Marechal

Frimesa inicia testes de abate no frigorífico de suínos

Com uma estrutura que demandou milhões de reais em investimentos e depois de inúmeras negociações, tudo indica que a planta industrial localizada às margens da BR-163, nas proximidades do distrito de Novo Horizonte, em Marechal Cândido Rondon, inicie em breve o abate oficial de suínos, o que deve contribuir à geração de empregos e renda, fomento ao agronegócio e ao comércio, assim como no recolhimento de tributos. A unidade em questão pertence ao empresário Eduardo Ramalho e foi arrendada à cooperativa Frimesa, uma das maiores indústrias de suínos do país.

Recentemente começaram os primeiros testes dos equipamentos utilizados no abate dos suínos, de modo que seja definido o quadro profissional para a entrada em operação da indústria. A expectativa é de que nos primeiros dias de janeiro sejam abatidos 800 suínos ao dia, o que gera uma demanda pela contratação de 200 funcionários em diversas áreas.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Alguns profissionais já estão atuando na indústria, tanto que nesta semana foram entregues diversos produtos e o movimento aumenta a cada dia. Embora não seja declarado oficialmente, informações dão conta de que os primeiros animais estão sendo abatidos na unidade com o objetivo de testar os equipamentos, tanto que há técnicos acompanhando de perto o procedimento.

Todo vapor

De acordo com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella, o frigorífico está liberado. “Com isso esperamos poder contratar o quadro de funcionários previsto e já no início do ano abater 800 suínos, porém até a metade do ano pretendemos avançar para 1,4 mil animais, que é o nosso projeto. O Ministério da Agricultura apresentou algumas exigências, estamos providenciando, por isso acreditamos que no próximo ano o frigorífico vai funcionar a todo vapor”, expõe.

Vanzella comenta que como a quantidade de suínos recolhidos pela Copagril é superior à capacidade de abate da nova indústria, muitos animais ainda precisarão ser transportados para a central em Medianeira. “Em Marechal Rondon serão abatidos suínos do município para não ficar transportando para fora devido ao custo do frete, mas a Copagril ainda vai ter que mandar bastante para Medianeira. Nós temos um planejamento para executar os projetos da maneira mais econômica possível”, menciona.

Alavancar a economia

Conforme o prefeito Marcio Rauber, é importante que empreendimentos de médio e grande porte queiram se estabelecer em Marechal Rondon. “Seja na economia, geração de empregos e este não é diferente, inclusive conta com recursos públicos de grande monta que ficaram parados durante muito tempo. Para nós, é relevante porque de maneira direta e indireta vai mexer positivamente com a economia do município, gerar empregos e renda, riqueza para a prefeitura e recursos ao município, então estamos felizes de poder participar com uma parcela para o funcionamento deste estabelecimento, mesmo que em caráter provisório ou experimental”, enaltece.

O mandatário conta que ao assumir a administração em janeiro foi procurado pelo presidente da Frimesa, Valter Vanzella, e pelo presidente da Copagril, Ricardo Chapla – a Copagril é uma das cooperativas que possui cotas da Frimesa -, para ajudar a solucionar o problema. “No ano passado foi assinado um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre o município, o Ministério Público e a empresa Radar (do empresário Eduardo Ramalho, que é proprietária do frigorífico), mas o município sequer deu anuência para este arrendamento. Nós nos reunimos, agilizamos essa anuência, reformamos o TAC com o MP para poder oferecer condições de que esse negócio entre Radar e Frimesa se tornasse viável”, ressalta.

“Superada esta etapa foram cumpridas com as obrigações do TAC anterior (elaborado ano passado ainda na gestão Moacir Froehlich e Silvestre Cottica), que representa algo em torno de R$ 208 mil visando à execução de obras e serviços que o município precisou fazer dentro do frigorífico e que já poderiam ter sido realizadas, mas não foram, e nós imediatamente fizemos tudo aquilo que cabia ao município”, expõe Rauber.

Confira a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (01).

TOPO