Marechal Saúde

Hospital da Unimed terá traços da arquitetura germânica rondonense; veja detalhes da obra

Foto: Divulgação

O novo Hospital Geral Unimed (HGU) em Marechal Cândido Rondon, idealizado pela Unimed Costa Oeste, nasce com o propósito de trazer ao Oeste do Paraná um tratamento humanizado e acolhedor aos usuários, além de alinhar os parâmetros do edifício às particularidades regionais da cidade.

O hospital contará com enfermarias compostas por dois leitos para oferecer privacidade e conforto não apenas aos pacientes, como também aos seus familiares. “A internação abrigará quartos individualizados, que oferecerão uma experiência exclusiva de atendimento e hotelaria hospitalar, além de uma suíte que elevará estes patamares a outros horizontes”, revela o arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico do hospital, Eduardo Nishitani.

[ Publicidade ]
Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

Ademais, o edifício unirá funcionalidade e eficiência, características importantes aos setores de saúde ocupacional e ao pronto atendimento. “Além de oferecer percursos operacionais reduzidos para seus colaboradores, possuirá a flexibilidade operacional necessária para adequar seu funcionamento para novas condicionantes epidemiológicas como as que vivemos recentemente”, explica Nishitani.

[ Publicidade ]
Nied maio 2022 X

O arquiteto destaca que, além da flexibilidade operacional, o hospital está sendo preparado para o futuro. “Com potencial de crescimento imenso, o estabelecimento poderá facilmente abrigar os mais modernos equipamentos de diagnóstico por imagem, como também possui potencial de crescimento de maior que o dobro de sua área atual projetada, podendo contar com setores de alta complexidade como UTIs”, aponta.

 

Controle de acesso

Segundo Nishitani, o HGU em Marechal Rondon contará com um sistema de circulação que atende ao controle de fluxo de pessoas. “Uma forma de garantir não apenas a privacidade necessária aos colaboradores, mas garantir que fluxos não se misturem, podendo trazer riscos aos pacientes, bem como aos colaboradores. Dessa forma, um visitante jamais ficará perdido e chegará sem querer até a cozinha. Todos os acessos possíveis para tal precisarão de permissão ou de algum controle de acesso formal”, pontua.

 

Centro cirúrgico

O centro cirúrgico do hospital, conforme o arquiteto, oferecerá as condições necessárias às cirurgias complexas em salas de mais de 36 metros quadrados, bem como poderá atender as agendas simplificadas e de alto giro, como cirurgias em regime de hospital-dia, ou seja, quando a permanência no ambiente hospitalar é a menor possível, trazendo benefícios ao paciente. “Trata-se da mais moderna forma de hospitalização em tratamento cirúrgico que permita uma curta internação”, expõe.

 

Setores de apoio

Mas nem só de assistência vive um hospital. Os setores de apoio, afirma ele, estarão completamente preparados para absorver as necessidades geradas. “Com uma cozinha industrial completa, o hospital poderá oferecer aos pacientes, acompanhantes e seus colaboradores refeições do mais alto padrão. Após cada refeição os colaboradores poderão descansar na varanda externa exclusiva”, frisa.

Um edifício voltado para a saúde, enfatiza o arquiteto, precisa cuidar tão bem de seus colaboradores quanto cuida de seus pacientes. “São eles que ocupam e usufruem cotidianamente do local que nem sempre é recheado de experiências agradáveis. Dessa forma, em todos os setores, bem como no hospital como um todo, existirão salas de conforto de colaboradores, onde os mesmos poderão descansar e descomprimir da rotina estressante que vivem os profissionais de saúde”, menciona.

Além de amenidades como centrais de autoatendimento com vending machines (máquinas de vendas de comidas e bebidas), o hospital contará com um pequeno auditório para aproximadamente 60 pessoas e brinquedoteca. “Além disso, terá elementos de arquitetura que conversam de forma contemporânea com a influência da arquitetura germânica local, característica inconfundível da comunidade rondonense”, destaca Nishitani.

 

Expressivo em números

Em números, o HGU em Marechal Rondon ocupará uma área de 5,1 mil metros quadrados e estará equipado com quatro salas grandes de cirurgia, aproximadamente 30 leitos de internação, ambulatórios, pronto atendimento, centro de imagens, clínica de saúde ocupacional, além de todo o apoio e infraestrutura necessários para seu pleno funcionamento.

 

Obra

O complexo que vai abrigar o Hospital da Unimed estará em uma área de 20 mil metros quadrados e ficará localizado no prolongamento da Avenida Írio Jacob Welp, nas proximidades do Anel Viário.

A previsão é de que obras iniciem no começo de 2022.

 

Arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico do hospital, Eduardo Nishitani: “A internação abrigará quartos individualizados que oferecerão uma experiência exclusiva de atendimento e hotelaria hospitalar, além de uma suíte que elevará estes patamares a outros horizontes” (Foto: Divulgação)

 

 

Com assessoria

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO