Paraná Pandemia

Shoppings e academias aumentam pressão pela reabertura no Paraná

(Valter Campanato/Agência Brasil)

Justamente quando o pico de casos de Covid-19 se aproxima e a taxa de isolamento no Paraná diminui, aumenta a pressão das entidades de setores que estão com atividades suspensas no Estado por conta da pandemia de coronavírus. Tanto os lojistas de shoppings centers quanto as academias se movimentaram na última semana no sentido de liberar as suas atividades no Paraná. O governo do Estado, no entanto, permanece firme na posição de manter os estabelecimentos fechados e garante que o comportamento da curva de contaminação pela Covid-19 é que vai determinar a retomada das atividades, que depende, exclusivamente, do aval da Secretaria de Estado de Saúde.

O presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Sahyoun, enviou no sábado um ofício ao governador Carlos Massa Ratinho Júnior, pedindo a reabertura dos 36 estabelecimentos no Estado. “Caro governador, o Estado do Paraná conta com 36 shoppings, os quais contemplam mais de 6.500 lojas, gerando 110.000 empregos diretos e indiretos. Vale ressaltar que 70% das lojas destes empreendimentos são de pequenos empresários que, sem faturamento, não possuem capital de giro, pois as taxas de juros nos bancos variam de 1,5% a 1,8% ao mês mais a garantia do imóvel (que a maioria não possui) de 130% do valor do empréstimo, inviabilizando qualquer operação. Desta forma não resta alternativa a não ser fechar definitivamente a loja”, diz Sahyoun no ofício. “Quantos empregos estão em jogo, quantas famílias estão sendo prejudicadas? Quem perde o emprego hoje, com a recessão que vamos enfrentar, dificilmente conseguirá se recolocar no mercado novamente. Acreditamos nesse momento que o equilíbrio entre a saúde e a economia é a melhor decisão”, diz parte da carta.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Academias

Já a Associação dos Centros de Atividade Física do Brasil (Acaf), seção paranaense, foi ao Tribunal de Justiça do Paraná, com pedido de mandado de segurança,para que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMSC) autorizem a reabertura das academias e centros esportivos. Na ação, a associação ainda propõe medidas sanitárias para a reabertura, como o uso de termômetros eletrônicos para medir a temperatura de todos os funcionários e clientes, a utilização de tapetes esterilizadores de calçados e o controle do número de pessoas nos locais.

A Acaf ainda sugere a renovação do ar do ambiente sete vezes por hora, o distanciamento entre equipamentos, a entrega de kits individuais de limpeza de equipamentos, álcool gel em pontos estratégicos, além da obrigatoriedade do uso de máscara por funcionários e usuários. Também diz que o setor foi um dos primeiros a tomar medidas preventivas severas e que encara com seriedade a pandemia do coronavírus.

Decreto

Um decreto para incluir academias de ginástica, cabeleireiros, barbearias e salões de beleza como atividades essenciais durante a pandemia do novo coronavírus foi publicado ontem em edição extra do Diário Oficial da União. Pelo dispositivo, essas atividades passam a ser consideradas essenciais, desde que obedecidas determinações sanitárias do Ministério da Saúde.

O decreto presidencial pode dar respaldo jurídico para a reabertura desses estabelecimentos, mas, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), tomada em abril, estados e municípios podem adotar as medidas que acharem necessárias para combater o novo coronavírus, como isolamento social, fechamento do comércio e outras restrições, sem aval do governo federal.

Governo diz que mantém diálogo

Nota enviada pela assessoria de governo do Paraná, no entanto, afirma que o governador Carlos Massa Ratinho Junior mantém diálogo permanente com representantes de todos os setores econômicos para tratar da retomada das atividades e que uma comissão estadual, formada por especialistas em saúde, é que está avaliando a possibilidade de reabertura de shoppings, igrejas e outros segmentos.

“Está estabelecido que é o comportamento da curva de contaminação pela Covid-19 que vai balizar o retorno das atividades. Nas próximas semanas o Governo do Estado vai ampliar os testes na população e o resultado permitirá entender o cenário no Paraná e ajudar a tomar decisões com maior segurança”, diz a nota.

Também por meio de nota, a Secretaria de Urbanismo de Curitiba, responsável pela fiscalização, afirmou que as academias não podem funcionar, segundo decreto estadual. Também afirma que a fiscalização está sendo feita e aquelas que insistirem em abrir serão fechadas. Aliás, a Prefeitura de Curitiba fechou duas academias na última sexta, uma no Água Verde e outra na Vila Guaíra. A secretaria ainda lembra que segundo Decreto Estadual nº 4.230, de 16 de março de 2020, academias, centros de ginásticas e esportes em geral tiveram as atividades suspensas, por tanto, não há normas e procedimentos para a regulamentação da volta dos serviços.

Com Bem Paraná

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO