Ford/Abradif/Rodovel Ranger
Geral Muitos casos

Depois de Entre Rios, agora Cmei de Mercedes tem atividades interrompidas devido à doença mão-pé-boca

Fotos: Divulgação

As Secretarias de Saúde e de Educação e Cultura de Mercedes, juntamente com a 20ª Regional de Saúde de Toledo, informam que, devido ao elevado número de crianças acometidas pela síndrome mão-pé-boca, decidiu-se interromper as atividades escolares no Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Passinhos do Saber.

Conforme levantamento, os casos, que tiveram início no dia 04 de abril, seguem aumentando a cada dia mesmo com as várias atividades preventivas realizadas pelas secretarias. O Cmei será desinfetado a partir desta terça-feira (16), com o retorno das atividades previsto para o dia 22 de abril, período necessário para eliminar os vírus no ambiente.

Tal medida se justifica pelo período de transmissibilidade de sete dias da doença e o fato do vírus envolvido na síndrome mão-pé-boca apresentar potencial de complicações à saúde de crianças.

Das 113 crianças que frequentam o Cmei Passinhos do Saber, 56 não compareceram nesta segunda-feira (15) na instituição e 36 estão com confirmação da síndrome. A orientação é redobrar os cuidados com a higiene.

 

ENTRE RIOS DO OESTE

Em Entre Rios do Oeste o Cmei Padre Emílio foi interditado na sexta-feira (12) para evitar que uma epidemia da doença mão-pé-boca se propagasse na cidade.

Conforme informações extraoficiais, mais da metade das 200 crianças que frequentam o Cmei foram acometidas pela doença viral e altamente contagiosa que causa feridas e bolhas nas mãos, nos pés e na boca, além da garganta.

 

 

O QUE É A DOENÇA?

Mão-pé-boca é uma enfermidade contagiosa que tem como sintomas febre alta, aparecimento de manchas vermelhas na boca, amídalas e faringe e erupção de pequenas bolhas nas palmas das mãos e nas plantas dos pés.

A transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas.

SUGESTÕES

– Nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes. Fique atento, portanto;

– Alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir; já os alimentos ácidos, muito quentes e condimentados são mais difíceis;

– Bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;

– Crianças devem ficar em casa, em repouso, enquanto durar a infecção;

– Lembre sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada.

 

TRATAMENTO

Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é sintomático com antitérmicos e anti-inflamatórios. Os medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves.

O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

 

 

O Presente com assessoria

 

TOPO