Marechal Cerca de 60% concluído

Anel viário deve ficar pronto até o fim do ano

Foto: Joni Lang/OP
  • Diretora da Escola Jean Piaget, Anelise Weirich Verona: “A nossa previsão é de que o ano letivo inicie com este trânsito pesado já desafogado” (Foto: Joni Lang/OP)

  • Proprietário da Leomar Pneus e Borracharia, Leomar Sanders: “Falta colocar sinalização, mesmo assim já estou contente e quando finalizar tudo vai ficar 100% melhor” (Foto: Joni Lang/OP)

  • Após o término da obra, haverá recuperação da malha viária da Rua Minas Gerais (Foto: Joni Lang/OP)

  • Secretário de Coordenação e Planejamento, Reinar Seyboth: “Um trecho recebeu bastante intervenção com limpeza e execução de galerias e colocação da base, além do início da capa asfáltica, devendo ser concluído de 30 a 60 dias” (Foto: Arquivo/OP)

  • Máquinas compactavam a base na tarde de terça-feira (22) para depois colocar a capa asfáltica. Percurso deve ser finalizado em no máximo dois meses (Foto: Joni Lang/OP)

  • Trevo de acesso a Margarida receberá sinalização no término da obra; inúmeros veículos e caminhões transitam no local (Foto: Joni Lang/OP)

  • Trajeto do trevo de acesso a Margarida até a Avenida Írio Jacob Welp está liberado ao tráfego de caminhões e veículos (Foto: Joni Lang/OP)

  • Percurso no qual será realizada etapa do trabalho no final da Rua Helmuth Priesnitz em direção à descida do Contorno Sul (Foto: Joni Lang/OP)

Com investimento de R$ 3,5 milhões e trabalhos iniciados no mês de julho, a reconstrução do Contorno Sul de Marechal Cândido Rondon, mais conhecido como Anel Viário, deve ficar pronta em 60 dias, segundo informa o secretário municipal de Coordenação e Planejamento, Reinar Seyboth. Ele estima que 50% do valor já foi aplicado na obra, contudo o trecho que já sofreu intervenção varia de 60% a 65% do total.

A recuperação do Anel Viário era um pedido de mais de 20 anos da sociedade rondonense para tirar os caminhões “carga pesada” do centro da cidade.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

“A obra foi dividida em três etapas, sendo o primeiro trecho do trevo de acesso ao distrito de Margarida até o acesso ao Loteamento Ben-te-vi, perto do Bairro Ana Paula, cujo percurso está recuperado. Foram executadas galerias de água pluvial bem como a limpeza de todas as laterais na parte debaixo do Contorno Sul”, explica Seyboth.

Terminada a pavimentação da primeira subida, que corresponde ao primeiro trecho, a empresa responsável passou para a execução do terceiro trajeto, da Realize Materiais de Construção até a chácara da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), na Rua Helmuth Priesnitz, onde o pavimento já foi recomposto. “Agora tem um trecho que recebeu bastante intervenção com limpeza e execução de mais galerias e colocação da base, além do início da colocação da capa asfáltica. Este trabalho está adiantado, então eu acredito que este segundo trecho deve ser concluído no período de 30 a 60 dias. Entendo que a obra estará praticamente concluída até o fim do ano”, enaltece o secretário.

 

POSSÍVEL ADITIVO

Ele destaca que outra ação importante que está sendo aditada ao convênio é a execução do trevo de acesso ao Loteamento Ben-te-vi justamente porque outra licitação já ocorreu para pavimentar o trecho de 200 metros na Avenida Írio Jacob Welp para concluir efetivamente a avenida e ampliar o fluxo de veículos naquela região.

“Mas, para isso a gente necessita da região totalmente delimitada pelo pavimento e por uma sinalização para haver acesso da Avenida Írio Welp em direção aos loteamentos Ben-te-vi e Flórida e do acesso ao Contorno Sul inclusive para não existir grandes entroncamentos, o que possibilitaria graves acidentes”, ressalta.

Seyboth avalia que embora o convênio entre Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e prefeitura contemple 3,6 mil metros de execução e o recurso de R$ 3,5 milhões na área específica do Anel Viário, o percurso total com interferências tende a se aproximar de seis quilômetros ao levar em conta os trechos da Rua Helmuth Priesnitz e da Avenida Írio Welp. A obra do Anel Viário foi possibilitada por meio da interferência do então deputado Elio Rusch.

