Pref. Pato Bragado Natal em Canto 2019
Marechal

Unioeste avalia projeto de autonomia universitária

Joni Lang/OP

Professor Luiz Fernando Reis: Definir um custo fixo pode congelar a expansão da Unioeste

A sala do Tribunal do Júri do campus da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) de Marechal Cândido Rondon foi sede de reunião, na manhã de ontem (05), entre professores e agentes universitários da instituição local. Em torno de 150 pessoas participaram do encontro, cujo tema tratado foi a exposição de dados acerca do projeto de autonomia financeira, avaliado por professores como prejudicial, devido à extinção do plano de carreira, além de eventualmente congelar o crescimento da Universidade no futuro, que hoje é a terceira, mas que pode despontar como a maior do Estado.

Os trabalhos foram conduzidos pelo professor do curso de Enfermagem do campus de Cascavel da Unioeste, doutorando Luiz Fernando Reis. De acordo com ele, a avaliação da Associação dos Docentes da Unioeste (Adunioeste) é que o projeto de autonomia financeira deve ser retirado pelo Governo do Estado. Ele pretende vincular o financiamento das universidades a um percentual das receitas tributárias líquidas do Estado, mas nós não concordamos com o projeto, adianta.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Conforme Reis, na proposta está prevista o fim do direito do professor e do servidor técnico da revisão anual de salários, que é um direito garantido por lei para o funcionalismo. Nós achamos que não há razão para discriminar. Por que só professores e agentes universitários não teriam revisão anual de salários quando o governo mantém isso para os outros? Outra questão é que o projeto coloca em risco a carreira do professor e do agente universitário, aprovado por deputados e que estabelece garantias com relação às conquistas dos últimos 30 anos, completa.

Reis explica que o projeto tende a criar problemas, pois a universidade que tiver mais dinheiro poderá pagar melhores salários aos docentes. O orçamento de Londrina é maior que o da Unioeste, então a tendência é dos professores de Londrina terem mais dinheiro que os da Unioeste. Nós entendemos que o professor universitário deve ter o mesmo salário em todos os locais, enfatiza.

 

Leia a matéria completa na edição impressa de hoje

TOPO