Ecoville – Maior rede de limpeza
Ford Show Rural
Geral

Secretaria de Segurança rebate Mapa da Violência

A Secretaria de Seguran ccedil;a P uacute;blica do Paran aacute; (Sesp) divulgou nota ontem (30) questionando o resultado da pesquisa Mapa da Viol ecirc;ncia, que revela que o Estado saltou da 14 ordf; para a nona posi ccedil; atilde;o em rela ccedil; atilde;o agrave; taxa de homic iacute;dios. Segue a an aacute;lise da Secretaria:
ldquo;Antes de avaliar os n uacute;meros da pesquisa eacute; necess aacute;rio lembrar e esclarecer que os dados fornecidos pelas cidades atrav eacute;s do sistema do Minist eacute;rio da Sa uacute;de apresentam diverg ecirc;ncias em sua cobertura, muitas vezes n atilde;o representando a totalidade dos crimes registrados. A pr oacute;pria pesquisa afirma que as informa ccedil; otilde;es utilizadas ainda est atilde;o sujeitas a uma s eacute;rie de limita ccedil; otilde;es e cr iacute;ticas, expostas pelo SIM. Ainda neste tema, o pr oacute;prio Minist eacute;rio da Justi ccedil;a acredita que para haver a compara ccedil; atilde;o atrav eacute;s de ranking eacute; preciso criar um banco de dados criminal uacute;nico em todos os Estados para que s oacute; a partir deste momento seja estabelecido um ranking da criminalidade.
Analisando os n uacute;meros, uma prova de que esta pesquisa apresenta bastante fragilidade eacute; a coloca ccedil; atilde;o do munic iacute;pio de Nova Tebas. Com uma popula ccedil; atilde;o de oito mil habitantes e sem registrar um homic iacute;dio sequer no ano de 2007 – segundo dados da pr oacute;pria pesquisa – a cidade aparece como a 2 ordf; mais violenta no ranking.
Curitiba aparece com uma escalada nos homic iacute;dios, no entanto, eacute; preciso ser levado em conta que a Capital tem um grande n uacute;mero de hospitais recebendo feridos de v aacute;rias regi otilde;es. Nem sempre uma morte constatada em um hospital da Capital representa que a morte tenha acontecido na cidade. A pesquisa n atilde;o leva em considera ccedil; atilde;o este fato.
As regi otilde;es de fronteira, como Gua iacute;ra e Foz do Igua ccedil;u, obviamente, por se tornarem rota de contrabando e tr aacute;fico, acabam por sofrerem mais com a quest atilde;o dos homic iacute;dios no Estado. No entanto, a situa ccedil; atilde;o vem sendo revertida ao longo dos uacute;ltimos anos. J aacute; apontada como uma das cidades mais violentas do pa iacute;s, Foz do Igua ccedil;u alcan ccedil;ou em 2009 o menor iacute;ndice de homic iacute;dios dos uacute;ltimos seis anos. Pelo menos dados da Pol iacute;cia Civil apontam que de janeiro a dezembro foram registrados 172 mortes no munic iacute;pio – desde 2004 a cidade n atilde;o registrava um balan ccedil;o anual inferior a 200 homic iacute;dios, segundo levantamento realizado pela delegacia de homic iacute;dios da regi atilde;o rdquo;.

TOPO