Copagril
Marechal

Pagar para estacionar o carro é tendência em Rondon

Giuliano De Luca/OP

A rondonense Mari Wust bate a porta de seu carro a cerca de 300 metros do seu local de trabalho. Tranca o veículo e faz o restante do percurso a pé, no centro de Marechal Cândido Rondon. Ela já sabe que as chances de encontrar uma vaga de estacionamento mais próximo do serviço são pequenas. Nos últimos oito anos, a frota de veículos do município aumentou 68%. Com mais carros nas ruas e a mesma quantidade de vagas, o resultado não poderia ser outro, se não a dificuldade para estacionar. O cenário fez aparecer há pouco mais de um mês o primeiro estacionamento privado no centro da cidade e aponta para o que autoridades e empresários acreditam ser inevitável: o rondonense vai ter que se acostumar a pagar para deixar seu veículo estacionado.

Em abril de 2007, de acordo com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), a frota em Marechal Cândido Rondon era de aproximadamente 22,5 mil veículos. Em abril deste ano o município já tinha 37.850 unidades, a maioria carros de passeio (18 mil) e motos e motonetas (10,8 mil), que durante o horário comercial disputam as raras vagas dos estacionamentos públicos do centro e áreas próximas.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Venho trabalhar de carro e sei o quanto tá difícil estacionar. Tá muito complicado mesmo, diz Mari. Ela é vendedora em uma loja de calçados na Rua Paraná e conta que o problema é compartilhado pelas colegas. Tem gente que já está vindo a pé, mas para quem mora longe é difícil. Vamos vir de que jeito?, questiona a trabalhadora. Além de muito carro, tem o problema de motorista que estaciona errado e come vagas, os caminhões de descarga, que ocupam quatro, cinco vagas, menciona.

A balconista Juliana Werle, de uma ótica na Rua Sete de Setembro, conta que a falta de espaço para estacionar é comum e incomoda os clientes. Aqui (estacionar) só na sorte, se pegar a vaga no pulo, quando alguém está saindo, diz. Ou se você vier antes do horário de trabalho, emenda. Para ela, a lotação se deve principalmente pela falta de rodízio de veículos. Tem muita gente do comércio que estaciona às 08 horas e tira o carro só no fim da tarde. O carro fica estacionado o dia inteiro e tira a vaga dos clientes, comenta. Muitos clientes já chegam aqui na loja dizendo que foi muito difícil estacionar, revela.

Leia a matéria completa na edição impressa de hoje

TOPO