Copagril
Marechal Curso de capacitação

“Estou preparado para ser um bom conselheiro tutelar”, diz Jaimer Tasso

Jaimer Tasso, conselheiro tutelar eleito para o quadriênio 2020/2023, durante visita ao O Presente, ontem (18): “Já trabalhei muito com pessoas e em órgãos públicos. Acredito que estou preparado para ser um bom conselheiro”. (Foto: O Presente)

Foi comemorado na segunda-feira (18), nacionalmente, o Dia do Conselheiro Tutelar. A função foi criada em 1990, juntamente com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), e tem o intuito de lutar pelos direitos de crianças e jovens.

Em Marechal Cândido Rondon, fazendo jus ao dia e iniciando a preparação para o quadriênio 2020/2023, os conselheiros tutelares eleitos no dia 06 de outubro deste ano, assim como os suplentes, participaram de um curso de capacitação com 20 horas de duração.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Com 3.088 votantes, foram eleitos Jaimer Tasso (365 votos), Nice Tischer (290 votos), Edemilson Mano (202 votos), Ana Paula Muller (194 votos) e Adriana Paula (180 votos). Ficaram como suplentes Iliani Hofstaetter (169 votos), Glecy Rauber Antunes (166 votos), Everaldo Gomes (153 votos), Cristiano Kramer (133 votos) e Alef Reuter Gonçalves (119 votos).

Jaimer Tasso, o conselheiro tutelar mais votado na história do município, diz que as expectativas para o mandato são bastante positivas. “Como o próprio nome diz, conselheiro, o nosso principal objetivo é aconselhar, evitar o mal maior, e eu trabalharei nesse sentido”, declarou ao O Presente. “Quero envolver a comunidade, os colégios e órgãos, como a prefeitura, a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Ministério Público e outros. Todos temos responsabilidade sobre nossas crianças”, enfatiza.

Durante o período de campanha, Tasso conta que se deparou com muitas pessoas que desconheciam a função do conselheiro e sequer votavam em eleições deste caráter. Pensando nisso, ele afirma que um dos propósitos em seu mandato é a divulgação das ações realizadas pelo Conselho Tutelar, de modo que a sociedade se sinta participante das ações e demonstre interesse no bem-estar das crianças.

Em âmbito do colegiado, o conselheiro mais votado coloca seu nome à disposição do grupo para ocupar a cadeira de coordenador. “Sendo parte do colegiado, me coloco à disposição para todas as situações. Indiferente de ser o mais votado, todos têm os mesmos direitos e nos respeitamos. A decisão será coletiva”, enaltece.

 

CONTATO

Para conquistar votos, Tasso diz que o seu método de campanha foi o contato humano, mesmo em tempos de redes sociais em alta. “Foi importante ir até as pessoas, dizer quem sou, expor minhas qualidades e falar do porquê querer ser conselheiro”, comenta, lembrando que antes da eleição os candidatos passaram por avaliações prévias. “Era preciso ter experiência na área, realizar provas específicas e testes psicotécnicos para então poder se candidatar às eleições”, expõe.

Segundo o rondonense, o seu comprometimento durante a campanha foi em relação à promoção dos direitos, a integração das famílias, a superação de dificuldades e a apresentação dos deveres tanto para familiares como para crianças e adolescentes.

 

PAPEL DO CONSELHEIRO

Na opinião de Tasso, muitas vezes o Conselho Tutelar é visto como um órgão que tenta coibir os pais, mas, garante, a realidade não é essa. “O conselheiro serve para remediar problemas”, enfatiza.

A função do conselheira engloba a elaboração de relatórios sobre escolas, acompanhamento de casos, reserva de vagas de creche, apoio em exames de saúde, identificação de casos de alcoolismo e uso de drogas, dentre outros. “Tudo o que faz é encaminhado aos órgãos públicos para que sejam tomadas as soluções cabíveis, e o conselheiro acompanha o processo na íntegra, desde uma intervenção até em casos mais simples”, resume.

 

POSSE

Os conselheiros eleitos em Marechal Rondon serão empossados no dia 10 de janeiro. “Farei meu trabalho com muita dedicação, como sempre fiz em todas as funções que exerci no município, honrando o cargo para o qual fui eleito”, destaca o conselheiro mais votado na história rondonense.

 

O Presente

TOPO