Ecoville – Maior rede de limpeza
Municípios São Miguel do Iguaçu

Índios bloqueiam trecho da BR-277 em protesto contra municipalização da saúde

O grupo de indígenas se concentrou a cerca de 500 metros da praça de pedágio da BR-277 em São Miguel do Iguaçu (Foto: PRF/Divulgação)

Um grupo de índios bloqueou parcialmente um trecho da BR-277 em São Miguel do Iguaçu na tarde desta terça-feira (26) em protesto, entre outros, contra a proposta de municipalização dos serviços de saúde a indígenas.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a manifestação começou por volta das 14h30 e o trânsito é liberado por 15 minutos em casa sentido da rodovia.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Os manifestantes estão reunidos a cerca de 500 metros da praça de pedágio. E, a previsão é que o protesto dure uma hora e meia.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde diz que eventuais mudanças de ações de vigilância e assistência à saúde aos povos indígenas ainda estão sendo discutidas.

Ainda, segundo o Ministério da Saúde, não existe medida provisória do Governo Federal que municipaliza os serviços de saúde de indígenas ou modifica a política indigenista.

 

Nota do Ministério da Saúde

“O Ministério da Saúde esclarece que a realização de ações na Atenção à Saúde Indígena desenvolvidas pela Secretaria Especial de Saúde indígena (SESAI) é uma das atribuições da pasta e que as eventuais mudanças no desenvolvimento dessas ações de vigilância e assistência à saúde aos povos indígenas ainda estão sendo objeto de análise e discussão.

É importante deixar claro que não existe, no momento, medida provisória do governo federal que modifica a política indigenista do país e municipaliza os serviços de saúde de indígenas.

Cabe ressaltar que não haverá descontinuidade das ações. Para isso, o Ministério tem se pautado pela garantia da continuidade das ações básicas de saúde, a melhoria dos processos de trabalho para aprimorar o atendimento diferenciado à população indígena, sempre considerando as complexidades culturais e epidemiológicas, a organização territorial e social, bem como as práticas tradicionais e medicinais alternativas a medicina ocidental”.

 

Com G1 PR 

TOPO