Fale com a gente
Sicredi – Promoção Poupança Premiada [Leonardo]

Geral Saúde

Casos de síndromes respiratórias na região Sul estão perto do platô

Publicado

em

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A tendência de alta nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) pode ter sofrido uma interrupção, segundo o mais novo Boletim InfoGripe, divulgado ontem pela Fundação Oswaldo Cruz. O estudo inclui dados da semana epidemiológica 24, que vai de 12 a 18 de junho.

A Fiocruz avalia que, apesar de os números permanecerem altos se for observada a tendência das últimas seis semanas, os dados recentes apontam um patamar estável no número de novos casos, o que caracteriza a formação de um platô.

[ Publicidade ]
Casa do Eletricista ESCAVAÇÃO 2022

O boletim é o segundo divulgado pela Fiocruz nesta semana, já que na terça-feira a fundação publicou análise de dados que abarcavam até a semana epidemiológica 23, de 5 a 11 de junho.

Para o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, o quadro de estabilização no número de novos casos de SRAG deve ser encarado com cautela e requer mais dados para que seja confirmado.

“Embora ainda apresentem sinal de crescimento na tendência de longo prazo, os estados das regiões Sudeste e Sul dão sinais de possível interrupção nesse aumento de casos, com formação de platô nas primeiras semanas de junho. Como tivemos o feriado prolongado na última semana, pode ter algum impacto nos registros, por isso a cautela e necessidade de aguardar as próximas atualizações para confirmação do cenário”, disse o pesquisador à Agência Fiocruz de Notícias.

Assim como o relatório de ontem, o estudo lançado hoje aponta aumento da participação do SARS-CoV-2 entre os casos de SRAG com teste positivo para vírus: da semana epidemiológica 23 para a 24, essa participação subiu de 71,2% para 80,6%. Já entre os óbitos por SRAG, o coronavírus responde por 94% dos casos quando são considerados apenas as mortes causadas por vírus respiratórios.

A tendência de alta na análise das últimas seis semanas se mantém em 13 das 27 unidades da federação: Acre, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo. O Paraná não aparece na lista.

A mesma situação é verificada em 16 das 27 capitais: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Macapá (AP), Natal (RN) Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA), São Paulo (SP) e Teresina (PI). Assim como o Estado, Curitiba saiu da lista.

 

Paraná inicia distribuição de mais 290 mil vacinas da Covid-19 aos municípios

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) distribuiu, ontem, 292.869 imunizantes para as 22 Regionais de Saúde. São doses para o público infantil, adolescentes e adulto, por solicitação dos municípios, para reforçar os estoques no atendimento à população.

Do quantitativo total, 130.224 são imunizantes da Pfizer/BioNTech, sendo 106.494 para a dose de reforço de adolescentes (12 a 17 anos) e 23.730 vacinas pediátricas para a segunda dose (D2).

Além dessas, outras 150.575 AstraZeneca para a população acima de 18 anos e 12.070 para a D2 de crianças de 6 a 11 anos.

“Iniciamos nesta semana o inverno, e por isso a vacinação se torna ainda mais importante. Lembrar para que todos tomem a vacina, tanto crianças, quanto adultos e idosos. A Covid não foi embora e é necessário estar em dia com o esquema vacinal para que não haja um adoecimento mais grave e com isso diminuir os riscos”, alertou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

Até ontem, o Paraná havia aplicado 25,8 milhões de doses das vacinas, sendo pouco mais de 10 milhões de primeira dose, 9,1 milhões de segunda dose, 336,6 mil doses únicas, me 5,2 milhões de doses de primeiro reforço e 618,5 mil de segundo reforço.

 

Estudo avalia eficácia de doses menores para reforço na imunização anticovid

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Mato Grosso e o Instituto Sabin de Vacinas iniciaram um estudo para avaliar se doses menores da vacina contra a Covid-19 continuam eficazes na geração da resposta imunológica do organismo. Com doses fracionadas, os pesquisadores também querem reduzir as reações adversas à vacina. O estudo envolve apenas as doses de reforço da vacina.

Segundo a Fiocruz, o fracionamento das doses possibilita o aumento mundial da oferta de vacinas, além de orientar novas estratégias globais de imunização. De acordo com os dados do site Our World in Data, uma iniciativa internacional que reúne informações sobre os grandes problemas da humanidade, até o momento 66,3% da população mundial recebeu ao menos uma dose de vacina contra a Covid-19, porém a proporção cai para apenas 17,8% nos países pobres.

O Brasil aparece no mapa do Our World in Data com 78,7% da população vacinada com o esquema inicial. Os dados do Ministério da Saúde indicam 165,1 milhões de pessoas imunizadas com duas doses ou dose única, 91,6 milhões com dose de reforço e 7,8 milhões com a quarta dose. (ABr)

 

Profissionais de saúde são convocados para o 2º reforço

A Prefeitura de Curitiba convoca 89 mil profissionais da saúde para receber o 2º reforço da vacina anticovid – equivalente à 4ª dose para os vacinados no esquema básico com Pfizer, Astrazeneca e Coronavac e à 3ª dose para os vacinados no esquema básico com Janssen. A convocação acontecerá de forma escalonada a partir dsta quinta-feira (23).

O chamamento é direcionado aos profissionais de saúde que moram em Curitiba ou trabalham em estabelecimentos da área na capital mas ainda não receberam o 2º reforço nos locais onde atuam.

A vacina estará disponível em 107 unidades de saúde, das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira. Os endereços estão no Portal Imuniza Já.

Aqueles que não conseguirem comparecer na data divulgada devem buscar um ponto de vacina o mais breve possível, na sequência, para regularizar o esquema vacinal.

Para receber o segundo reforço, é preciso ter o intervalo 120 dias desde o primeiro reforço. Quem teve covid-19, também deve aguardar 30 dias desde o início dos sintomas para tomar a nova dose.

Paralelamente ao atendimento nas unidades de saúde, hospitais do município recebem da Secretaria Municipal da Saúde doses para aplicação do 2º reforço e alguns continuam vacinando diretamente seus colaboradores.

Depois dos profrissionais de saúde a Secretaria vai iniciar a vacinação de segundo reforço do público entre 40 e 49 anos.

 

Boletins Covid-19

Dia 22/06

Curitiba
Novos casos 1.066
Mortes 2
Total
Casos 483.394
Mortes 8.345

Paraná
Novos casos 3.538
Mortes 26
Total
Casos 2.585.193
Mortes 43.334

Brasil
Novos casos 71.906
Mortes 140
Total
Casos 31.890.733
Mortes 669.530

 

Com Bem Paraná

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Continue Lendo

Vídeos Recentes

OP Grupo WhatsApp

Facebook