Marechal Desapropriação de áreas

Impasses atrasam início das obras do Contorno Oeste

Trajeto do Contorno Oeste já demarcado, o que pode ser conferido pela população. Será o ponto de início das obras, do centro para as rodovias (BR-163 e PR-467) (Foto: Divulgação)

Prevista para ser iniciada no mês de abril, a construção do Contorno Oeste em Marechal Cândido Rondon ainda não saiu do papel, mas está confirmada para iniciar nas próximas semanas. As obras terão início após o término da colheita das lavouras da safrinha.

Com o objetivo de valorizar a produção e o trabalho do homem do campo, o Governo do Estado e a construtora que vai executar os trabalhos decidiram aguardar para iniciar as obras respeitando o período de colheita das áreas que serão desapropriadas, visto que as culturas estão em fase final e devem ser colhidas em breve.

De acordo com a assessoria de comunicação do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), órgão ligado à Secretaria de Estado da Infraestrutura e Logística (Seil), o valor estipulado para a desapropriação das áreas não contempla o cultivo sobre o solo e, em vista disso, os proprietários solicitam que primeiro seja realizada a colheita do milho para na sequência liberarem a entrada das máquinas sem perder a produção.

A estimativa é de que a colheita do milho safrinha na região que receberá o Contorno Oeste seja registrada a partir do próximo dia 15 até meados de 20 de agosto.

A obra, que desviará o tráfego de veículos pesados como caminhões e carretas da região central de Marechal Cândido Rondon, contará com seis quilômetros de extensão, somando investimentos de R$ 19,9 milhões.

A frente de trabalho será desenvolvida do quilômetro 27 da PR-467, a aproximadamente 500 metros da entrada da Unidade Industrial de Aves da Copagril, até as proximidades do frigorífico de suínos de Novo Horizonte, na BR-163.

 

IMISSÕES DE POSSE

Além da liberação de áreas cultivadas, outra questão envolvendo o início dos trabalhos refere-se à desapropriação de áreas de terra. A empresa vencedora do processo licitatório, Construtora Petrocon, de Cascavel, e o DER-PR aguardam as imissões de posse via judicial em se tratando de produtores que discordam do valor pago pelas terras.

Extraoficialmente alguns produtores questionam o montante oferecido e estariam cobrando acima do valor de mercado, de maneira que a frente de trabalho não pode passar por esses locais sem que o ponto esteja desapropriado. A assessoria do DER-PR destaca que o valor dos terrenos foi baseado em estudo de mercado. “Para os proprietários que não concordaram com o valor, será ajuizada ação de imissão de posse”, avisa.

 

MÁQUINAS

O local que servirá de base para a instalação do parque de máquinas da Construtora Petrocon, que executará as obras do Contorno Oeste, teve área cedida pela administração municipal e está situada nas adjacências do Clube Lira, onde já foi realizada a preparação do terreno, inclusive com o trajeto do Contorno Oeste já demarcado, o que pode ser conferido pela população. Será o ponto de início das obras, do centro para as rodovias (BR-163 e PR-467).

 

Ponto central para o início da obra está situado na parte secundária do trajeto de seis quilômetros (Fotos: Joni Lang/OP)

 

 

Área próxima ao Clube Lira foi cedida pelo município para servir de parque de máquinas à Construtora Petrocon

 

 

Leia a matéria completa na edição impressa de O Presente

TOPO