Municípios Proibido por lei

Prefeito de Toledo é investigado por obra inaugurada em período eleitoral

Para o MP, a inauguração a poucos dias das eleições teve como objetivo "favorecer terceiros do mesmo grupo político" do prefeito Lúcio de Marchi (PP) (Foto: Reprodução/RPC)

O Ministério Público Estadual (MP-PR) ajuizou nesta quinta-feira (06) uma ação civil pública contra o prefeito de Toledo.

Lúcio de Marchi (PP) está sendo investigado por ter inaugurado uma obra inacabada durante o período eleitoral, o que é proibido por uma lei municipal aprovada no fim de 2017. O ato, aponta o MP, configura autopromoção.

Na ação, o promotor Sandres Sponholz explica que o prefeito cometeu abuso ao inaugurar a Central de Especialidades Médicas e Saúde do Trabalhador Radialista Osvaldo Luiz Ricci, no dia 1º de outubro, duas semanas antes da conclusão prevista no contrato.

Sponholz destacou ainda que denúncias indicaram que a inauguração antecipada não permitiu a adequada prestação dos serviços de saúde à população, com demora no atendimento e falta de equipamentos considerados importantes.

Entre as irregularidades encontradas no local, a ação destaca a falta de acesso a internet na triagem dos pacientes e em parte dos consultórios, de lavatórios nos banheiros dos funcionários, além de problemas na estrutura do prédio como vãos entre as salas, o que compromete a privacidade no atendimento dos pacientes.

Para o promotor, a inauguração a poucos dias das eleições teve como objetivo “favorecer terceiros do mesmo grupo político”.

A ação pede o bloqueio de bens do prefeito em até R$ 185 mil.

 

Outro lado

O prefeito Lúcio de Marchi está em viagem e não foi encontrado.

Já a assessoria de imprensa da prefeitura informou que não foi notificada da ação e que por enquanto não deve se manifestar sobre o caso.

 

Com RPC 

TOPO