Geral Seguro-Desemprego

Ministério bloqueia R$ 3,5 milhões em fraudes no Paraná; municípios da região estão na lista

Ministro do Trabalho, Helton Yomura: "Fiscalização do Ministério do Trabalho conseguiu impedir a ação de criminosos, com o uso de tecnologia de ponta” (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O Paraná teve 586 requerimentos bloqueados pelo Ministério do Trabalho desde a entrada em operação do sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-Desemprego (Antifraude), em dezembro de 2016. Até abril de 2018, as fraudes bloqueadas chegaram a R$ 3,5 milhões. “Esses recursos são importantes e devem ser utilizados apenas para atender os trabalhadores em momentos de desemprego. A fiscalização do Ministério do Trabalho conseguiu impedir a ação de criminosos, com o uso de tecnologia de ponta”, afirmou o ministro do Trabalho, Helton Yomura.

Entre os municípios paranaenses, a maioria dos casos foi registrada em Castro, com 245 fraudes bloqueadas, totalizando um valor de R$ 1,6 milhão. Depois, destacaram-se Mariluz, com 101 casos e fraudes de R$ 498 mil; Foz do Iguaçu, que teve 40 requerimentos bloqueados, chegando a quase R$ 215 mil; Curitiba, que em 20 fraudes bloqueadas atingiu R$ 130,7 mil; e Piraquara, com 15 bloqueios e cerca de R$ 113 mil. Todas as fraudes no Paraná foram na modalidade Emprego Formal.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

 

Antifraude Requerimentos Bloqueados PR
CIDADE Qtde Valor Bloqueado
Castro 245 R$ 1.604.927
Mariluz 101 R$ 498.080
Foz do Iguacu 40 R$ 214.962
Curitiba 20 R$ 130.702
Piraquara 15 R$ 113.019
Ponta grossa 18 R$ 103.197
Araruna 20 R$ 95.226
Umuarama 14 R$ 85.966
Paranaguá 9 R$ 60.959
Campina Grande do Sul 9 R$ 59.030
Peabiru 10 R$ 57.300
Pinhais 8 R$ 60.354
Marialva 8 R$ 49.283
Campo Largo 9 R$ 46.916
Nova Londrina 5 R$ 31.712
Colombo 4 R$ 30.172
São Pedro do Ivaí 5 R$ 25.666
Antonina 3 R$ 24.556
Quatro Barras 3 R$ 23.562
Loanda 3 R$ 20.391
Maringá 4 R$ 18.640
Siqueira Campos 4 R$ 17.373
Assis Chateaubriand 3 R$ 14.252
Santa Terezinha de Itaipu 3 R$ 13.584
Toledo 2 R$ 13.451
Campo Magro 1 R$ 8.143
Bocaiúva do Sul 1 R$ 8.117
Cambé 1 R$ 7.711
Guaratuba 1 R$ 7.711
Londrina 1 R$ 7.711
Paiçandu 2 R$ 7.710
Santo Antônio da Platina 1 R$ 6.411
Mandaguari 1 R$ 6.228
Moreira Sales 1 R$ 5.681
Campo Mourão 1 R$ 5.647
Fazenda Rio Grande 1 R$ 5.580
Reserva 1 R$ 4.833
Teixeira Soares 1 R$ 4.833
Cornélio Procópio 1 R$ 4.633
Wenceslau Braz 1 R$ 4.633
Paranacity 1 R$ 4.400
Sarandi 1 R$ 4.005
Tibagi 1 R$ 3.893
Telemaco Borba 1 R$ 3.520
São Mateus do Sul 1 R$ 2.388
Total 586 R$ 3.527.070

 

Nacional

Em todo o Brasil, o sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-Desemprego (Antifraude) implantado pelo Ministério do Trabalho (MTb) em dezembro de 2016 já proporcionou uma economia de quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos até abril de 2018. Com quase 62 mil requerimentos bloqueados nesse período, o Antifraude chega perto de R$ 313,7 milhões em fraudes bloqueadas em todo o Brasil. “Esses recursos seriam levados por quadrilhas organizadas que, ao longo do tempo, fraudaram e roubaram o dinheiro dos cofres públicos, mas agora elas estão sendo identificadas e interceptadas, com o uso da tecnologia de ponta”, afirma o ministro do Trabalho substituto, Helton Yomura.

Implantado no âmbito da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), o sistema Antifraude é uma solução avançada de análise, que utiliza tecnologia de ponta para colher dados, informações e conhecimentos, subsidiando o processo de detecção de indícios de fraudes, conluios e riscos associados à gestão de recursos do Seguro-Desemprego, em todas as suas modalidades – Emprego Formal, Doméstico, Pescador e Bolsa Qualificação.

O secretário-executivo do MTb, Leonardo Arantes, explica que esta solução também inclui funcionalidades e recursos tecnológicos para auxiliar e alavancar as atividades de controle quando há manipulação, análise e tratamento de grandes volumes de dados. “Assim, construímos no Ministério do Trabalho uma Arquitetura de Informação, tipo Big Data, para combate à fraude”, diz Arantes.

A economia total, no montante exato de R$ 965.589.391,00 até agora, inclui a soma de R$ 313.695.406,00 em fraudes já bloqueadas e R$ 651.893.985,00 em ilícitos previstos. No primeiro caso, a fraude já ocorreu, mas o MTb conseguiu impedir o pagamento de parcelas previstas; no segundo, são consideradas fraudes evitadas desde o início do projeto, além de uma projeção da Coordenação do Seguro-Desemprego de ilícitos que seriam cometidos nos próximos 12 meses, mas que foram impedidos com o uso da tecnologia. “A previsão é de chegar ao total de R$ 1 bilhão em economia para os cofres públicos em breve”, explica o ministro Helton Yomura.

Desde a criação do sistema, o Ministério do Trabalho, em conjunto com a Polícia Federal, já deflagrou cinco operações de combate a fraudes no Seguro-Desemprego, que resultaram em 31 prisões.

 

Com assessoria

TOPO