Copagril
Marechal Falta de comprometimento

Rondonenses já faltaram a nove mil consultas agendadas neste ano

Ausência prejudica atendimento a outros cidadãos e ao setor de Saúde como um todo, incluindo médicos e serviços de média e alta complexidade. Maior número de faltas está no Loteamento Augusto (Foto: Joni Lang/OP)

Apesar de terem realizado agendamento, rondonenses faltaram a 9.145 consultas e procedimentos neste ano, segundo dados referentes ao período de 1º de janeiro até o último dia 16. Os dados foram compilados pela Secretaria Municipal de Saúde.

O recorde em não comparecimento é do Posto de Saúde Loteamento Augusto José Alves de Araújo, com 788 ausências. Depois aparecem Jardim Primavera, com 781 faltas, e o Jardim Botafogo, com 752 agendamentos concluídos, mas não atendidos pela ausência dos pacientes.

Casa do Eletricista SORTEIO DE VERÃO

A secretária de Saúde de Marechal Cândido Rondon, Marciane Specht, lamenta a alta quantidade de absenteísmo em relação às consultas. Isto porque, conforme ela, prejudica toda uma cadeia: desde um cidadão comprometido que fica na fila mais tempo até ser atendido, passando pelos recursos públicos aplicados no pagamento aos profissionais da saúde.

Marciane recomenda que caso a pessoa não consiga comparecer à consulta, ela deve cancelar o agendamento no prazo indicado até 24 horas antes do procedimento médico. Exames de baixa complexidade devem ser agendados e feitos no bairro onde o cidadão reside, enquanto para consulta de média e alta complexidade o interessado ou familiar precisa se dirigir ao setor de regulação junto à prefeitura para agendar o atendimento.

 

FILAS DE ESPERA

“Por meio do planejamento da Secretaria de Saúde e em alguns casos devido à licitação foi possível reduzir as filas de espera para os exames de ressonância magnética e também de ultrassonografia em Marechal Cândido Rondon”, diz a secretária de Saúde, emendando que “nas consultas foi reduzido o tempo na fila de espera nas especialidades de angiologia e cirurgia vascular, otorrinolaringologista, cardiologista e neurologista”.

Segundo ela, em tais filas existiam casos que ultrapassavam dois anos de espera e agora o período médio fica próximo dos 120 dias para casos eletivos sem prioridade. “Continuamos em busca de aprimoramento nas diversas especialidades e exames para prestar o melhor atendimento ao cidadão rondonense”, ressalta, destacando ser um pedido do prefeito e vice e que vem sendo melhorado desde o ano de 2017.

“Uma das primeiras filas que reduzimos e zeramos foi a de dermatologia, seguida pela oftalmologia, na qual tínhamos mais de 700 pacientes aguardando. Também foi reduzida a fila da ecografia e zerada na tomografia. Eram vagas que foram utilizadas via Sistema Único de Saúde (SUS), além da solicitação de vagas excedentes através do Consórcio Intermunicipal de Saúde Costa Oeste do Paraná (Ciscopar)”, informa Marciane.

A secretária diz que no fim do ano passado foram zeradas as filas das ressonâncias magnéticas, cujos exames envolvem altos custos. “Atualmente nós temos para esses exames uma média de espera de 60 dias, o que pode ser conferido no Portal da Transparência, onde constam as filas de diversas especialidades com o seu tempo médio de espera. É preciso ponderar que quanto mais procura do paciente, maior vai ser a demanda pelo serviço da saúde. Atrelado a isto ainda têm as melhorias da qualidade técnica, dos serviços prestados em todas as unidades hospitalares. O Hospital Municipal Doutor Cruzatti, além de partos e cesáreas, hoje conta com cirurgias de ginecologia e obstetrícia, sendo que os procedimentos da cirurgia eletiva tiveram suas filas praticamente zeradas. O procedimento de vasectomia, de baixa complexidade, pode ser realizado no município pelos profissionais habilitados via PSS. Já os casos de atendimentos extremamente rápidos são enviados a uma outra regional de saúde ou a Curitiba”, explica a secretária, pontuando que “as demandas de especialidades nas consultas estão atreladas à distribuição per capita nos 18 municípios da 20ª Regional de Saúde em Toledo”.

