Copagril
Poder Legislativo Encaminhamento correto

Cottica requer notificação de empresa que coleta lixo em Marechal Cândido Rondon

Foto: Cristiano Viteck

Em requerimento aprovado ontem (16) na Câmara de Marechal Cândido Rondon, o vereador Adriano Cottica solicita à administração municipal que notifique a empresa responsável pela coleta do lixo urbano. O objetivo é obrigá-la a sanar os constantes problemas de acúmulo de lixo em vias pública, o que tem gerado inúmeras reclamações da população.

O vereador Cottica ainda é autor de outros dois requerimentos assinados em conjunto com Arion Nasihgil. Um deles é para que a Prefeitura informe o Poder Legislativo a respeito de quem é a responsabilidade pelos acessos rodoviários à sede rondonense. Os vereadores justificam o pedido em razão das várias solicitações já apresentadas pela Câmara referente a melhorias nestes locais, sendo que poucas são atendidas.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

Eles citam como exemplo a instalação de iluminação mais eficiente e também de sinalização em locais como os trevos sob os viadutos da BR-163, que dão acesso às Avenidas Maripá e Írio J. Welp e a outros bairros e estradas.

“Muito se discute acerca da competência e da responsabilidade pela implementação de melhorias em tais locais, ora apontando ser do Município e ora do Governo Federal”, relatam. Com este esclarecimento, os vereadores pretendem dar o encaminhamento correto a futuros pleitos.

Outro requerimento de autoria dos dois vereadores é um pedido de informações à Prefeitura sobre os medicamentos fornecidos na Farmácia Básica de Saúde. Deve ser informado à Câmara a lista de medicamentos e o atual estoque unitário.

Já em indicação, Cottica propõe à Secretaria Municipal de Viação e Serviços Públicos o patrolamento, cascalhamento e compactação da estrada rural da Linha Horizontina, conforme demanda dos produtores que residem na localidade.

Outra indicação é para que a Secretaria Municipal de Agricultura e Política Ambiental atenda todos os protocolos que solicitam serviços dentro das propriedades rurais. “Alguns produtores chegam a ter dois ou até três protocolos pendentes, aguardando ansiosos pelo atendimento dos pleitos por parte do poder público municipal”, conclui Cottica.

 

Com assessoria

TOPO