Marechal

Acidentes com bicicletas em Marechal Rondon reduzem 30% em um ano

Embora nem sempre respeitem as leis e o trânsito como um todo, os ciclistas se envolvem em menos acidentes do que condutores de carros e motocicletas. A constatação é do comandante da 2ª Companhia de Polícia Militar (PM) de Marechal Cândido Rondon, capitão Valmir de Souza. “Os índices de acidentes mostram que a bicicleta é o meio mais seguro de transporte”, afirma. Prova disso é que foi registrada diminuição no número de acidentes de trânsito no período de 1º de janeiro deste ano até a última sexta-feira (15) na comparação com igual período do ano passado. Enquanto neste ano foram atendidas 20 ocorrências envolvendo bicicletas, uma delas resultando em óbito posterior, no ano passado foram 29 acidentes, o que significa uma redução de 30%.

De 1º de janeiro a 15 de setembro de 2016 aconteceram 243 acidentes com todos os tipos de veículos, já no mesmo período deste ano foram 229. As campeãs são as motocicletas, com 134 acidentes neste ano e 114 no passado. De veículos foram 67 diante 92 em 2016. Coincidentemente foram oito atropelamentos tanto em 2016 quanto em 2017.

Casa do Eletricista – RETOMA

“Os números estão dentro de uma normalidade considerando que temos uma frota de veículos elevada, observando que os acidentes com bicicletas são em números bem menores do que envolvendo motocicletas e veículos. Isso permite algumas avaliações. Por exemplo, que os ciclistas são mais atenciosos ou que estão andando conforme as regras. Isso pode mostrar indícios de que os ciclistas têm um pouco mais de cuidado do que os próprios condutores de veículos porque têm velocidade menor, tendem a parar nos cruzamentos e observar os veículos com mais atenção”, aponta Souza.

 

Respeito

Segundo ele, a percepção que se tem é de que a maioria dos ciclistas rondonenses são trabalhadores e estudantes. “São pessoas que basicamente respeitam as leis de trânsito não as conhecendo de pronto, mas por intuição utilizam conforme as regras. A própria geografia do município propicia que o uso da bicicleta seja mais intensivo do que em cidades com um relevo acidentado”, salienta.

Conforme o comandante da PM, o fato de Marechal Rondon ter tempo bom quase o ano inteiro possibilita as pessoas a utilizarem a bicicleta com maior ênfase não apenas para o trabalho, como também para o lazer. “Podemos dizer que o perfil é de alguém mais tranquilo do que um cidadão com o veículo, que muitas vezes está estressado e em momentos de maior ansiedade”, enaltece.

Souza ressalta ser essencial entender que o ciclista tem a dimensão de ser cuidado por aqueles que têm um veículo de maior porte. “O ciclista deve ter a possibilidade de solicitar às autoridades públicas vias de acesso facilitadas, como ciclovias e ciclofaixas, para que possa ter maior segurança, o que está disponível no município. Também há os deveres do ciclista, entre eles cumprir as regras de trânsito como qualquer outro cidadão. Há princípios que não estão na sinalização e que devem ser respeitados, mas para isso precisamos de uma regra de trânsito mais forte. Como exemplo podemos citar o programa da Prefeitura de Marechal Rondon com a Polícia Militar para ensinar as crianças desde pequenas a se comportar no trânsito. As pessoas precisam entender que o trânsito se faz com regras e elas devem ser aprendidas por todos, não só pelos motoristas. Também se faz necessário utilizar os equipamentos de segurança e roupa clara, de preferência branca à noite”, diz.

De acordo com o capitão, o uso mais constante da bicicleta transforma o trânsito em um ambiente menos estressante. “Andar de bicicleta ajuda para que todo o fluxo de veículos possa caminhar de maneira mais adequada. A nossa cultura é de valorizar o veículo automotor pelo status social, quando também devemos olhar para o ciclista como sendo um meio de transporte e que torna o trânsito mais seguro”, frisa.

TOPO