Brincando na Praça 2019
Policial

Vários homicídios podem ter sido cometidos com a mesma arma

Divulgação
Confronto balístico identificou a mesma arma em três crimes

O resultado de perícias técnicas da Polícia Científica pode dar uma reviravolta na elucidação de diversos assassinatos em Toledo. O escrivão do departamento de homicídios da Polícia Civil, Vilmar Hang, explica que o confronto de projéteis (balas disparadas) de três casos deu positivo, o que significa que uma mesma arma foi utilizada nos três crimes. Agora mais dois serão analisados, pois há semelhanças nas balas.

Hung explica que ao confrontar os projéteis, a polícia identificou que a arma utilizada no latrocínio – roubo seguido de morte – do empresário Edmir Tadeu Tamparowsky (52), no dia 23 de julho, foi a mesma usada no assassinato do menor Alisson Vanderlei dos Santos (16) no dia 8 de março e ainda no homicídio de Diogo Júnior de Oliveira (21) no dia 2 de março.

Casa do Eletricista SORTEIO DE VERÃO

Ele revela que os três crimes já haviam sido elucidados, tendo o envolvimento de menores nos dois homicídios – que assumiram a autoria – e de um jovem no latrocínio. “Porém, agora este maior que está envolvido no latrocínio terá que explicar como utilizou a mesma arma usada em outros crimes. Ele poderá ser responsabilizado. Vamos investigar”, comenta ao relatar que os adolescentes podem estar sendo usados.

Outros

Após a perícia identificar por diversos exames que é 100% certeza que a arma dos três crimes é a mesma, a Polícia investiga outros dois casos. “Enviamos mais dois projéteis para análise, estamos esperando a resposta, mas se for verificada a mesma procedência ligaremos cinco crimes a mesma arma. Isto pode dar uma reviravolta, porque um mesmo grupo pode estar envolvido em todos estes homicídios”, explica.

Recursos Técnicos

O escrivão comenta que a Polícia Civil possui diversos recursos técnicos que ajudam na investigação. “Muita gente acha que ouvimos as testemunhas e acaba. Mas temos diversas ferramentas que dão suporte e materialidade à elucidação do crime”, revela ao explicar que atualmente o resultado tem sido mais rápido, cerca de três meses, o que facilita as investigações.

TOPO