Brincando na Praça 2019
Marechal Reflexão meio ambiente escolar

Colégio Eron Domingues tem programação especial sobre violência contra mulher

Fotos: O Presente
  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

  • Fotos: O Presente

O Colégio Estadual Eron Domingues, de Marechal Cândido Rondon, realiza nesta sexta-feira (16) uma programação especial para os seus alunos: um dia de reflexões a respeito da Lei Maria da Penha.

Os estudantes estão assistindo a vários seminários, elaborados pelos alunos do 2º “A”, sobre a violência contra a mulher, envolvendo subtemáticas como o feminicídio e a Lei Maria da Penha.

Casa do Eletricista SORTEIO DE VERÃO

Os seminários e as apresentações têm a orientação da professora Vera Pagnussatti e fazem parte do projeto “Ler e Pensar”, promovido pela Gazeta do Povo.

De acordo com a professora Vera, as atividades não valem nota, ou seja, os alunos fazem as pesquisas e participam do projeto como um trabalho voluntário, a partir de interesse próprio. “Eles estão comprometidos e são muito cuidadosos com os estudos”, ressalta a docente, que é responsável pelo projeto.

Além dos seminários, a turma do 2º “A” do Ensino Médio também está preparando um vídeo informativo que será postado no YouTube e no site da instituição. “Na mídia alternativa, os estudantes, por meio de fontes confiáveis, fazem um parecer sobre a lei, os casos de violência, as estatísticas e dados, as causas da violência, suas raízes históricas, como pedir ajuda e como conseguir ajuda, dentre outros”, menciona Vera.

 

OBJETIVO

Natanael, Pedro Henrique, Lucas Misael e Camila, alunos que estão participando da apresentação dos seminários, dizem que nunca haviam tido tanto contato com o tema da forma com que tiveram agora, por meio do projeto “Ler e Pensar” e das ações que realizaram a partir dele.

A programação tem como objetivo, tanto dos estudantes como da responsável pelo projeto, professora Vera, desnaturalizar a violência contra a mulher por meio da conscientização. “O nosso trabalho é plantar uma sementinha da conscientização, fazendo com que as pessoas entendam mais sobre o assunto e possam agir”, declara Natanael Cardoso, um dos estudantes produtores do vídeo.

 

LEI MARIA DA PENHA

Decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 07 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006. Desde a sua publicação, a lei é considerada pela Organização das Nações Unidas como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres. Além disso, segundo dados de 2015 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a lei Maria da Penha contribuiu para uma diminuição de cerca de 10% na taxa de homicídios contra mulheres praticados dentro das residências das vítimas.

 

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

A violência contra a mulher é todo ato que resulte em morte ou lesão física, sexual ou psicológica de mulheres, tanto na esfera pública quanto na privada.

A violência contra a mulher pode enquadrar-se em várias categorias amplas, que incluem a violência realizada tanto por “indivíduos”, como pelos “Estados”. Algumas das formas de violência perpetradas por indivíduos são: Estupros, violência doméstica ou familiar, assédio sexual, coerção reprodutiva, infanticídio feminino, aborto seletivo e violência obstétrica, bem como costumes ou práticas tradicionais nocivas, como crime de honra, feminicídio relacionado ao dote, mutilação genital feminina, casamento por rapto, casamento forçado e violência no trabalho, que se manifestam através de agressões físicas, psicológicas e sociais.

 

O Presente

TOPO