Ecoville – Maior rede de limpeza
Municípios Preocupação

“Cigarrinha” do milho: engenheiro da Emater monitora lavoura no distrito de Bela Vista

(Foto: Divulgação)

Popularmente conhecida como “cigarrinha”, esta praga tornou-se ao longo dos últimos anos uma das grandes preocupações os produtores de milho. Ele se alimenta da seiva da planta de milho e realiza postura sob a epiderme da folha, preferencialmente na nervura central de folhas do cartucho.

A infecção ocorre na plântula de milho em estádios iniciais de desenvolvimento.

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

Esses microrganismos patogênicos proliferam nos tecidos e a planta apresenta sintomas do enfezamento apenas na fase de produção.

No momento em que está sendo iniciado o plantio do milho da safrinha, profissionais do setor agronômico estão procurando monitorar as lavouras e orientar os produtores sobre as ações para prevenir a “cigarrinha”.

Um dos grandes especialistas no combate à “cigarrinha” no Estado do Paraná, o engenheiro da Emater de São Jorge do Ivaí, na Região de Maringá, Claudinei Antônio Michio, doutor em Fitosanidade, está monitorando uma lavoura de milho no distrito de Bela Vista, em Marechal Cândido Rondon. “Nós estamos acompanhando uma lavoura em Bela Vista. É uma das primeiras lavouras de milho nessa região. Inicialmente os produtores estavam bastante assustados, porque havia uma faixa extensa de cigarrinha. O produtor já tinha feito uma aplicação para o controle do percevejo com princípio ativo acetato, nós fizemos uma avaliação na área, e não houve naquele momento necessidade de aplicação, mesmo assim o produtor ainda optou por fazer uma aplicação no final da fase mais crítica do percevejo do principio ativo Bifentrina mas Zeta Cipermetrina. Houve o controle do percevejo, embora a população avaliou que era bastante baixa, mas no caso da cigarrinha que é a praga, a gente tem um olhar diferenciado, inicialmente pelo que  a gente tem percebido”, diz Michio. “Ainda estaremos analisando se não vai ocorrer aquele vírus após a fase de florescimento e formação de espigas”, comenta.

Com Rádio Difusora

TOPO