Ecoville – Maior rede de limpeza
Marechal O Presente na Comunidade

Bairro tradicional de Marechal Rondon, Vila Gaúcha em breve terá nova sede da associação de moradores

(Foto: O Presente)

“O Presente na Comunidade”

O projeto “O Presente na Comunidade”, estreado em dezembro, tem a finalidade de mostrar à população rondonense as comunidades do município, que receberão a visita da reportagem do jornal. O objetivo é dar voz e vez às lideranças e cidadãos destas localidades para que falem sobre projetos, atividades desenvolvidas entre outras iniciativas que acontecem nos bairros e distritos de Marechal Cândido Rondon.

Casa do eletricista MINIESCAVADEIRA

 

BAIRRO VILA GAÚCHA

O Bairro Vila Gaúcha é a porta de entrada da cidade de Marechal Cândido Rondon para quem chega dos municípios vizinhos, como Pato Bragado, Entre Rios do Oeste e outros da microrregião. Quem está voltando ou indo para o distrito de Porto Mendes também passa pela Avenida Rio Grande do Sul, que se estende do início ao fim do bairro.

Considerado um dos mais tradicionais bairros rondonenses, a Vila Gaúcha tem crescido de forma notória, tanto em sua área residencial, que se expande cada dia mais, quanto na área comercial.
Inúmeras empresas e lojas se instalaram no bairro, tornando-o autossuficiente em termos de opções, uma vez que oferece para os moradores supermercado, farmácias, conveniências, restaurantes, bares, lojas de roupas, serviços e outros comércios variados, além de equipamentos públicos, como unidade de saúde, escola municipal, Centro de Educação Infantil (Cmei) e ginásio de esportes. Toda essa estrutura faz com que a população não necessite ir até o centro para ter acesso a serviços, produtos para consumo e lazer. No bairro também está localizado o cemitério municipal e o Senac.

 

O CENTRO COMUNITÁRIO

A associação de moradores do bairro se destaca pelas significativas conquistas alcançadas. Há um ano e meio na presidência da entidade, Sigmar Sérgio Radke diz que o centro comunitário da Vila Gaúcha passa hoje por dificuldades em termos de localização e problemas na estrutura física. Segundo ele, quando o centro comunitário foi construído, em um terreno da prefeitura, ainda não existiam outros equipamentos públicos no mesmo espaço. “Com o tempo, no mesmo terreno, foi construída a Escola Municipal 25 de Março, a unidade de saúde e o Centro Municipal de Educação Infantil. Ou seja, tudo foi se somando no entorno desse pavilhão, e hoje, na realidade, a sede da associação, que é um pavilhão, está cercada por todos os equipamentos públicos”, menciona.

A estrutura do centro comunitário fica localizada dentro do pátio da Escola Municipal, ao lado das salas de aula. Inclusive, uma sala de aula foi montada dentro do centro. “Atualmente, o prédio do centro comunitário já não tem muitas condições. Chove dentro, há rachaduras, em suma, precisa ser reformado. Também fica difícil fazer algum encontro de idosos ou alguma promoção maior no local porque não tem espaço físico. Até pouco tempo atrás o pavilhão era usado como sala de aula, então os encontros de idosos eram feitos no domingo porque em dia de semana era inviável, aí tinha que ser feita a limpeza”, expõe Radke.

Em contrapartida aos problemas, um projeto de melhorias está a todo vapor. O presidente da associação de moradores conta que na gestão passada a prefeitura cedeu uma estrutura de pré-moldado, que está instalado em um terreno que fica nos fundos da escola, para que fosse construída uma nova sede para o centro comunitário e o clube de idosos do bairro. “Contudo, o local onde essa estrutura foi montada também não é o ideal, tendo em vista que fica ao lado da unidade de saúde, da escola e do Cmei. Qualquer promoção que fosse feita durante a semana, por conta do som e do movimento, atrapalharia as atividades desses outros serviços localizados ao lado”, pontua.

Estrutura de pré-moldado que será transferida para um novo terreno para a construção da nova sede da associação de moradores (Foto: O Presente)

Área onde será construída o novo centro comunitário do bairro (Foto: O Presente)

 

 

NOVIDADES E MELHORIAS

Radke diz que a associação está há um ano e meio buscando uma alternativa para esta situação. Segundo ele, um novo terreno, localizado entre as ruas Suburbana e São João Del Rey, na rua de acesso à Associação dos Servidores Municipais de Marechal Cândido Rondon (Assemar), que pertence à prefeitura, está sendo repassado para a associação de moradores e para o clube de idosos do bairro para que o novo pavilhão seja construído ali. “Vamos tirar a estrutura pré-moldada que já temos e realocar no novo terreno”, comenta, acrescentando: “Isso terá um custo, e esse custo será arcado pela associação de moradores e pelo clube de idosos, que farão o uso compartilhado desse espaço. Após a transferência desse pré-moldado será construída a nova sede. Esperamos que as obras iniciem em breve. Vai ficar muito bom e tem muita gente cobrando isso”, enaltece.