“Estamos trabalhando no projeto para fazer a adição, porque não é possível mexer no convênio celebrado com o Estado, cujos valores definidos eram em torno de R$ 3,5 milhões do Estado e R$ 500 mil da prefeitura. Caso ocorra, o aditivo será firmado entre prefeitura e empresa por serem recursos inteiramente do município”, comenta.

Outra questão é que após a liberação do trânsito no Anel Viário haverá investimentos na reforma da pavimentação da malha viária da Rua Minas Gerais.

 

LIBERAÇÃO

O chefe da pasta diz que o segundo trecho do Anel Viário deve ser liberado ao tráfego de caminhões de 30 a 60 dias, o que, segundo ele, vai contribuir para desafogar o trânsito da Rua Minas Gerais e do centro da cidade. “Assim que colocarem a base e a capa asfáltica no trecho que vem da Rua Helmuth Priesnitz até a descida do Anel Viário, aí sim teremos o percurso todo pavimentado. Depois virão os acabamentos finais, a exemplo de sinalização, eventual plantio de grama para a obra ser de fato concluída”, frisa.

De acordo com Seyboth, a sinalização será colocada no momento em que o pavimento do Anel Viário estiver 100% recomposto. “Será necessário fazer uma campanha educativa para que a população tenha conhecimento de quais trajetos precisam ser respeitados para não haver acidentes. Neste momento estamos com aproximadamente 50% do Anel Viário pronto na parte de aplicação dos recursos financeiros, contudo na parte de execução acredito que já tenhamos de 60% a 65% da obra concluída”, salienta.

 

MELHORA SIGNIFICATIVA

Proprietário da Leomar Pneus e Borracharia, empresa situada bem em frente ao trevo do Anel Viário, Leomar Sanders declarou ao O Presente que com o trajeto já finalizado foi observada uma melhora de 80% no tocante à segurança no trânsito. “A gente percebe que falta colocar sinalização na região, mas isto vai ocorrer quando a obra for concluída, mesmo assim já estou contente e quando finalizar tudo vai ficar 100% melhor”, menciona, acrescentando: “Os motoristas já trafegam em menor velocidade, falta apenas as pessoas ficarem atentas ao formato do trevo e depois de pronto obedecer a sinalização e a ordem de preferência, principalmente de quem trafega em direção a Margarida”.

Conforme o empresário, o movimento na sua empresa já melhorou e a expectativa é de que seja registrado aumento de cerca de 50% na clientela a partir do término e da entrega da obra. “Essa recuperação era necessária há tempo. Quando tudo finalizar vai ficar ótimo”, enfatiza.

 

SEGURANÇA E APRENDIZADO

A diretora da Escola Municipal Jean Piaget, professora Anelise Weirich Verona, define a execução da obra como uma importante conquista à comunidade escolar e aos rondonenses. “Há muitos anos nós, como escola, lidamos com esta questão de tráfego de caminhões pela Rua Minas Gerais. Então, com a recuperação do Anel Viário e da possibilidade do tráfego de veículos pesados voltar a ser feito naquele trecho, desviando do centro da cidade, a nossa expectativa é de começar o ano letivo com menos fluxo de caminhões, o que vai melhorar para os pais trazerem seus filhos e para as crianças atravessarem a passarela com segurança”, evidencia.

Anelise entende que o desvio do tráfego de caminhões “carga pesada” que hoje cortam a Rua Minais Gerais para passar pelo Anel Viário vai facilitar também na questão do processo de ensino e aprendizagem no educandário. “A poluição sonora é forte devido ao fluxo de caminhões. É claro que haverá caminhões passando nas imediações a escola no ano que vem, o fluxo será menor, apenas para entrega de produtos em estabelecimentos, o que é algo necessário e que faz girar a economia do município. Todavia, os altos ruídos que hoje dificultam a transmissão do conhecimento aos alunos vão diminuir consideravelmente. Esta preocupação da administração municipal é importante, tanto que depois haverá a obra do Contorno Oeste. A nossa previsão é de que o ano letivo inicie com este trânsito pesado já desafogado”, reforça.

 

O Presente

TOPO