Pref. Pato Bragado Natal em Canto 2019
Marechal

Casos de embriaguez ao volante dobram em Marechal Rondon

 

Divulgação

 

Com um pouco mais de 50 mil habitantes, uma estimativa causa preocupação e acende o sinal vermelho em autoridades do setor policial de Marechal Cândido Rondon. O número de pessoas presas dirigindo embriagadas dobrou na comparação do primeiro trimestre deste ano com igual período do ano passado.

Conforme dados fornecidos pela 2ª Companhia de Polícia Militar (PM) de Marechal Rondon, entre 1º de janeiro e 31 de março de 2016 foram registradas dez prisões de pessoas conduzindo veículos sob efeito do álcool, enquanto no mesmo período deste ano ocorreram 20 prisões por esta modalidade de infração. Os altos índices demonstram que parte considerável dos condutores rondonenses não mede as consequências no trânsito, colocando em perigo as vidas de inúmeras pessoas.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Mesmo sabendo do rigor da lei em virtude da infração pesada, ainda assim os condutores desobedecem as regras estabelecidas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), por meio do artigo 165. Quem for flagrado dirigindo qualquer veículo sob influência do álcool tem seu veículo apreendido, é submetido a uma multa, tem suspenso o direito de dirigir por um ano e vai preso em flagrante. Essa pessoa ainda permanece à disposição da Justiça. A embriaguez na direção gera infração gravíssima multiplicada por dez vezes, ou seja, o condutor nessas condições é multado em R$ 2.934,70.

 

Alvoroço

Entre os muitos casos de pessoas conduzindo veículos embriagadas, duas situações em específico chamaram atenção da comunidade local nas últimas duas semanas, com intervalo de pouco mais de um dia. A primeira delas aconteceu na noite de 24 de março, uma sexta-feira, e por pouco não terminou em tragédia.

Naquela ocasião, o motorista de um veículo Peugeot/207 perdeu a direção do veículo, que, desgovernado, invadiu a lanchonete em anexo a um posto de combustível situado no cruzamento da Avenida Rio Grande do Sul com a Rua Independência. O estabelecimento era ocupado por dezenas de pessoas. O carro atravessou a lanchonete e parou próximo do balcão, causando inúmeros estragos em mesas e cadeiras, além de deixar as pessoas alvoroçadas. Dois clientes do estabelecimento resultaram com ferimentos leves.

Uma das pessoas que estava no local teria desacatado e ofendido um policial, sendo detida e encaminhada à Delegacia de Polícia Civil. O carro dirigido pelo homem tinha como ocupante uma criança de quatro anos, que foi socorrida pelo Siate. Apesar dos sinais de embriaguez, o motorista – que não possui Carteira Nacional de Habilitação (CNH) – se negou a realizar o teste do bafômetro. Ele recebeu voz de prisão em flagrante.

 

Perigo

Na segunda ocorrência em questão, a condutora de um automóvel Classic foi presa em flagrante por embriaguez ao volante a uma hora da madrugada de 26 de março, um domingo, também no município de Marechal Rondon.

Os policiais observaram, durante patrulhamento de rotina, que o veículo trafegava com uma pessoa sentada na janela traseira do lado esquerdo. Nada de ilícito foi encontrado durante averiguação, porém a motorista apresentava forte odor etílico.

Identificada, a mulher foi submetida ao teste do bafômetro, o qual constatou embriaguez. Como ela se recusou a chamar outra pessoa para dirigir o automóvel, o mesmo foi guinchado e encaminhado ao pátio da Ciretran. Já a mulher foi presa em flagrante por embriaguez ao volante e encaminhada à Delegacia de Polícia Civil.

 

Alerta

O comandante da 2ª Cia de PM, capitão Valmir de Souza, comenta que a escalada nesses índices deixa o setor policial e de trânsito em alerta iminente. Neste referencial nós podemos notar que houve aumento de 100% no número de pessoas surpreendidas conduzindo veículos embriagadas. Seria interessante realizar uma análise mais profunda durante um período maior, contudo os dados mostram que se a projeção continuar nesta média, até o fim do ano nós teremos um aumento estrondoso, lamenta. Isso pode ser avaliado, segundo ele, porque em todo o ano passado foram 50 casos de condutores notificados e presos por dirigirem embriagados.

Souza revela que a maior incidência de ocorrências desta natureza é registrada nos fins de semana, respectivamente nas noites de sexta-feira e sábado, assim como nas tardes de domingo. No entanto, ultimamente nós estamos encontrando pessoas embriagadas até mesmo na segunda ou terça-feira de manhã, sendo que em tese deveriam ir ao trabalho, quando outras pessoas voltam de alguma festa e se envolvem em acidentes, enfatiza.

Todas as vezes que a PM detecta uma suspeita de que a pessoa está dirigindo embriagada, seja em qualquer horário do dia ou da noite, é realizado o teste do etilômetro. A PM em qualquer momento pode realizar esse teste por desconfiar que a pessoa esteja dirigindo embriagada, enaltece.

 

Melhorias

O capitão menciona reivindicar melhorias nos equipamentos para ter condições ideais de proporcionar maior fiscalização. Tais demandas são apresentadas junto ao comando do Batalhão de PM em Toledo e à estrutura da PM no Paraná. Os equipamentos se referem a viaturas e ampliação do efetivo para que nós possamos desenvolver uma fiscalização mais adequada. Estamos com os esforços concentrados no trabalho de operações específicas de trânsito para detectar essas pessoas dirigindo alcoolizadas, tendo como intuito diminuir o número de casos e de acidentes em Marechal Rondon, afirma.

 

Resistência

Conforme ele, a tendência é de manter a fiscalização sempre em alto nível, porém dificuldades técnicas impedem os policiais militares de fazê-la. Há uma resistência muito grande da comunidade em entender que a fiscalização de trânsito se presta a salvar vidas. Não fiscalizamos para aplicar multa ou surpreender alguém que esteja desavisado; fiscalizamos o trânsito para salvar vidas e o patrimônio das pessoas. Dirigindo sem habilitação, embriagadas e com veículos irregulares essas pessoas vão se envolver em acidentes que causam prejuízos físicos e psicológicos, além de danos de grande monta que muitas vezes não são ressarcidos. Há necessidade de que tiremos do trânsito pessoas que não têm condições psicológicas ou físicas de dirigir para evitarmos acidentes, danos físicos e psicológicos, pontua.

De acordo com Souza, a perda do controle da direção muitas vezes é ocasionada pela embriaguez, falta de habilidade em dirigir e, ainda, pela falta de responsabilidade em respeitar as leis. Nós temos muito forte a cultura de não respeitar as leis, que foram feitas pelos nossos representantes. Precisamos respeitá-las para que tenhamos uma convivência pacífica e harmoniosa. As fiscalizações são desenvolvidas para fazer cumprir as leis que todos nós entendemos como sendo corretas, declara.

Fiscalização inibe expansão do número de acidentes

Com relação aos acidentes de trânsito, os números do primeiro trimestre deste ano são praticamente os mesmos dos observados em igual período de 2016, de acordo com informações da 2ª Companhia de Polícia Militar de Marechal Cândido Rondon. Nós tivemos 69 acidentes no ano passado e 68 neste ano, ou seja, número praticamente estabilizado, expõe o comandante da 2ª Cia de PM, capitão Valmir de Souza. Os dados valem exclusivamente ao município de Marechal Rondon.

Segundo ele, caso a fiscalização não fosse rotineira, a expansão de 100% no índice de condutores presos por embriaguez teria proporcionado aumento na quantidade de acidentes. Podemos notar que a fiscalização inibiu o aumento do número de acidentes, mesmo buscando encontrar essas pessoas conduzindo embriagadas, destaca.

De acordo com o capitão, apesar de todos os esforços é difícil dimensionar a quantidade exata de acidentes causados ou que envolvem condutores embriagados. Há casos em que o acidentado se dirige até o hospital e não é realizado o teste do etilômetro, fazendo com que permaneça subjugado o dado do motorista estar embriagado ou não. Além disso, acidentes sem registro de vítima e onde os envolvidos fazem um acordo proporcionam um boletim de acidente via internet, sem a presença da polícia, cujos dados das pessoas eventualmente embriagadas não são computados. Os dados de acidentes envolvendo condutores embriagados são subestimados por conta dessas situações, finaliza.

TOPO