Fale com a gente

Municípios Afastamento temporário do diretor geral

Ministério Público recomenda intervenção no Hospital Municipal de Foz do Iguaçu

Publicado

em

Foto: Divulgação

Responsável pelo atendimento diretor de pacientes do SUS de Foz do Iguaçu e de todos os outros oito municípios da 9ª Regional de Saúde, o Hospital Municipal de Foz do Iguaçu também é porta aberta para os pacientes enviados pelo Paraguai e argentina. Atualmente, a casa hospitalar tem uma dívida que passa dos R$ 100 milhões.

A recomendação do MP, endereçada ao prefeito Chico Brasileiro e a Secretária de Saúde Jaqueline Tontini, foi assinada pelo promotor, Luiz Marcelo Mafra.

Segundo o promotor, a intervenção, deve ser feita em no máximo 20 dias, assim como o afastamento temporário do diretor geral do hospital, o médico Amon Mendes.

A motivação do pedido, além da dívida é a apuração de irregularidades nas ações realizadas pela diretoria. Serviços de atendimento à população foram paralisados e os funcionários reclamam das condições de trabalho e chegaram a anunciar uma greve geral.

O prefeito de Foz do Iguaçu e a Secretária de Saúde do Município, ainda não se manifestaram sobre a orientação.

A recomendação da Promotoria ressalta ainda, declarações prestadas pelas empresas de ortopedia e traumatologia, de ausência de ambiente estéril e seguro para realização de cirurgias, como materiais não esterilizados conforme normas de biossegurança, porta de acesso ao respectivo local danificada a impedir o isolamento total com o corredor e mosca abatida no centro cirúrgico na sala cirúrgica.

-Carência de materiais ou, até mesmo em quantitativo insuficiente e/ou qualidade inferior, para a regular vazão das cirurgias devidamente programadas nos mapas cirúrgicos diários, fatos estes retratados pela ausência dos seguintes insumos/equipamentos;

-Ausência de manutenção adequada dos equipamentos utilizados nos atos cirúrgicos, tais como: perfurador, caixa de haste, fresas, chaves incompatíveis para o tamanho dos parafusos disponíveis, mesa de tração com defeito impedindo o emprego da técnica adequada ao procedimento cirúrgico e materiais que vieram a quebrar durante o ato cirúrgico;

-Ausência de refrigeração adequada nos centros cirúrgicos a evitar o suor excessivo da equipe durante o ato, elevando-se os riscos de contaminação do campo cirúrgico;

-A suspensão de contrato com seis empresas prestadoras de serviço de ortopedia;

-Recorrentes atrasos nos pagamentos de fornecedores de materiais cirúrgicos hospitalares;

-Abruta suspensão dos contratos de ortopedia sem planejamento;

-Acumulação das funções do diretor-presidente com as de diretor-técnico.

 

Com Catve 

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Facebook