Pref. Pato Bragado – Dengue 2019
Marechal Parlamento Jovem

Dos 20 projetos selecionados no Paraná, dez são de alunos do Eron Domingues

Professora Vera Pagnussatti: “A simulação desperta nos estudantes o interesse pela política e o conhecimento do processo democrático, além de desenvolver habilidades de argumentação e pensamento crítico” (Foto: O Presente)

A participação de estudantes rondonenses nas edições do programa Parlamento Jovem Brasileiro (PJB) tem se tornado destaque nos últimos anos. A divulgação da lista dos pré-selecionados à edição de 2019, que aconteceu na semana passada, comprova ainda mais a notoriedade, já que dos 20 projetos de lei selecionados no Estado do Paraná, dez são de alunos dos terceiros anos do Ensino Médio do Colégio Estadual Eron Domingues.

Os estudantes, de acordo com a realidade da sua cidade e do país, observando os problemas que precisam de solução e propondo possíveis alternativas, elaboraram projetos de lei com base nos temas escolhidos por cada um para participar do PJB. No total, 78 projetos de estudantes brasileiros serão selecionados para integrar a jornada parlamentar que será realizada no período de 23 a 27 de setembro, em Brasília. O resultado final será divulgado no dia 06 de agosto.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

A professora Vera Pagnussatti, que coordena os trabalhos com os alunos dos terceiros anos pelo quarto ano consecutivo, ressalta a importância de o estudante participar e elaborar os projetos de lei, visando sempre a sua escola, o seu município, além daquilo que interfere diretamente no seu cotidiano. “A rotina dos jovens deputados envolve a elaboração de projetos de lei e emendas constitucionais, além de debates em plenário. A simulação desperta nos estudantes o interesse pela política e o conhecimento do processo democrático, além de desenvolver habilidades de argumentação e pensamento crítico”, salienta.

O projeto tem por objetivo facilitar aos estudantes do Ensino Médio das escolas públicas e privadas brasileiras o exercício da cidadania e da vivência do processo legislativo. Durante o programa, os jovens participam de uma jornada de uma semana na Câmara dos Deputados, em Brasília, onde atuam como deputados federais de maneira simulada.

 

Trabalho em sala

De acordo com Vera, o trabalho foi desenvolvido em sala de aula, dentro da disciplina de Língua Portuguesa sobre o conteúdo gêneros textuais, e após a avaliação de todos os projetos elaborados, os próprios alunos escolheram aqueles que seriam enviados. Ao todo, foram elaborados 65 projetos de lei sobre as mais diversas temáticas, como educação, economia, saúde, meio ambiente, trânsito, direitos humanos, entre outros. Destes 65 projetos, 28 foram escolhidos e enviados para a fase estadual. “Dos 20 projetos de leis escolhidos para a fase estadual, dez são somente de duas turmas. Isso mostra que é um trabalho organizado, com seriedade, de fazer com que o aluno fique instigado. Tenho certeza que hoje esses alunos que estão trabalhando dessa forma, e que fizeram muitas leituras, estão vendo a política de uma forma diferente”, pontua, acrescentando: “Acho que é isso que nós, professores, devemos fazer. Fazer com que eles percebam que tudo aquilo que a mídia mostra sobre política deve ser filtrado. Nem tudo é verdade e nem tudo é mentira”.

 

Conhecer a política

Inerente à sociedade, a professora lembra da importância de os estudantes conhecerem e entenderem a política na sua essência, enquanto ciência e determinante na construção social. “O objetivo maior desse trabalho, além de fazer todo esse estudo dos diferentes gêneros, é fazer com que os alunos comecem a enxergar que a política é necessária e fundamental para a vida de cada um, e só com as pessoas buscando conhecimentos é que se pode mudar a sociedade”, ressalta.

 

Veia social e sustentável

Na construção dos projetos de leis dos alunos rondonenses, os temas sociais e com pensamentos sustentáveis ganham cada vez mais importância. “Senti que estão preocupados com o meio ambiente porque estão vendo todo o caminho de uma população que não se preocupou durante anos e que hoje algumas medidas terão que ser tomadas para que eles tenham um futuro garantido”, pontua Vera.

A preocupação social de, por exemplo, olhar para uma menina que, sem acompanhamento sobre sexualidade, tem um filho em uma idade escolar, comprova essa preocupação. “Fico impressionada quando nasce do jovem um pensamento crítico, muito mais pautado em dados e preocupação, do que em muitos adultos. Talvez nós estejamos colhendo hoje os frutos de uma sociedade na qual foi deixado de trabalhar temas importantes. Vejo que os alunos estão preocupados com questões sociais, inclusive pensando em educação”, destaca, exemplificando: “Teve projetos de alunos que moram no interior que mostraram como eles se sentem diante do não recolhimento de lixo e por isso ter de queimá-lo porque senão vai acumulando. Às vezes falta uma visão até do micro poder, de pensar no município. Talvez não dê para sanar todos os problemas, mas alguns bem pontuais”.

 

Potencial

Nos quatro anos em que aplica o projeto em sala de aula e dos 80 projetos já selecionados do Paraná, 38 deles foram de alunos do colégio rondonense. Nos últimos três anos, dos 15 alunos selecionados para ir a Brasília, quatro foram rondonenses. No total, de 2016 a 2019, foram 37 projetos pré-selecionados. “É uma oportunidade para o jovem mostrar que a ideia dele é boa. E com certeza esses 28 projetos que foram enviados são excelentes. Dentro desses, um em especial nós queremos e vamos trabalhar em conjunto que é a questão da água no município. Muito se fala e pouco se faz. Queremos utilizar as ideias desses alunos para fazer um projeto de lei para o município”, ressalta Vera.

Os resultados do trabalho desenvolvido em sala com os alunos será objeto de apresentação da docente no Simpósio Nacional de Língua Portuguesa em Porto de Galinhas, em Pernambuco, no mês de agosto deste ano. “Representarei o Estado do Paraná, a escola e, em especial, os alunos”, finaliza.

 

O Presente

TOPO