Copagril
Marechal

Assinatura de contratos dá início às atividades da filial da Incubadora Santos Dumont em Marechal Rondon

Divulgação
Diretor técnico da Fundação PTI, Cláudio Osako explica como nasceu a Fundação PTI

Ontem (20), na sede da Associação Comercial e Empresarial de Marechal Cândido Rondon (Acimacar), foram assinados os contratos para o processo de pré-incubação de ideias empreendedoras na filial da Incubadora Santos Dumont, da Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (PTI).

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Na ocasião, estavam presentes o diretor técnico da Fundação PTI, Cláudio Osako, a gestora da Incubadora Santos Dumont, Angela Mensch, o vice-presidente da Acimacar, Gerson Jair Froehner, o presidente da Associação de Empresas de Tecnologia da informação e Comunicação do Oeste Paraná (Iguassu-IT), Nérisson Leonhart, o prefeito Marcio Rauber e o vereador Claudio Kohler.

Rondon, que conta com a primeira filial da Incubadora Santos Dumont fora de Foz do Iguaçu, inicia as atividades práticas a partir desta data. Nesta etapa, de pré-incubação, todos os projetos que se inscreveram e estavam de acordo com o edital foram convidados a participar.

Ao todo são 15 ideias empreendedoras que passarão por variados processos, como estudo de viabilidade técnica e mercadológica, para que possam evoluir e tornarem-se negócios futuros consolidados.

Serão dois meses e meio até a apresentação das ideias já melhor formatadas para a banca, que aprova os empreendedores para a próxima fase ou não. Em breve depoimento, os empreendedores explicaram suas ideias que envolvem temáticas de tecnologia da informação, tecnologias para o agronegócio e saúde e outras soluções.

Para o vice-presidente da Acimacar, Gerson Froehner, a vinda da filial para a cidade é uma conquista, assim como as inscrições das ideias. É uma forma diferente de se criar novas empresas, pois a Incubadora prepara os futuros empreendedores para o seu negócio em todos os aspectos. Normalmente pessoas têm ideias, mas não têm conhecimento técnico ou um estudo aprofundado de viabilidade e outros, que dificultam o processo. A incubadora tem essa expertise: apoio, assessoramento e planejamento que dão consistência ao negócio, ou seja, terão mais chances de sucesso, avalia.

Segundo o vice-presidente, um dos setores responsáveis pela vinda da filial à Marechal é o Núcleo de Informática Rondon-IT, da Acimacar. Há muito tempo o Núcleo buscava trazer a Incubadora, já que alguns empreendedores sempre estavam em Foz buscando auxílio no desenvolvimento dos negócios. Agora temos o resultado e, para nossa surpresa, 17 projetos inscritos com 15 aprovados. Gostaria que todas estas ideias dessem certo, mas se saírem duas um três, já serão novas empresas para Marechal, acredita.

A gestora da Incubadora, Angela Mensch, explica que Marechal Rondon foi escolhida pela grande participação e procura para incubação de projetos desde o início dos trabalhos em 2006.

Dois fatores nos levaram a essa preferência: por Marechal ter esse histórico de participação em todos os processos de incubação e a integração e engajamento do empresariado local. Em outros lugares não há tanta integração, isso nos dá um indicativo de que a região tem potencial para o desenvolvimento da cultura empreendedora.

Claudio Osako, diretor técnico da Fundação PTI, concorda com a gestora e complementa. Marechal demonstrou mais receptividade, a própria atuação da Acimacar com a articulação e a prefeitura por se disporem e ceder espaço nos estimulou a vir. Temos recursos limitados para atuar fora da sede, mas tendo um lugar em que o pessoal está engajado e quer que aconteça, nos chama atenção e nos faz entender que vale a pena investir.

Angela observa que todo o processo na filial será um desafio, mas a expectativa é positiva. Será um grande desafio porque nunca rodamos um processo de pré-incubação fora do PTI, pensando também na logística de vir semanalmente para realizar as atividades com os empreendedores, mas a expectativa é a melhor possível, o pessoal está com brilho nos olhos e vontade de trabalhar, salienta.

O prefeito rondonense, Márcio Rauber, acredita que o desenvolvimento regional será maior com a instalação da filial. O desenvolvimento de qualquer lugar passa por educação, amadurecimento de ideias e novos negócios. Estamos dispomos a colaborar para que mais pessoas queiram trabalhar pelas suas ideias, motivadas e atraídas por esse processo e que consequentemente mais negócios deem certo. Queremos difundir a presença da filial e ter o maior número de empreendedores incubados aqui, destaca.

Osako reforça que despertar o empreendedorismo local fortalece todos os setores. Se pensarmos que essas ideias podem se tornar empresas, as empresas terão mercados, venderão produtos, vão movimentar a economia, gerar empregos e oferecer produtos e serviços que terão impostos, isso se reverte para o município, o governo do Estado e a Federação que acaba por movimentar toda a roda. O empreendedorismo fortalece a economia do entorno e todos saem ganhando. Felizmente Marechal conseguiu entender isso rapidamente, pondera.

Logo após a assinatura, os empreendedores receberam orientações e iniciaram as atividades que seguiram até o final do dia. Em abril, após as consultorias e aprovações, inicia-se a próxima etapa: a incubação.

 

Parceiros

Os parceiros da filial da Incubadora Santos Dumont em Marechal são: Fundação Parque Tecnológico de Itaipu e Incubadora Santos Dumont, Acimacar, Iguassu-IT, Sebrae e Prefeitura de Marechal Rondon.

TOPO