Municípios Efluentes da suinocultura

Pato Bragado vai ganhar Mini Central Termelétrica

Na presença do prefeito Leomar Rohden (Mano), projeto foi apresentado aos produtores rurais ligados à atividade suinícola. (Foto: Marili Koehler)

A administração de Pato Bragado está providenciando a elaboração de um projeto de instalação de uma central de conversão de gás em energia elétrica no município. Na última quarta-feira (27), na prefeitura, a convite da Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Desenvolvimento Econômico, o mesmo foi apresentado aos produtores rurais ligados à atividade suinícola.

Com mais de 200 toneladas/dia de efluentes resultantes da suinocultura, os produtores rurais do município precisam de uma solução ambiental para tratar esses rejeitos. Os suinocultores procuraram a prefeitura, que acionou o Sebrae, e juntos conseguiram viabilizar um projeto para implantação e operação de um biogasoduto rural, o qual vai conectar o biogás produzido por 15 produtores rurais com o respectivo plantel de 30 mil suínos. O biogás será injetado na rede coletora, que terá 13 quilômetros de extensão, interconectando as propriedades até a Mini Central Termelétrica (MCT).

Casa do Eletricista – NÃO PAGUE AR

O secretário da pasta, Ageu Juarez Fidler, explica que na Mini Central Termelétrica o biogás será convertido em eletricidade. Essa energia, segundo ele, será utilizada para abater o consumo dos prédios públicos de Pato Bragado. “O Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) foi contratado pelo Sebrae para a execução do projeto, por meio do Programa Sebraetec, nesta primeira etapa para realizar o estudo do arranjo técnico e os custos para execução do projeto. O estudo foi entregue à administração e ao Sebrae, última quinta-feira (28)”, comenta.

 

NOVA REALIDADE

Para o engenheiro mecânico da CIBiogás, Thiago Fernando Magrini Lopez, o projeto vai mudar a realidade dos produtores rurais e do município. “Um projeto como este traz uma consciência social sobre sustentabilidade muito forte. Afinal, as pessoas começam a perceber que a sustentabilidade oferece soluções com as energias renováveis que se tornam viáveis para redução de custos com resíduos do agronegócio, diversificação de renda e mitigação de danos ambientais”, destaca.
O próximo passo será o estudo de viabilidade econômica.

 

Com assessoria

TOPO