Copagril
Paraná Juros menores

Região Oeste lidera compras pelo Trator Solidário

Toledo foi o município do Paraná com maior adesão dos produtores na aquisição de tratores pelo programa (Foto: Divulgação)

Os agricultores que se enquadram no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) já podem financiar a compra de tratores com juros mais baixos. O Plano Safra 2018/19, em vigor desde 1º de julho, baixou os juros do crédito agrícola para esse público, de 5,5% para 4,6% ao ano.

Segundo o diretor-geral da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, Francisco Carlos Simioni, essa queda no custo vai beneficiar o agricultor familiar que planeja comprar um trator pelo programa Trator Solidário, do Governo do Paraná. Os tratores financiados pelo programa têm capacidade que variam de 55 CV a 75 CV de potência.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

O programa já entregou 11.018 tratores de pequeno e médio porte, um investimento de R$ 665,8 milhões, dos agricultores familiares paranaenses que tiveram o apoio do Estado para essa compra e com isso modernizaram as tarefas executadas nas propriedades.

O impacto desse programa pode ser dimensionado no crescimento da eficiência. Conforme Simioni, um trator na propriedade melhora a condição da atividade rural, imprimindo mais rapidez aos afazeres, reduz os custos de produção e facilita ao produtor fazer as atividades de plantio e colheita no momento adequado.

A meta do Governo do Estado é entregar até 12 mil tratores até o fim do ano. Com os resultados positivos do programa, atendendo a demanda dos agricultores familiares, a partir de 2015 o programa foi ampliado e possibilitou a aquisição de colhedoras de grãos, um equipamento de grande porte que revoluciona os procedimentos nas propriedades. Desde o início das contratações foram entregues 135 colhedoras, um investimento de R$ 39,5 milhões.

A estimativa é de redução de custos, em média, de 15%, entre o que o agricultor paga, se estiver vinculado ao programa, e os preços praticados no mercado. Atualmente, pelo programa, um trator com 55 CV de potência é vendido por R$ 68.800,00; um trator com potência de 75 CV sem cabine é vendido por R$ 87,7 mil e um trator com potência de 75 CV com cabine é vendido por R$ 104,8 mil.

 

PARCERIAS

O Trator Solidário é executado em parceria com a Emater, na seleção e elaboração de projetos; com os Bancos do Brasil, BRDE – Central Sicredi e Central Cresol, na operacão dos financiamentos; e com os fabricantes de máquinas/tratores agrícolas com a CNH/New Holland e a LS Tactor – com a Panter e a Rubemac p/ Equipamentos/Pulverizadores.

O programa conta com recursos do Tesouro do Estado, que garantem um bônus equivalência, que é a ferramenta necessária caso o agricultor tenha perdas de sua produção, devido a alterações climáticas, que possam inviabilizar o pagamento do equipamento.

 

NORMAS

Para fazer parte do programa, o agricultor precisa se enquadrar nas normas do Pronaf. Com a adesão das montadoras, o Governo do Estado foi em busca dos parceiros da área financeira, que concedem o crédito necessário, com juros compatíveis com a atividade, para o produtor comprar o equipamento.

No modelo de financiamento, definido pela Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, o agricultor tem um prazo de até dez anos para pagamento, com até três anos de carência.

 

REGIÕES

A região Oeste vem liderando a compra de tratores pelo programa. Toledo foi o município com maior adesão dos produtores. No período do programa, foram entregues 1.142 tratores, no valor de R$ 68 milhões.

A segunda região com mais adesões foi Curitiba, com 1.019 tratores entregues, no valor de R$ 58 milhões; e a terceira região com mais adesões pelos equipamentos foi Ponta Grossa, com 928 tratores entregues e investimento total de R$ 52 milhões.

 

Diretor-geral da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, Francisco Carlos Simioni: “Um trator na propriedade melhora a condição da atividade rural, imprimindo mais rapidez aos afazeres, reduz os custos de produção e facilita ao produtor fazer as atividades de plantio e colheita” (Foto: Divulgação)

 

Com assessoria

TOPO