Ao considerar a demanda, Marciane menciona que o município entendeu por fazer um processo licitatório para contratar os serviços em Marechal Rondon, caso da neurologia, cuja fila também está zerada.

Ela comenta que a sequência no serviço é algo gradativo, a exemplo da primeira consulta, realização dos exames e continuidade no tratamento. “O município também contratou otorrinolaringologista porque a relação custo-benefício se mostra mais viável assim. Acredito que a maior vantagem seja a comodidade do paciente de poder ter, sempre que possível, o cuidado dele próximo de sua residência, no entorno de sua localidade, como a gente tem hoje em Toledo e Cascavel. Deve-se ponderar que a fila de espera da consulta médica eletiva ou de outros atendimentos existe no serviço público e no setor privado”, pontua.

Por outro lado, Marciane lembra que a pedido do prefeito e vice está sendo encaminhada para licitação a compra de um aparelho de intensificador de imagem para iniciar os procedimentos de ortopedia de baixa e média complexidade no município.

 

ABSENTEÍSMO

A secretária reforça que embora todo este investimento em uma saúde de qualidade por parte do município ao cidadão, o que gera considerável redução no tempo entre agendamento e atendimento, há uma taxa grande de absenteísmo, ou seja, de pessoas que agendam a consulta, no entanto não comparecem ao atendimento.

Ela cita que em Marechal Rondon estão disponíveis as Estratégias Saúde da Família (ESF) e as Unidades Básicas de Saúde (UBS), ou os postos de saúde. “Em alguns locais a fila de agendamento para consulta varia de duas a quatro semanas, quando em outros pontos a maior demanda e a população do bairro geram uma fila superior a 30 dias. Porém, quando eu agendo a minha consulta e não compareço, significa ocupar a vaga de consulta de um paciente que seria atendido. Portanto, a gente percebe uma falta de comprometimento com o serviço público”, lamenta.

Marciane entende que imprevistos podem fazer a pessoa não comparecer à consulta, todavia o cidadão tem o dever de cancelar o agendamento, cujo prazo máximo indicado é 24 horas de antecedência. A suspensão, caso necessária, deve ser solicitada pelo telefone (45) 3284-8808.

“Percebemos haver falta de vontade muitas vezes, por assim dizer, porque o serviço público tem o dever de atender a população, que nem sempre dá este retorno. Se o paciente não se compromete com a saúde pública, nós não podemos ir na casa do paciente e implorar para que compareça. Quando eu não frequento uma consulta, um agendamento no posto de saúde, eu estou, primeiro, deixando de cuidar da minha saúde; segundo, eu tenho de entender que este profissional está lá para atender e servir o povo. Então, quando eu tenho um horário e não vou para a consulta médica, eu prejudico o meu amigo, o meu vizinho, o meu familiar. É preciso lembrar que os nossos proventos são bancados pela população, então quem falta a uma consulta ou procedimento desvaloriza o custo envolvido neste processo”, frisa.

Marciane revela que, desde o início do ano, 115 pacientes agendaram consultas de ortopedia na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não compareceram. “E todas as pessoas que vão ao setor de atendimento da Secretaria de Saúde ou que buscam diretamente o balcão de atendimento da UPA muitas vezes ficam na lista de espera, que geralmente são as consultas de encaixe. Existe necessidade, sim, de dizer que as pessoas nem sempre gostam de ser apontadas, no sentido da sua ausência, contudo preciso expor que esta falta na consulta médica ou em qualquer agendamento prejudica todo um sistema no âmbito municipal e gradativamente regional e estadual”, pontua.

O índice de rondonenses que faltam aos procedimentos marcados via Ciscopar também preocupa, uma vez que representa 19,2% do total. “Neste caso a preocupação é maior devido à alta demanda, sendo que a falta às consultas e exames não prejudica apenas os rondonenses, mas também os moradores de outros 17 municípios da região”, enfatiza a secretária.