Atualmente, a associação de moradores da Vila Gaúcha possui em torno de R$ 60 mil em materiais de construção já adquiridos, além de verba em caixa. De acordo com o presidente, os custos da obra serão divididos entre a associação de moradores e o clube de idosos, uma vez que as duas entidades farão uso do espaço. “A administração municipal tem se empenhado bastante para nos ajudar. É importante salientar que a prefeitura não precisará arcar com nenhuma outra despesa. Com essa mudança, nós pretendemos criar asas e realizar várias atividades, unindo a população e fazendo aquilo que é dever da associação de moradores: agregar o pessoal da Vila Gaúcha e arredores”, destaca.

Presidente da associação de moradores, Sigmar Radke: “Pretendemos ‘criar asas’ e realizar várias atividades, unindo a população e fazendo aquilo que é dever da associação de moradores: agregar o pessoal da Vila Gaúcha e arredores” (Foto: O Presente)

 

EMPREGOS À POPULAÇÃO DO BAIRRO

Julita Uecker iniciou as atividades do seu comércio na Vila Gaúcha no ano de 1993, há 27 anos. “Iniciei eu e mais uma sócia, em um empreendimento pequeno. Comecei com uma máquina que eu ganhei da minha mãe”, relata. Hoje, conta ela, seu empreendimento cresceu e metade dos seus funcionários são moradores do bairro.

Para a empresária, que também é moradora do bairro, a Vila Gaúcha é um local tranquilo e calmo. “Lembro de problemas com criminalidade somente uma vez, logo que iniciei as atividades no meu comércio”, menciona, enfatizando que os vizinhos do bairro são hospitaleiros. “Podemos contar com as pessoas”, elogia.

Julita Uecker, proprietária da Raquel Malhas. “Meu comércio consegue empregar muitas pessoas aqui do bairro” (Foto: O Presente)

 

LUGAR TRANQUILO

Morador da Vila Gaúcha há oito anos, Gilmar Debus também considera o bairro tranquilo e sossegado, com uma ótima vizinhança. “É um lugar para se ter tranquilidade”, ressalta. “O bairro cresceu muito. Quando eu vim morar aqui, há oito anos, a minha casa era a última do bairro, agora tem mais três quadras para baixo. Há boas infraestruturas. Antigamente na rua onde eu moro era paralelepípedo, agora tem asfalto. A iluminação das ruas foi trocada, o que trouxe uma qualidade maior para o bairro e seus moradores”, considera.

Debus utiliza a creche do bairro, já que tem uma filha pequena, e define o atendimento oferecido pela instituição como de qualidade, com professores atenciosos e boa estrutura.

Na opinião do morador, outros pontos positivos do bairro é o fácil acesso ao mercado, bancos, ginásio de esportes que atrai muitas pessoas para a prática esportiva, além da ciclovia para fazer caminhadas e corridas, atividades que, por sinal, ele gosta muito de praticar. “Fui atleta a vida toda”, menciona.

Gilmar Debus com a filha Eloá, que frequenta o Cmei da Vila Gaúcha. “O bairro cresceu muito. “Quando vim morar aqui, há oito anos, a minha casa era a última do bairro, agora tem mais três quadras para baixo” (Foto: O Presente)

 

BONITO E BEM CUIDADO

Hilda Schultz é outra moradora que elogia a Vila Gaúcha, onde reside há 40 anos. Ela define o bairro como excelente, bem cuidado e muito bonito. “O pessoal que mora aqui é muito gente boa. Não trocaria por nenhum outro bairro da cidade”, destaca. “Quando vim morar aqui não tínhamos nem asfalto, a estrada era de chão, as casas eram bem pequenas, de madeira, hoje o bairro tem casas bonitas, com canteiro, tudo muito bem cuidado”, compara. “A estrutura do bairro ótima e podemos contar com unidade de saúde, creche, escola entre muitas outras coisas”, emenda.

Hilda Schultz mora na Vila Gaúcha há 40 anos: “O pessoal que mora aqui é muito gente boa, não trocaria este por nenhum outro bairro da cidade” (Foto: O Presente)

Cemitério municipal fica localizado na Vila Gaúcha (Foto: O Presente)

Centro Municipal de Educação Infantil Vila Gaúcha dá suporte aos pais do bairro (Foto: O Presente)

Escola Municipal 25 de Março, um dos espaços públicos do bairro (Foto: O Presente)

Ginásio de Esportes Clarindo Carlos Bortolon: palco para a prática de esportes (Foto: O Presente)

Bairro conta com Unidade Estratégica de Saúde da Família (Foto: O Presente)

 

O Presente

TOPO