Copagril
Marechal

Conduzir veículo sem licenciamento é a infração campeã de multas em Marechal Rondon

 

Joni Lang/OP

Marechal Rondon conta atualmente com cerca de 40 mil veículos: no Estado, é a 6ª maior frota proporcionalmente à quantidade de moradores

 

Marechal Cândido Rondon desponta no cenário paranaense como o detentor de uma das maiores frotas de veículos do Estado. Isto porque o município tem pouco mais de 50 mil habitantes – de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – e um total de 40 mil veículos, segundo dados do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR). Extraoficialmente, estima-se que Marechal Rondon tenha a 6ª maior frota de veículos proporcionalmente à quantidade de moradores. Com o elevado contingente de automóveis, motocicletas, caminhões e ônibus, também é grande o número acidentes e o número de multas destacadas pela Polícia Militar (PM).

Conforme informações repassadas pelo Setor de Trânsito da 2ª Companhia de PM de Marechal Rondon, foi registrada redução na média de 23% na aplicação de multas no ano passado em comparação com 2015. Enquanto em 2015 foram destacadas 1.868 notificações, em 2016 o total de multas lavradas foi de 1.445. Apesar disso, o comandante interino da 2ª Cia de PM, 1º tenente Jimmy Cajuhy Carlesso (Cajuhy), enfatiza que tal índice não pode ser comemorado, uma vez que a tendência para 2017 é de haver aumento no número de multas, caso os condutores de veículos não se conscientizem sobre respeitar as leis do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Casa do Eletricista PISCINAS

A gente percebe uma diminuição principalmente nas infrações leves e médias, que estão relacionadas a estacionamento e maneira de conduzir os veículos. A redução pode ter sido observada devido ao grande número de infrações lavradas no ano de 2015, pois normalmente a pessoa não torna a reincidir, prestando atenção naquela conduta errada, menciona.

Por outro lado, Cajuhy lamenta o fato dos condutores infringirem artigos mais sérios. A gente nota que as principais infrações, que são as graves e gravíssimas, praticamente não tiveram alteração na análise de 2015 e 2016, passando de 1.094 para 1.088, quando justamente estas são as mais sérias, pois estão ligadas a pessoas dirigindo embriagadas, utilizando o veículo para realizar manobras bruscas, dirigir ameaçando pedestres, avançando sinal vermelho, entre outras. Isso sim é preocupante. É preciso que as pessoas se conscientizem, pois com a mudança na legislação as infrações graves e gravíssimas tiveram o valor da multa elevado de maneira significativa. É importante que as pessoas prestem atenção para não tornarem a cometer esses tipos de infrações, ressalta.

 

Liderança

O item campeão de multas em 2016 foi conduzir veículo sem registro ou licenciamento, com 217 notificações diante de 180 no ano anterior. Esta notificação é lavrada quando o indivíduo não paga o licenciamento anual de veículo e não recebe o documento correspondente àquele ano. Tal notificação pelo artigo 230 é lavrada quando o policial militar constata que o veículo não está licenciado, o que na maioria das vezes ocorre em uma blitz ou em uma situação de acidente, destaca.

O que nos preocupa são as infrações graves e gravíssimas, como dirigir veículo sem possuir CNH (Carteira Nacional de Habilitação), o que praticamente não teve mudanças, assim como avançar o sinal vermelho. Isso nos preocupa pela gravidade da conduta e pelas consequências que pode trazer à sociedade através de acidentes, pessoas feridas e vítimas, enfatiza Cajuhy, lembrando que dirigir embriagado também gerou índice semelhante e expressivo de multas.

Estacionar veículo em vaga reservada para idoso ou pessoa com deficiência teve redução considerável, diminuindo de 398 para 133 notificações, contudo ainda assim ocupou o 3º lugar em 2016. Talvez esta redução tenha sido registrada pela população se habituar com essas vagas que antigamente não existiam. Hoje as pessoas sabem que é importante respeitar essas vagas, assim o condutor passou a deixar esses locais disponíveis para quem tem direito, contribuindo para tal queda sensível no número de multas. Outro ponto é que o condutor nestas condições pode estar utilizando o cartão de idoso ou deficiente, identificando que tem direito ao estacionamento, salienta.3

 

Repressão

De acordo com Cajuhy, o cidadão que conduz ou é responsável por veículos deve estar atento a inúmeros aspectos, como respeitar todas as leis de trânsito, além do reajuste nos valores das multas desde 1º de novembro. A postura a ser adotada pela PM, segundo ele, será de endurecer a fiscalização para tornar o trânsito mais humanizado, com o objetivo de preservar vidas e garantir os direitos e deveres contidos no CTB.

Temos a intenção de realizar algumas campanhas educativas, como acontece anualmente, mas o trabalho da polícia é iminentemente repressivo. O cidadão precisa ter a certeza de que a fiscalização será constante através das operações programadas que nós realizamos. Cabe ao cidadão cumprir a lei de trânsito. Se o cidadão for flagrado infringindo as leis, certamente será lavrada multa, finaliza.

TOPO