 

ALTERAÇÃO DE CARGOS

A administração rondonense encaminhou à Câmara de Vereadores o projeto de lei 22/2019. O texto tem como objetivo atualizar o quadro de servidores municipais diante das novas demandas da população. Neste sentido, estão previstas a criação de novos cargos, aumento de vagas em alguns já existentes, bem como a extinção e a declaração de extinção de outras categorias.

O projeto de lei foi baixado às comissões permanentes de Justiça e Redação e de Orçamento, Finanças e Fiscalização, cujos parecerem servirão para embasar a votação dos vereadores em plenário. O projeto inclui a criação de cargos na Secretaria de Saúde.

“Estamos reorganizando alguns cargos para realizar plantões com 12 ou 24 horas semanais. Nós também constatamos dificuldades em especialidades, a exemplo de clínico geral e ginecologia obstetrícia. O redimensionamento nos plantões permite, para algumas áreas, flexibilidade de trabalho. Ao observar o andar dos profissionais e a rotatividade deles, nós estudamos e optamos pela reorganização de cargos em alguns horários, bem como mudanças de denominações dentro desse processo”, conclui Marciane.

Não se trata da abertura de concurso público neste momento, mas, sim, de um projeto enviado à Câmara prevendo a criação, extinção e o aumento de vagas.

 

Secretária municipal de Saúde, Marciane Specht: “Existe necessidade, sim, de dizer que as pessoas nem sempre gostam de ser apontadas, no sentido da sua ausência, contudo preciso expor que esta falta na consulta médica ou em qualquer agendamento prejudica todo um sistema no âmbito municipal e gradativamente regional e estadual” (Foto: Joni Lang/OP)

 

AUSENTES ÀS CONSULTAS

Unidade de Pronto Atendimento Edgar Netzel

Ortopedia/Traumatologia 229

Psiquiatria 165

Resultado 394

 

Hospital Municipal Doutor Cruzatti

Anestesiologia 3

Clínico geral 15

Ginecologia/Obstetrícia 19

Cirurgia geral 10

Resultado 47

 

Centro Integrado de Saúde (CIS) – ESF

Clínico geral 260

Cirurgião dentista (odontologia) 95

Médico Programa Saúde da Família 1.018

Clínico geral 42

Enfermeiro 11

Resultado 1.426

 

CIS Especialidades

Otorrinolaringologia 102

Endocrinologia/Metabologia 66

Cardiologia 85

Neurologia 50

Angiologia 9

Resultado 312

 

Estratégia Saúde da Família (ESF)

Posto de Saúde Loteamento Augusto 788

Posto Jardim Primavera 781

Posto Jardim Botafogo 752

Posto Jardim Alvorada 704

Posto São Lucas 688

Posto de Saúde Vila Gaúcha 670

Posto Jardim Marechal 505

Posto Porto Mendes 262

Posto Margarida 258

Posto Jardim Líder 203

 

Unidades Básicas de Saúde (UBS)

Posto de Saúde Novo Três Passos 107

Posto de Saúde Novo Horizonte 104

Posto de Saúde Iguiporã 92

Posto de Saúde Gerta Herpich de Bom Jardim 27

Posto de Saúde São Roque 12

Centro de Saúde da Criança e da Mulher 664

Centro de Apoio Psicossocial Laços de Amor 349

 

TOTAL DE FALTOSOS 9.145

* Dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde referentes ao período de 1º de janeiro a 16 de agosto

** O Centro Integrado de Saúde tem o maior índice de faltosos devido às diversas especialidades, enquanto a maior evasão nos bairros fica no Loteamento Augusto

 

AGENDAMENTO CISCOPAR

Consultas marcadas 4.443

Atendimentos 3.590

Não comparecimento 853 (19,2%)

 

Exames e/ou procedimentos marcados 46.788

Atendimentos 42.595

Faltas 4.193 (9%)

* Período analisado: 1º de janeiro a 31 de julho. Dados divulgados pela Secretaria de Saúde

 

O Presente

 

TOPO