Ford KA Fev 2021
Copagril – Sou agro com orgulho
Política Modelo híbrido

Deputados confirmam aval para volta às aulas nas escolas estaduais na segunda-feira

(Foto: Dálie Felberg/Alep)

A Assembleia Legislativa confirmou nesta segunda-feira (22) a aprovação, em terceiro turno e redação final, do projeto do governo que inclui a educação entre as atividades essenciais que não podem ser paralisadas durante a pandemia da Covid-19. Com isso, os parlamentares deram o aval final para a volta às aulas nas escolas estaduais na segunda-feira (1º). A proposta – que tramita em regime de urgência – segue agora para a sanção do governador Ratinho Junior, após ser aprovada em duas sessões consecutivas hoje. Segundo o governo, as aulas voltarão em modelo híbrido, com no máximo 50% dos alunos participando presencialmente, e os demais em sistema remoto.

O projeto avançou em terceira discussão com a aprovação de duas emendas de plenário, com 45 votos favoráveis e seis contrários. A redação final foi aprovada em votação simbólica, com seis votos contrários. Uma das emendas, assinada pelo deputado Do Carmo (PSL), estabelece que para o exercício da atividade e serviços educacionais ficará garantido aos profissionais a priorização para o recebimento de vacinas, conforme o plano estadual de vacinação, destinadas à imunização durante os períodos em que houver epidemias ou pandemias. Por enquanto, porém, não há previsão de quando professores e funcionários de escolas serão vacinados.

Casa do Eletricista – 99% dos problemas

A APP-Sindicato é contra a volta às aulas presenciais no momento, afirmando que as escolas não oferecem segurança sanitária para professores, funcionários e alunos.

O Paraná bateu, hoje, um novo recorde de internações relacionadas ao novo coronavírus, segundo boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). São 3.165 pessoas hospitalizadas com suspeita ou diagnóstico da doença na rede pública e privada de saúde do Estado. O boletim indica ainda taxa de ocupação de 92% nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) e 69% nas enfermarias.

O governo alega que as atividades educacionais devem ser consideradas essenciais “por terem papel fundamental no desenvolvimento da cultura nacional e na constituição, manutenção e evolução da sociedade”. E que o retorno às aulas será feito seguindo as normas de segurança. Além disso, o Executivo argumenta que pais podem optar por encaminhar os filhos às escolas ou permanecer no ensino remoto. A APP rebate, afirmando que professores e funcionários de escolas não têm essa opção.

 

Com assessoria

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO