Geral Economia

Dólar fecha a R$ 5,19 e bate novo recorde

(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira (18), encostando em R$ 5,20, com o foco dos investidores na decisão do governo de pedir ao Congresso Nacional para reconhecer estado de calamidade pública em razão da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Além disso, o mercado aguarda pelo anúncio da nova taxa básica de juros no Brasil, que será divulgada às 18 horas.

A moeda norte-americana subiu 3,79% e fechou o dia negociada a R$ 5,1955, renovando recorde de fechamento nominal (sem considerar a inflação). Na máxima do dia, o dólar chegou a R$ 5,2575. Veja mais cotações. No ano, a moeda acumula alta de 29,57%.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Na Bovespa, o dia é de quedas acentuada, seguindo os mercados internacionais.

O Banco Central voltou a atuar nos mercados nesta quarta-feira, ofertando aos mercados leilões de linha com compromisso de recompra no valor de até US$ 2 bilhões. A autarquia já havia realizado intervenção semelhante na terça-feira e na sexta da semana passada.

Na terça-feira, o dólar fechou em queda de 1,10%, a R$ 5,0056. Na máxima, bateu R$ 5,0845 – maior cotação nominal (sem considerar a inflação) já registrada no país.

 

CENÁRIO EXTERNO E DOMÉSTICO

No mundo, os mercados vivem mais um dia de nervosismo nesta quarta, em meio aos elevados temores de uma recessão global, apesar da série de medidas anunciadas por diferentes governos para combater os efeitos da pandemia.

No Brasil, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou a véspera que o governo pedirá ao Congresso Nacional para reconhecer estado de calamidade pública em razão da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a Presidência, se for reconhecido o estado de calamidade, a União não precisará cumprir a meta fiscal prevista para 2020. O orçamento deste ano, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, admite déficit fiscal de até R$ 124,1 bilhões nas contas públicas.

 

EXPECTATIVA DE CORTE DE JUROS NO BRASIL

As atenções do dia estão voltadas para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que anuncia nesta quarta-feira (18) a nova taxa básica de juros. Com o novo corte surpresa nos juros anunciado pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), aumentam as apostas do mercado de um corte mais expressivo na taxa Selic, atualmente em 4,25%.

Recentemente, os patamares cada vez menores da Selic foram apontados como um fator responsável pela disparada do dólar. A redução do diferencial de juros entre o Brasil e outros países torna rendimentos locais baseados na taxa básica de juros menos atraentes para o investidor estrangeiro, o que reduz a entrada de fluxos nos mercados brasileiros.

 

Com G1

 

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO