extremo a outro muito rápido. Mas o nosso trabalho não pode ser assim. 7 a 1, 2 a 0, Maracanazo, campeão em 2002 da Alemanha, perder para a Bélgica, é toda a história. Podemos escolher qual a parte da história que a gente quer contar.

PROBLEMAS DURANTE A COPA AMÉRICA

– Estou tentando pensar, refletir para tentar responder. Primeiro, nunca tenho convicção absoluta de nada, tenho norte, ideia… Uma coisa que o Dani (Alves) falou é que a preparação tem que ser sempre na sua plenitude. Não pode não ter competitividade no trabalho. Excelência é prática, no trabalho. Desafios, temos e são inevitáveis, e até foram mais do que imaginávamos.

NEYMARDEPENDÊNCIA?

– Não lembro, mas a história me ajuda. Se o maior do mundo saiu em 1962, e Amarildo entrou e arrebentou. Se o maior do mundo saiu e foi insubstituível, todos os outros… não é desmerecimento a Neymar, Messi, Cristiano Ronaldo, Hazard, Griezmann… Neymar é diferenciado, é Top-3. Faz coisas com velocidade impressionante. Conjunto tem que estar forte. Se não aparecer Neymar, aparecer o Cebolinha. E David Neres.

FINAL NO MARACANÃ

– Quero pensar no jogo. Remeti à minha época de atleta. No maior do mundo. Agora vou virar técnico de fato da Seleção. Treinar no maior do mundo, no maior templo do futebol mundial. Acho que estou mais calejado. Tem nervosismo, normal, natural. Mas nada se compara ao Mundial. Copa América é grande, mas tem uma série de outras experiências juntas.

 

Com Gloesporte.com

TOPO