Pref. Pato Bragado – Dengue 2019
Geral Outubro Rosa

No Brasil, mortalidade do câncer de mama está abaixo da média mundial

Foto: Divulgação

O câncer de mama é um dos tipos de câncer mais comum no Brasil e afeta cerca de 25% das mulheres no país. E em pleno mês de conscientização sobre a doença, temos uma ótima notícia: a mortalidade do câncer de mama no país é baixa se compararmos a outros países, como por exemplo, a França e o Reino Unido. E você sabe o motivo? É o acesso da mulher ao diagnóstico precoce e tratamento adequado logo que a doença é descoberta. O médico sanitarista e epidemiologista, Arn Migowski, que é chefe da Divisão de Detecção Precoce e Apoio a Organização de Rede do Instituto Nacional do Câncer (INCA), explica como foi possível essa redução.

“A gente tem conseguido ao longo das últimas décadas aumentado o acesso, principalmente com SUS, o acesso da população a serviços de saúde. Tem aumentando a cobertura da Atenção Primária, tem aumentado o acesso aos diagnósticos e o tratamento do câncer. Foram que nas últimas décadas tem havido uma evolução no tratamento do câncer de mama”

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Em 2018, só pelo SUS, foram realizados 2.465.101 exames de mamografia. O Ministério da Saúde recomenda a mamografia de rotina em mulheres entre os 50 e os 69 anos, a cada dois anos, mesmo que não tenham sinais e sintomas da doença, como afirma o médico Arn Migowski.

“A detecção precoce… que é o rastreamento, que são exames de rotina em mulheres assintomáticas, aí a indicação é a mamografia uma vez a cada dois anos para mulheres de 50 a 69 anos, só dentro deixa faixa etária que tem evidencia cientifica que reduz a mortalidade, em outras faixas etárias não existe sequer evidências que existe benefícios e aumenta o risco desnecessariamente”

Quanto mais cedo é feito o diagnóstico maiores são as chances de cura. É possível detectar alguns sinais de alerta no nosso corpo antes mesmo da mamografia. A orientação é que a mulher realize o autoexame das mamas sempre que se sentir confortável, seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano. O médico Arn Migowski destaca a importância de se fazer essa avaliação das mamas.

“Um estudo que mostra que nos anos 70 até a década passada, a letalidade, a proporção de casos que acabam com óbito, mortes da mulher em 10 anos reduziu 42%, em alguns casos em tumores palpáveis, aqueles tumores que a mulher detecta apalpando a sua mama ou o médico no seu exame”

A obesidade, o uso de bebidas alcoólicas e o sedentarismo podem aumentar o risco para o desenvolvimento do câncer de mama. As mulheres precisam ficar atentas a qualquer alteração de suspeita da mama e, se for o caso, procurar o serviço de saúde mais próximo para investigação.

 

Com Agência do Rádio Mais

TOPO