Ford Show Rural
Ecoville – Maior rede de limpeza
Geral

Aciag cobra mais rigidez contra abusos na avenida

Empresários reunidos com o promotor de Justiça Marcos Cristiano Andrade: solicitação de intervenção para fazer valer a legislação que coíba a perturbação do sossego público (Foto: Marcelo Aquino)

A Associa ccedil; atilde;o Comercial de Gua iacute;ra (Aciag) promoveu na noite da uacute;ltima quinta-feira (28) uma reuni atilde;o com o promotor de Justi ccedil;a Marcos Cristiano Andrade, ocasi atilde;o em que empres aacute;rios solicitaram que ele intervenha para que se fa ccedil;a valer a legisla ccedil; atilde;o que co iacute;ba a perturba ccedil; atilde;o do sossego p uacute;blico causado por pessoas, ve iacute;culos e estabelecimentos comerciais no centro da cidade.
Junto com o pedido, foi apresentado ao promotor uma rela ccedil; atilde;o de documentos recebidos pela Aciag, atrav eacute;s dos associados, solicitando provid ecirc;ncias. Entres as principais reclama ccedil; otilde;es, destaque para a polui ccedil; atilde;o sonora causada por ve iacute;culos com som acima do determinado pela legisla ccedil; atilde;o; a concentra ccedil; atilde;o de pessoas fazendo o uso de bebidas alco oacute;licas em cal ccedil;adas e estacionamentos; a falta de educa ccedil; atilde;o dessas pessoas que, inclusive, urinam em via p uacute;blica; os rachas e estouros de escapamentos de ve iacute;culos e motos; e tamb eacute;m os transtornos causados por estabelecimentos comerciais que n atilde;o se ajustam ao c oacute;digo de postura municipal.

Preju iacute;zos
De acordo com o presidente da Aciag, Oswaldo Francisco J uacute;nior, os problemas est atilde;o causando a perturba ccedil; atilde;o do sossego, trazendo, inclusive, preju iacute;zo aos comerciantes e insatisfa ccedil; atilde;o da clientela. ldquo;N oacute;s temos casos de comerciantes que a parte superior de seu estabelecimento comercial eacute; fonte de renda atrav eacute;s da loca ccedil; atilde;o, e que est atilde;o tendo dificuldades para locar os seus im oacute;veis rdquo;, explicou Junior.
O promotor Marcos Cristiano Andrade destacou que a Justi ccedil;a s oacute; pode agir mediante a den uacute;ncia e parabenizou a iniciativa da Aciag. O promotor marcou uma audi ecirc;ncia com um n uacute;mero limitado de comerciantes para come ccedil;ar a tomar provid ecirc;ncias sobre algumas das reclama ccedil; otilde;es apresentadas.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

F oacute;rum de Seguran ccedil;a
De acordo com o vice-presidente da C acirc;mara de Vereadores Almir Bueno (PT), recentemente ele esteve com o comando da Pol iacute;cia Militar relatando esses mesmos problemas e que pelo menos em duas oportunidades usou a tribuna da Casa de Leis para alertar os abusos que est atilde;o sendo praticados.
Almir sugeriu a realiza ccedil; atilde;o de um F oacute;rum ou Semin aacute;rio de Seguran ccedil;a P uacute;blica. ldquo;Acredito que reuni otilde;es como estas devem ser realizadas com os demais oacute;rg atilde;os de seguran ccedil;a e com a administra ccedil; atilde;o municipal. Na quest atilde;o do abuso sonoro, h aacute; uma necessidade que a prefeitura fa ccedil;a cumprir o c oacute;digo de postura do munic iacute;pio rdquo;, sugeriu.
O presidente da Aciag gostou das ideias apresentadas pelo vereador e prometeu abrir a discuss atilde;o para os oacute;rg atilde;os de seguran ccedil;a e administra ccedil; atilde;o p uacute;blica.

TOPO