Municípios conscientização

Pato Bragado desenvolve ações de combate à violência contra a mulher

(Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)

  • (Foto: Divulgação)

  • (Foto: Divulgação)

  • (Foto: Divulgação/Marili Koehler)

  • (Foto: Divulgação/Marili Koehler)

Mesmo com campanhas de conscientização e denúncias, a violência contra mulher se reproduz de geração em geração. A administração de Pato Bragado está nessa luta contra a violência doméstica, seja ela física, psicológica, sexual, patrimonial ou moral.  

Segunda-feira (25) no Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, a Secretaria Municipal de Assistência Social, por intermédio do Creas e com apoio dos estudantes do Colégio Estadual Pato Bragado realizaram, na Avenida Continental, pedágio com distribuição de material explicativo, contendo os tipos de violência doméstica e familiar, como se manifestam e formas de apoio, com contatos para denúncias. 

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Ontem (26), à noite, o apoio necessário para escapar da violência de alguém que, na maioria das vezes, está muito próximo, foi reforçado pelo Cras e Creas, por meio da palestra com a psicopedagoga, Cleudes dos Santos. No saguão do projeto piá Luz do Futuro, profissional reforçou as formas de autoconhecimento, autoestima e empoderamento das mulheres, além dos desafios e a liberdade de fazerem a escolha de viver e sorrir, fazendo a voz das mulheres falar mais alto que o medo. 

“Quando se fala em violência contra a mulher, por vezes é pensado somente em violência física, mas as outras formas de violência, enfatizando a violência psicológica e a violência moral, são tão graves e podem ser, até mesmo, mais danosas”, explicam a assistente social, Rafaela Melo Damasceno Couto e a psicóloga Andrinea Cordova da Rosa, ambas do Creas. Elas declaram que a violência física, sempre é precedida e acompanhada por uma violência psicológica, considerando ainda que as ações desencadeadas pela desigualdade entre homens e mulheres também são formas de violência psicológica. “Por isso é importante saber identificá-la para combatê-la”, pontuam.

Denúncias na Central de Atendimento da Mulher (180), Polícia Militar (190) e no Creas (3282-1571 e 98805-4927).

 

Com assessoria

TOPO