Marechal

Primeiro semestre teve 235 vítimas do trânsito em Marechal Rondon

Ter uma das maiores frotas em circulação proporcionalmente ao número de habitantes pode ser considerado um privilégio. E este é o caso de Marechal Cândido Rondon, município com 50 mil habitantes e que tem cerca de 40.218 veículos trafegando nas ruas da sede e do interior, segundo informações do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR). Entretanto, esses números têm um peso negativo quando o assunto em pauta são os acidentes de trânsito. Isso porque quanto mais veículos em circulação, maiores são as chances de colisões.

 

2016 e 2017

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

No primeiro semestre deste ano foram registrados em Marechal Rondon 235 acidentes de trânsito com vítimas no perímetro urbano e no interior. Esses acidentes envolveram todos os tipos de veículos, contudo a maior parte deles foram motocicletas, alcançando 131 acidentes, ou 56% do total. Neste período, quatro pessoas perderam a vida em decorrência de acidentes; todas elas eram condutores ou ocupantes de motocicletas.

No primeiro semestre do ano passado o trânsito rondonense fez 215 vítimas, independente da gravidade. Novamente as motocicletas responderam pela maioria dos acidentes: 56% do total, ou 119 casos. Naquele período um óbito foi registrado em decorrência de acidente de trânsito.

Na avaliação de um ano com o outro, é possível verificar que houve aumento de 10% nos acidentes com motocicletas. Atualmente, o município conta com 11.151 motocicletas emplacadas.

As informações foram fornecidas pelo Corpo de Bombeiros.

 

Segurança

De acordo com o sub-comandante do Corpo de Bombeiros de Marechal Rondon, tenente Lucas Schlogl, o alerta fica ligado para os acidentes de trânsito, especialmente em se tratando de vítimas socorridas pelo Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma e Emergência (Siate). “As nossas estatísticas mostram acidentes envolvendo automóvel, motocicleta, caminhão, bicicleta, todos os tipos de veículos. Conduto, observamos que as motocicletas representam 56% do total, porque são mais ágeis, mas oferecem menos segurança. Normalmente os acidentes com motocicletas envolvem vítimas com maior gravidade do que nos outros meios de transporte, como o carro, por exemplo”, pontua.

Schlogl enaltece que o motociclista por vezes acaba sendo mais displicente com a sua própria segurança. “O pessoal geralmente trafega usando capacete com jugular e viseira abertas, o que acarreta em danos mais sérios para as pessoas. A motocicleta sempre traz um número maior de acidentes e vítimas, além disso a gravidade dos ferimentos é maior do que em todos os outros tipos de veículos”, salienta.

 

Características

A considerar o estilo da colisão, os motociclistas acarretam em diversos tipos de lesões. Uma batida lateral geralmente ocasiona lesões no fêmur, entre elas fraturas, e nos braços. No caso de colisão frontal os ferimentos são torácicos e na região do fêmur. “Dependendo do acidente o motociclista tem grande possibilidade de lesões nas pernas e grandes lesões. Se estiver sem o capacete ou se o capacete sair, há possibilidade de lesões na cabeça, que, por sua vez, geralmente são graves”, alerta o sub-comandante do Corpo de Bombeiros.

 

Respeito à velocidade

O responsável pelo Setor de Trânsito da 2ª Companhia da Polícia Militar (PM) de Marechal Rondon, soldado Claudinei de Oliveira Garcia, entende que o condutor deve seguir a velha máxima de que todo cuidado é pouco em se tratando de trânsito. No entender dele, é preciso ser prudente a todo instante. “A gente pede que principalmente os motociclistas trafeguem com a velocidade adequada da via. Também lembramos aos motociclistas e condutores de veículos que a velocidade máxima permitida nas avenidas é de 60 km/hora (em alguns pontos chega a 40 km/hora). Se todos os condutores trafegarem nesta velocidade, mesmo acontecendo um acidente, o impacto será menor”, aconselha.

Garcia sugere que os motociclistas tenham atenção especial para que verifiquem a situação do capacete, se ele está em condições de uso e se está devidamente afixado à cabeça. “Isso é importante para que o usuário esteja devidamente protegido, além de ter muita atenção nos cruzamentos e nas rotatórias. Infelizmente tivemos quatro óbitos devido a acidentes de trânsito (três na cidade e um no interior), então vale o alerta para que não se percam mais vidas. Além disso, não é em todos os acidentes que as pessoas perdem a vida, mas eles podem gerar sequelas para o resto da vida”, comenta.

 

Fiscalização

Conforme o soldado, a PM realiza blitze visando agir preventivamente para que os índices de acidentes sejam reduzidos. “A gente tem um número bastante grande de acidentes e vítimas na nossa cidade, na região, no Estado e no país. É claro que o ideal seria ter um número menor, até porque muitas das vítimas de acidentes param no SUS (Sistema Único de Saúde) e acabam minando recursos que seriam utilizados para a prevenção de doenças, mas são usados para atender acidentados. Se todo condutor de veículo tomasse os devidos cuidados, observasse a sinalização e trafegasse com a velocidade adequada, com certeza seria reduzida a quantidade e a gravidade dos acidentes. É necessário seguir as normas do Código de Trânsito Brasileiro”, enaltece.

 

Orientação

A sugestão da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros é de que os condutores se mantenham atentos em respeitar as leis de trânsito e observem a velocidade das vias e locais de ultrapassagem. Os motociclistas devem se preocupar em ser visíveis aos outros meios de transporte, pois muitas vezes ficam em pontos cegos em relação aos outros veículos.

TOPO