Fale com a gente

Paraná Confira a lista

Farmacêuticos reportam principais medicamentos em falta no Paraná

Em levantamento do Conselho Federal de Farmácia, aparecem remédios como dipirona e amoxicilina

Publicado

em

(Foto: Arquivo/Agência Brasil)

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) divulgou nesta quinta-feira (4) os principais medicamentos em falta no Paraná.

O número é fruto de um levantamento do órgão, que ouviu 512 profissionais de várias cidades que atuam nas redes pública e privada. Quase 98% deles disseram que têm dificuldades para encontrar determinados medicamentos.

Veja os números reportados:

94% relataram falta de: azitromicina, amoxicilina e cefalexina, remédios que combatem infecções;

84,8% relataram falta de: acetilcisteína e ambroxol, remédios que aliviam tosse e ajudam a eliminar secreções de doenças respiratórias;

74,3% relataram falta de: dexclorfeniramina e loratadina, remédios que combatem alergias;

62,4% relataram falta de: dipirona e ibuprofeno, remédios que aliviam dor e febre.

Segundo o diretor-secretário do Conselho Federal de Farmácia, Gustavo Pires, fatores internacionais interferem na produção de insumos.

“Nós dependemos muito dessa questão externa, da importação desses produtos, a gente também está passando por dificuldades. E a gente tá batalhando no dia a dia pra poder melhorar cada vez mais aí essa questão do abastecimento”.

Para especialistas, o problema foi agravado pela pandemia e não tem data para acabar.

Um dos motivos para o problema foi a mudança de padrão dos laboratórios, uma vez que muitos deixaram de fabricar medicamentos que apresentaram queda de consumo.

Além disso, quase todo o insumo para produção de medicamentos no Brasil vem da Índia e da China – e os chineses ainda mantém alta a vigilância contra surtos de Covid, o que prejudica a produção no país.

A guerra entre Rússia e Ucrânia também é um agravante por interferir nos preços do petróleo e na logística das importações.

Com G1

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Facebook