Marechal

Com um mês, Associação Sangue Bom já conta com mil cadastrados

 

Joni Lang/OP

Presidente da Associação Sangue Bom, Wilmar Güttges: “Vamos providenciar agendamento no Hemocentro e transporte, sendo que precisamos de voluntários e da sociedade organizada para contribuir e inicialmente se cadastrar. Depois vamos manter contato e verificar a possibilidade da doação”

 

Fazer o bem à comunidade. Foi assim que pouco mais de três anos atrás um grupo de companheiros do Lions Clube Marechal Cândido Rondon, liderado pelo empresário Wilmar Güttges, vislumbrou um cadastro de voluntários para serem doadores de sangue. Assim foi dado o primeiro passo para o que hoje é a Associação Sangue Bom, que ontem (04) completou um mês de fundação no município.

“Nós partimos do princípio de que as pessoas que precisam de sangue sentem dificuldade em encontrar doadores, o que também aconteceu de minha parte. Levei essa demanda aos demais companheiros, que de pronto apoiaram a ideia de criar uma unidade de ajuda às pessoas que precisam de doadores de sangue para suprir as suas necessidades junto ao banco de sangue existente na cidade de Toledo”, explica Güttges.

Casa do Eletricista – RETOMA

“A partir disso fui incumbido de correr atrás de subsídios e o que precisasse para montar a unidade em Marechal Rondon. Como tudo é trabalhoso, isso não foi diferente, tanto que estamos há três anos lutando e nos vimos obrigados a criar uma associação dos doadores de sangue para que pudéssemos receber da prefeitura este local onde estamos estabelecidos no canteiro central da Avenida Maripá, em frente à Quatro Rodas Veículos, onde antigamente havia uma banca de revistas”, menciona.

Güttges conta que a partir da documentação pronta, a equipe partiu para a segunda etapa, que diz respeito à busca de cadastro e organização da associação para que viesse a funcionar. “Para a nossa alegria, após muito trabalho, conseguimos no dia 04 de abril colocar uma pessoa que está hoje fazendo os cadastros e buscando possíveis doadores junto à comunidade. Este é o objetivo da associação: encontrar na sociedade pessoas que tenham disposição para se deslocar até a cidade de Toledo para fazer a doação a quem realmente precisa do sangue”, reforça. O engajamento, avalia o rondonense, já surtiu efeito positivo, tanto que neste um mês de fundação já há mil cidadãos cadastros, todavia a meta é ampliar o contingente de interessados em doar.

 

Coleta

De acordo com o presidente da Associação Sangue Bom, a coleta de sangue acontecerá sempre em Toledo ou Cascavel. O Hemocentro instalado em Toledo é o mais próximo de Marechal Rondon. “A ideia é conseguirmos cadastrar e ajudar as pessoas que precisam na busca desses possíveis doadores e junto com a Secretaria Municipal de Saúde, que colocou toda estrutura à disposição para nos auxiliar nessa empreitada, levar as pessoas a Toledo”, expõe.

Uma jovem atua na associação e percorre o comércio local, sendo que a intenção é disponibilizar alguém fixo no local para receber as pessoas que vierem. “Esta menina num primeiro momento está visitando o comércio e fazendo o cadastramento dos doadores. Posso pedir que as pessoas a recebam bem e colaborem, mesmo porque é difícil dizer que a gente nunca vai precisar de doação de sangue. Hoje podemos estar bem, mas amanhã ou depois sofrer um acidente, ou então algum parente e conhecido, e aí vamos precisar do sangue”, comenta.

Segundo Güttges, apesar das mobilizações existe falta de sangue, portanto, nada melhor do que contribuir. “Vamos providenciar agendamento no Hemocentro e transporte, sendo que precisamos de voluntários e da sociedade organizada para contribuir e inicialmente se cadastrar. Depois vamos manter contato e verificar a possibilidade da doação”, enaltece.

 

Apoio

A Associação Sangue Bom é um projeto do Lions Clube Marechal Cândido Rondon, cuja diretoria é formada por nove companheiros do clube e todo trabalho é efetuado de forma voluntária. A parceria é desenvolvida com a prefeitura, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde. “Interessados podem fazer um cadastramento na associação como doadores de sangue e se alguém quiser contribuir, porque vamos ter despesas, logicamente toda ajuda é sempre muito bem-vinda. Até o momento tudo foi realizado com o apoio da comunidade. Nós recuperamos um imóvel que estava ocioso e desgastado, o que foi patrocinado por pessoas da cidade e companheiros do Lions Clube, que fizeram com que a coisa funcionasse”, destaca o presidente da entidade, Wilmar Güttges.

A sede da associação está localizada no canteiro central da Avenida Maripá, próximo da Quatro Rodas Veículos. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 08h30 às 12 horas e das 13h30 às 17 horas. Contato pode ser feito através do telefone (45) 2031-1310.

 

Doação

Quem deseja ser doador precisa ter entre 16 e 69 anos (menores de idade precisam estar acompanhados do responsável e acima de 60 anos podem doar apenas se já forem doadores) e ter peso superior a 50 quilos. Além disso, no dia da doação a pessoa deve estar bem alimentada e apresentar documento oficial com foto. Será realizado o cadastro e as triagens hematológica e clínica e na sequência a doação. A média da coleta é de 450 mililitros de sangue por doação. Já a frequência é a cada 60 dias para homens e 90 dias para mulheres.

 

Joni Lang/OP

Associação está instalada no canteiro central da Avenida Maripá. Funcionamento é de segunda a sexta-feira

 

TOPO