Copagril
Marechal Projeto social

Horta Mandala do CAF é destaque na imprensa regional

Foto: Divulgação
  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

  • Fotos: Divulgação

Implantada recentemente no CAF (Centro de Atendimento à Família), em Marechal Cândido Rondon, a Horta Mandala vem ganhando destaque, tanto pela sua utilidade, como também pelo seu formato diferenciado. Na manhã desta sexta-feira (20), foi realizada uma oficina falando sobre como funciona a produção autossustentável.

A oficina foi apresentada pelo técnico agrícola Valdeilson Almeida (CAPA) para alunos do CAF e do primeiro ano do Colégio Estadual Frentino Sachser. A ação de hoje contou ainda com a presença de representantes da Itaipu e de uma equipe de TV da Rede Massa (SBT), que divulgará a matéria no dia 28 de setembro, às 9h30, dentro do programa Caminhos do Oeste.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Participaram da ação os secretários de Agricultura e Política Ambiental, Adriano Backes, e de Assistência Social, Josiane Laborde Rauber, como também o engenheiro ambiental Marcos Chaves, gestores ambientais e demais pessoas envolvidas com o projeto.

Os recursos utilizados para a criação da horta são oriundos do programa Encontros e Caminhos.

 

A HORTA

A implantação da horta, de acordo com a Secretaria de Assistência Social, Josiane Laborde Rauber, se dá através da execução do projeto AMAdurecer. “A ação mostra a importância do trabalho, o respeito com o meio em que vivemos e principalmente o respeito com o próximo. Devemos entender que o universo que flui ao nosso redor é composto por diversas mandalas, desde nossos alimentos, as constelações, até mesmo a formação molecular do nosso corpo. Todo esse mecanismo em harmonia cria o que conhecemos e vivemos. Aprender sobre isso, proporciona além do respeito, a gratidão por fazer parte deste todo”, explica.

O modelo de horta aplicado é dividido por quatro fatias, cada um representa uma estação do ano e cada um composto por onze canteiros (representados por nove planetas, sol e lua). A representação permite ensinar sobre o sistema solar a qual fazemos parte, as estações que temos e como funcionam, bem como, a relação do nosso planeta com o seu satélite natural.

A estruturação da horta traz ainda o modelo do PAIS (Produção Agroecológica Integrada e Sustentável), onde ao centro do sistema há um espaço para criação de galinhas. O esterco produzido pelos animais é utilizado para adubação dos canteiros. As galinhas também estão sendo utilizadas para a manutenção das fatias conforme o rodízio do plantio que seguirá as estações ao ano.

O entorno da mandala serve para o plantio de culturas anuais. Nas faixas de divisa, de um lado árvores frutíferas foram plantadas com a finalidade de proporcionar sombra e ofertar frutas quando começarem a produzir. Do outro lado serão plantadas culturas altas para a formação de barreira de proteção.

As verduras produzidas na horta são colhidas e selecionadas para que a cozinha do CAF possa servir no horário do almoço. O remanescente será ser ofertado as crianças e adolescentes que participam do projeto, para que levem para suas casas e enriqueçam o cardápio familiar.

Lembrando que o CAF atende crianças e adolescentes cadastradas no Cadastro Único com idades entre 04 e 14 anos, a partir do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). A ação tem por objetivo estimular o convívio social e familiar, reforçando o sentimento de pertencimento, contribuindo para a formação da identidade familiar e social de cada criança. O espaço oferece também atividades artísticas, culturais, de lazer e esportivas, dentre outras, com o intuito de despertar e desenvolver habilidades em todas as crianças e adolescentes.

 

O TRABALHO

Todas as práticas na horta são orientadas e supervisionadas. Atualmente o projeto conta com a participação do técnico agrícola Valdeilson Almeida (CAPA) e da orientadora social e gestora ambiental Ana Luiza Wnuk.

 

Com assessoria

TOPO