Pref. MCR Ecoturismo_
Geral projetos científicos

Pequenos futuros cientistas expõem seus trabalhos na Ficiencias Kids

(Foto: Diogo Souza/PTI)
  • (Foto: Diogo Souza/PTI)

  • (Foto: Diogo Souza/PTI)

  • (Foto: Diogo Souza/PTI)

  • (Foto: Diogo Souza/PTI)

  • (Foto: Diogo Souza/PTI)

Na Feira de Inovação das Ciências e Engenharias (FIciencias), na quarta-feira (6), foi dia de criança dar aula para gente grande, na versão kids do evento. Alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) de Foz do Iguaçu e Catanduvas apresentaram projetos científicos nos mais variados temas, como a origem das bananas, os tipos de rocha que formam as Cataratas do Iguaçu e astronomia.

A FIciencias Kids é a oportunidade de professores que participaram de capacitações promovidas pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e a Itaipu Binacional apresentem os resultados de seus trabalhos levados para a sala de aula. Participam também projetos selecionados de escolas públicas e particulares de Foz. A exposição foi dividida em dois grupos, nos períodos matutino e vespertino.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Os alunos do professor Macarius Cesar Di Lauro Moreira, do 5º ano da Escola Municipal Professora Rosélia de Amorim Silva, levaram à Ficiencias Kids um trabalho sobre os tipos de rochas à formação geológica das Cataratas do Iguaçu. Ele conta que a ideia surgiu a partir de uma pergunta de um aluno, em uma aula sobre bacias hidrográficas, sobre cânions.

A partir daí, Macarius voltou à origem do universo para passar o conteúdo às crianças. O envolvimento maior ele garantiu com a ajuda de um desenho animado chamado Steven Universo. “O trazer para a realidade deles aconteceu por meio do desenho, que também fala das rochas. Aí eles abraçaram o projeto de uma forma fantástica”, diz.

O trabalho de Macarius envolveu gêneros textuais, conteúdos de matemática e até visitas técnicas. Segundo ele, o projeto já deu resultado: a melhoria do desempenho dos alunos na Prova Paraná, avaliação diagnóstica da educação feita pelo Governo do Estado. Para o professor, o empenho dos alunos trouxe motivação. “Tudo foi eles que fizeram. Nós orientamos, direcionamentos, mas tudo partiu deles. Encontrar o serzinho pesquisador neles e por meio disso despertar sonhos, acho que essa foi a grande relevância”, declara.

A aluna de Macarius, Eduarda Luisa Eckhardt, relata que o trabalho em grupo foi o mais importante do projeto. “Se não fosse a união da turma, a gente não conseguiria chegar aqui, não estaríamos com essas maquetes lindas, com esse trabalho maravilhoso”, destaca.

 

Como nascem as bananas?

De uma simples pergunta em sala de aula nasceu o projeto de pesquisa dos pequenos alunos da Escola Municipal Emílio de Menezes, de Foz do Iguaçu. Com o apoio dos professores, eles foram além da resposta para a pergunta inicial, e também aprenderam sobre as formas de plantio, os benefícios e até a origem da fruta. “A banana não é uma fruta brasileira. Ela tem origem asiática, da Indonésia. O Brasil é um dos maiores produtores”, explica Mylena Leite, de 8 anos.

O projeto rompeu as fronteiras da escola e foi apresentado na II FIciencias Kids, espaço dedicado para os menores apresentarem as suas ideias na Feira de Inovação das Ciências e Engenharias (FIciencias). A professora Rosemari de Quadros conta que com o projeto em prática, a fruta passou a não ser vista apenas como alimento para a hora do lanche. “Fizemos uma pesquisa aprofundada sobre o tema e eles até plantaram uma bananeira na escola. Tudo isso partiu do interesse e da curiosidade deles”. A oportunidade de apresentar o trabalho empolgou os estudantes. “Percebemos isso no dia a dia, e com as mensagens dos pais informando que o filho já havia decorado a fala”, completa.

 

Incentivo 

De acordo com Eliziane Diesel Rodrigues, diretora de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação de Foz do Iguaçu, iniciativas como a FIciencias Kids são fundamentais para o desenvolvimento intelectual e pessoal das crianças. “Estou encantada com a desenvoltura deles na explicação. É muito bom vê-los na prática fazendo o que aprendem em sala de aula, além da oportunidade de mostrar todo esse conhecimento para outras pessoas. É uma experiência que, com certeza, eles vão levar para o resto da vida”, pontua.

 

Com assessoria

 

TOPO