Paraná Volume de embarque

Silos públicos do Porto de Paranaguá têm desempenho recorde

(Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

Os silos públicos do Porto de Paranaguá registraram o maior volume de embarque dos últimos dez anos. A quantidade de soja, em grão e farelo, somou quase 1,66 milhão de toneladas no primeiro semestre deste ano, com aumento de 67,8%, em relação ao volume embarcado pelo complexo em 2019 (cerca de 988,4 mil toneladas).

Para o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, os números reforçam o bom desempenho da atividade portuária paranaense. “São diferentes fatores que impulsionaram as exportações de grãos. Mas, é preciso destacar o alinhamento com os operadores que utilizam os terminais públicos. É a boa gestão do sistema logístico que garante agilidade no fluxo entre o recebimento da carga e os carregamentos dos navios”, avalia.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

A estrutura é administrada pela empresa pública Portos do Paraná e integra o complexo do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá. Segundo o diretor de Operações, Luiz Teixeira da Silva Júnior, os esforços conjuntos das esferas pública e privada garantem maior eficiência operacional.

“A administração pública e os demais terminais privados interligados têm investido muito na qualidade operacional, alcançando altos índices de produtividade”, diz Teixeira da Silva. “Os regulamentos operacionais são aperfeiçoados constantemente e as melhorias fizeram do Corredor de Exportação um porto seguro para o agronegócio brasileiro”, afirma.

 

COMPLEXO

O Porto de Paranaguá conta com dois silos públicos: um vertical, dedicado à soja em grão, com capacidade de armazenar até 100 mil toneladas; e quatro horizontais, com capacidade total para 60 mil toneladas de farelo de soja.

Por estas estruturas, operam as empresas que não têm terminais próprios em Paranaguá. Atualmente, os operadores dos silos públicos são a Céu Azul, Grano Logística, Gransol, Marcon, Sulmare, Tibagi e Transgolf, que trabalham com diversos exportadores menores.

 

DIFERENCIAL

Como explica Luis Douglas Henrique, da Divisão de Silos da Portos do Paraná, entre os principais fatores que colaboraram para os resultados atingidos pelos silos públicos estão o aumento no volume de comercialização da soja pelos produtores e exportadores e, consequentemente, uma maior utilização desses terminais.

“Além disso, a capacidade de descarga dos silos públicos também é um grande diferencial para garantir fluxo de recebimento e atendimento aos navios, mesmo neste período de estiagem ocorrido nos primeiros meses do ano”, comenta.

Segundo ele, a descarga otimizada pelo modal Ferroviário, com ajustes de origem, encostes, janelas, descargas e programações junto à operadora da ferrovia, a empresa Rumo, também é fator determinante dos resultados.

“O modal rodoviário também passou por uma otimização no tempo de descarga com a implantação da chamada liberação automática de caminhões do pátio triagem”, comenta.

 

COLABORAÇÃO

Enquanto a Portos do Paraná gerencia as instalações públicas, fornece materiais para manutenção e fiscaliza os serviços prestados, a Associação dos Operadores do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá (Aocep) é responsável por executar as atividades operacionais e a manutenção do ativo, conforme delimitado em acordo de cooperação.

De acordo com Sandro Hech Barbosa, gerente administrativo-financeiro da Associação, os operadores dos silos públicos já esperavam um ano muito positivo, como vem sendo o primeiro semestre de 2020.

“Estamos conseguindo apresentar um resultado muito positivo para o mercado. Hoje temos uma estrutura que representa alta confiabilidade. Isso está sendo percebido e os clientes sentem-se seguros e confortáveis em trabalhar com os silos públicos”, diz.

Segundo ele, os resultados também se devem à sintonia entre operadores e a administração dos Portos. “Os operadores se reúnem diariamente com a diretoria de operações (Disilo), quando fazem um diagnóstico diário e a programação logística. Essa sintonia, o diálogo constante e um bom planejamento é o que vem refletindo nesse desempenho”, completa o representante da Aocep.

 

SILOG

A organização do fluxo de caminhões e vagões também é essencial para a eficiência do complexo. Por isso, a Portos do Paraná utiliza o Sistema Logístico do Corredor de Exportação (Silog), que analisa uma série de variáveis para a programação de descarga nos silos públicos.

“Organizamos as nomeações recebidas, por ordem cronológica de atracação dos navios, o que nos permite que sejam atendidos os navios conforme a sequência de atracação, caso contrário poderia prejudicar seriamente o giro do terminal”, explica Luis Douglas, da Divisão de Silos.

Segundo ele, equalizar a data prevista de atracação do navio e o volume a ser recebido, de acordo com a capacidade de recepção do terminal e espaço disponível, é o principal objetivo dessa programação. “É justamente esse sistema que permite que os silos públicos atendam todos os tipos de clientes”, conclui.

 

Com Agência de Notícias do Estado do Paraná

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO