Geral

Representantes da Saúde discutem segunda onda da gripe A

Diretora da Unidade de Saúde 24 Horas, Rosane Ost: Com a vacinação, as férias escolares prolongadas no inverno, dentre outros fatores, ajudaram para que não houvesse nenhum caso no município (Foto: Arquivo/OP)

Em 2009, nesta mesma eacute;poca do ano, havia um alarde geral por conta da gripe A (H1N1). Milhares de casos foram registrados, inclusive mortes. Tudo isso provocou medo em muitas pessoas, at eacute; porque a libera ccedil; atilde;o do rem eacute;dio contra a doen ccedil;a foi controlada pelo governo e n atilde;o havia vacina.
Um ano depois, o que se v ecirc; eacute; tranquilidade e a gripe j aacute; n atilde;o eacute; mais assunto nas rodas de amigos. Mesmo assim, as equipes de sa uacute;de continuam atentas e de olho no ldquo;comportamento rdquo; da doen ccedil;a. Prova disso eacute; que representantes das secretarias de Sa uacute;de dos munic iacute;pios de abrang ecirc;ncia da 20 ordf; Regional de Sa uacute;de de Toledo t ecirc;m encontro marcado na segunda-feira (02), agrave;s 19 horas, no audit oacute;rio da prefeitura toledana, para discutir sobre a estrat eacute;gia da gripe A (H1N1). Ser aacute; apresentado, na oportunidade, novo protocolo de enfrentamento da segunda onda da doen ccedil;a.
Segundo a diretora da Unidade de Sa uacute;de 24 Horas de Marechal C acirc;ndido Rondon, Rosane Ost, acontecem por ano de duas a tr ecirc;s ondas. A primeira em 2010 foi entre os meses de junho e julho e a segunda ser aacute; de agosto a setembro. ldquo;A vacina ccedil; atilde;o e as f eacute;rias escolares prolongadas no inverno, dentre outros fatores, ajudaram para que n atilde;o houvesse nenhum caso no munic iacute;pio. N atilde;o temos nem caso suspeito registrado ainda rdquo;, afirma.

Segunda onda
Na avalia ccedil; atilde;o de Rosane, este segundo enfrentamento deve ser igual ao primeiro: tranquilo. ldquo;Temos que esclarecer que resfriado eacute; uma coisa e gripe eacute; outra. As pessoas confundem muito isso rdquo;, diz, que acrescenta: ldquo;Nenhum hospital ou m eacute;dico nos informou sobre caso suspeito. Na segunda-feira vamos discutir sobre a quest atilde;o de notifica ccedil; atilde;o. No ano passado, quando o paciente tinha dois a tr ecirc;s sintomas era feita a notifica ccedil; atilde;o. Na primeira etapa deste ano s oacute; se notificava quem fosse encaminhado para o hospital rdquo;, explica.

Vacina ccedil; atilde;o
Para Marechal Rondon, estava prevista inicialmente a imuniza ccedil; atilde;o de 21.278 pessoas, conforme n uacute;meros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estat iacute;stica (IBGE). ldquo;Vacinamos 23.537 rondonenses, percentual de 111,14%. Mas como a Secretaria de Sa uacute;de recebeu uma cota extra da vacina, foi poss iacute;vel imunizar 27.154 pessoas, de um total de 47 mil habitantes, o que representa 57,78% dos mun iacute;cipes rdquo;, detalha.

TOPO